Quanto vale o Grand Prix para o Brasil?



Começa na madrugada desta sexta-feira o Grand Prix. A Seleção Brasileira feminina estreia às 2h (horário de Brasília), contra o Japão, em Busan, na Coreia do Sul (Sportv e Esporte Interativo transmitirão ao vivo).

Alemanha e Coreia serão as demais adversárias do time de Zé Roberto nesta etapa. Mais do que um título (importante, diga-se de passagem), o GP serve como ponto de observação importante para a Seleção, em um ano de definição de vagas olímpicas na Copa do Mundo.

Apesar de ter uma base montada, o técnico iniciou a temporada com testes para algumas jogadoras novas em amistosos e torneios menos relevantes. E a experiência de jogar o Grand Prix pode ser decisiva para elas.

Tandara é um exemplo. Ela se encaixa na característica multifuncional que Zé Roberto tanto gosta: pode jogar na saída de rede ou como passadora. O ataque é seu ponto forte, enquanto a recepção ainda precisa ser aprimorada. Como Zé Roberto não tem uma reserva para Sheilla, Tandara pode conquistar de vez seu espaço. Se não der certo, Zé pode fechar o grupo apenas com Sheilla como especialista da função, deixando uma ponteira a mais do grupo, já que pode usar, se necessário, Mari ou Natália (corrigindo) na saída. Aí pode surgir espaço para Fernanda Garay, outra estreante neste GP, permanecer entre as pontas.

No meio de rede, Juciely é a cara nova. Com Fabiana e Thaisa intocáveis, ela briga pela posição na reserva com Adenízia. Características diferentes. Um “duelo” interessante.

Sobre a estreia, espero um jogo complicado contra as japonesas, que só foram batidas pelo Brasil no tie-break na semi do último Mundial. Vale a pena ficar acordado na madrugada.



MaisRecentes

Douglas Souza desbanca Lipe e Tandara na escolha do melhor do ano



Continue Lendo

Atual campeão abre Superliga feminina com vitória. É o grande favorito?



Continue Lendo

Dentil/Praia Clube conquista a Supercopa. Mas tem muito a evoluir



Continue Lendo