Projeto da Amil em Campinas é apresentado



O repórter Rafael Valesi, do LANCE!, esteve na apresentação do novo time da Amil, nesta terça-feira. Além do material que sairá no Diário, amanhã, ele produziu esse material para o blog.

– A equipe marca a volta de José Roberto Guimarães ao vôlei brasileiro depois de seis temporadas entre o Scavolini Pesaro (ITA) e o Fenerbahce (TUR).

– A estrela do elenco é a central Walewska, a única jogadora a comparecer na coletiva de imprensa realizada nesta terça-feira. O time terá também a levantadora Fernandinha, que estava no Azerbaijão, a central Natasha (ex-Usiminas/Minas), e as duas Priscilas do Mackenzie, Daroit e Heldes. O time tem dez atletas no elenco atualmente, e ainda busca dois reforços do exterior. Zé Roberto quer jogadoras estrangeiras para a ponta e que atuem em mais de uma posição.

– A comissão técnica terá boa parte da que acompanha Zé Roberto na Seleção Brasileira. Cláudio Pinheiro será o assistente técnico, sendo que Paulo Coco, que estava no comando do Vôlei Futuro, ainda pode chegar. O preparador físico é José Elias Proença. A supervisão será de Rubens Rizzo.

– O Vôlei Amil mandará seus jogos no Clube Concórdia em um ginásio para 5 mil pessoas. A estrutura no local está sendo reformada em um custo de R$ 3 milhões. O investimento no time, porém, não foi divulgado.

– Durante a entrevista coletiva, Zé Roberto comentou que Mari e Paula Pequeno poderão atuar em clubes europeus na próxima temporada.

– O treinador disse que “esse será o ano mais difícil da nossa vida” para o Vôlei Amil, pelo fato da montagem do elenco ficar complicada por conta da pontuação das jogadoras no ranqueamento da CBV. “Quem está entrando é mais penalizado do que quem está há mais tempo”, falou ele.

– Por fim, o que muita gente queria saber. Como será o jogo entre Vôlei Amil e Unilever, em que os desafetos Zé Roberto e Bernardinho se encontrarão? Zé Roberto disse que o problema é coisa do passado. “Eu o respeito, e não poderia ser diferente. Vou cumprimentá-lo (no jogo), isso já passou. Não tem problema”, falou Zé.



  • caio

    Projeto para durar 2 a 4 anos no máximo. Depois a Amil se retira e o time acaba. Diziam que era um super time. Até agora nada. A única jogadora de nível é a Waleska e uma promessa a central Andressa. O resto é fraco.

    • Léo

      ANDRESSA????
      Vai comer banco pra NATASHA fato!

      • caio

        Eu disse que a Andressa é promessa. Agora a Natasha nem promessa é mais. É um lixo de central.
        Fico imaginando como o Zé Roberto e o Bernardinho ainda não enxergaram a Carla do São Caetano.

        • Brasileiro

          Caio, só discordo da expressão”lixo”.

        • Brasileiro

          Caio, só discordo da expressão”lixo”.
          A propósito, nem sei quem é essa jogadora, já que não acompanho a seleção feminina de vôlei desde que Mireia, Torres, Moser, Hilma, Marcia, etc.

    • Rafa

      Concordo em quase tudo contigo, menos que da Andressa, já mostrou que não tem capacidade e será outra Ana Tieme da vida, será eterna promessa, depois do saque por debaixo da rede na ultima superliga contra o Macaé eu desisti de vez, uma pena pois pelo menos altura tem.

  • Jairo(RJ)

    Encontro marcado! Estaremos esperando ansiosamente por esse confronto.
    Daniel, quem tem mais possibilidade de ser a ponteira: Logan Tom ou a Kim?

    • debygoiania

      Jairo, essas duas jogadoras já acertaram com o Fenerbache.

    • Emerson

      Nenhum dos dois Jairo, já que o Zé já disse que não traria ninguem de seu ex-clube.
      Kim já fechou com o Fernebach e Logam tá acertando com o rio.
      Vasileva é esperada pelo Zé, joga tanto na ponta como na saida, outra jogadora esperada por ele, é Daymi Ramires, muito versátil, pode jogar como oposta passadora.

      • Jairo(RJ)

        Valeu pela informação!
        Ê mercadinho doido hein? Tinha lido que o Unilever estava próximo da Manon Flier, mas acabei de saber que ela fechou com Azerrail Baku

  • Julia

    Mas que coisa… Este time prometeu, prometeu e no fim das contas não tem nada de relevante. Que decepção.

  • Afonso RJ

    Escolha de jogadoras, comissão técnica e investimentos à parte, acho que o Zé Roberto tocou num ponto fundamental do regulamento da superliga: O ranqueamento, ou melhor: as regras vigentes de ranqueamento.

    Na temporada passada reclamou-se do sistema, e eu próprio argumentei que todos aceitaram as regras. Mas concordo que algo precisa ser revisto.

    Com receio de me alongar demais, vou tentar colocar alguns pontos:

    A regra diz: “Cada equipe poderá inscrever atletas cujo somatório de suas pontuações não seja inferior a 7 (sete) pontos e superior a 32 (trinta e dois) pontos.” (site da CBV)

    Pois então vejamos:

    Sollys/Osasco: Sheilla – 7 pontos; Jaqueline – 7 pontos; Thaisa – 7 pontos; Adenisia – 6 pontos; Fabíola – 6 pontos; Tandara – 5 pontos; Camila Brait – 4 pontos; (pontuação para a temporada 2012/13 do site da CBV)

    Só aí temos 42 pontos. Isso mesmo: 42 pontos! DEZ pontos acima do máximo permitido e isso sem falar de eventuais outras jogadoras ranqueadas com menor pontuação mas que também somam (Ivna?, Karine?, Samara?, etc…)

    O Sollys Osasco conseguiu essa “proeza”, porque em outro ponto a regra diz:

    “Para as atletas que permanecerem na mesma equipe da temporada anterior, mesmo que tenham acréscimo de pontos, prevalecerá apenas para o somatório de pontos (32 pontos) – e somente para esta equipe – os pontos estabelecidos e considerados na temporada anterior.” (site da CBV)

    Portanto mantendo algumas jogadoras, desfazendo-se de outras e fazendo contratações criteriosas ao longo do tempo, o Sollys/Osasco conseguiu montar um verdadeiro supertime, pelo menos no papel imbatível para a próxima superliga. Méritos para seus dirigentes. Parabéns.

    Mas como ficam as intenções do ranqueamento, que nas palavras da própria CBV diz:

    “A instituição e manutenção do ranking de atletas… tem por finalidade principal promover o equilíbrio de forças entre as equipes,…” (????)

    “Evita, igualmente, a formação de “superequipes” e a predominância do fator econômico.” (????)

    “Encoraja e possibilita a formação de novas equipes, sempre dentro de um excepcional nível de competitividade,…” (????)

    Será mesmo que com as regras atuais essas intenções estão sendo alcançadas?

    • Adriano

      Muito bem posto, Afonso. A questão do ranking é muito importante, é o grande entrave que não permite um maior equilíbrio na Superliga, principalmente a feminina. Quer dizer… 3 anos atrás, o Sollys repatriou a Jaqueline, ninguém nem lembra mais disso. E ela continua somando 0, o que permite que o time possa, por exemplo, trazer uma Fernanda Garay sem estourar a pontuação. E por aí vai. Da mesma forma, considero injusto que na temporada passada, a Unilever tenha podido trazer a Fernanda sem pontuar pro time, apenas porque fez meia dúzia de jogos na Espanha 5 anos atrás, e ainda se dar ao luxo de ter Sheila, Mari e Natália, sem falar na Valeskinha que, na mesma regra da Jaque, segue somando 0. O time, sem a Natália, nunca se concretizou, mas isso mostra o quanto outros times entram numa posição desigual se tentar desafiar a hegemonia.

      O ranking precisa mudar, é impossível que a Confederação não note isso. São 8 anos dos dois mesmos times fazendo a final, 11 anos consecutivos de um deles na final. O que estão esperando?

      Vale lembrar que o ranking foi pensado depois que na Superliga 95/96 o Leite Moça foi campeão invicto. Esse ano, o Sollys poderia ter sido, a diferença foi brutal. Acho que só não foi por causa dos problemas com a Fabíola e a Hooker no início da temporada. Pena que não tenha sido, quem sabe assim essa questão poderia ser melhor problematizada.

      A gente ainda não tem muita noção de como vai ficar a Unilever, e o Amil pode trazer estrangeiras, também. Mas fora isso, com o Sesi um pouco mais forte, o Minas mais fraco, e a seleção brasileira titular jogando com o uniforme do Sollys, a impressão que dá é que vamos ter mais do mesmo na próxima temporada.

    • Fabiano

      Afonso,

      O rankeamento foi proposto numa época onde somente haviam duas equipes com patrocinadores fortes, Osasco e o extinto Rexona.

      Acredito que na época a intenção foi a melhor possível, porém como sempre, ajustes são necessários e somente os dirigentes não percebem isso.

      Ainda tem o problema da mídia que detem os direitos de transmissão não divulgar o nome do patrocinador, isso faz com que as equipes/empresas não tenham realmente um projeto a longo prazo. Fato é que são os clubes que mantêm seus times, mesmo que não sonhem com o título (Minas, Pinheiros, Mackenzie, Praia Clube).

      Será que a Amil investindo pesado vai gostar de ver seu time sendo chamado de Campinas? Duvido!

      O jeito é continuar com a hegemonia Osasco X Rio por muitos e muitos anos! Quem perde com isso são os torcedores brasileiros que não vêem novidades nas finais da Superliga.

      • Afonso RJ

        “Será que a Amil investindo pesado vai gostar de ver seu time sendo chamado de Campinas? Duvido!”

        Fabiano: acho que em parte você tem razão. Mas vamos nos lembrar do (famigerado) futebol: A Amil patrocina o Fluminense, a Eletrobrás patrocina o Vasco e a Petrobrás o Flamengo. E não é por isso que toda a mídia vai se referir a esses times como Amil, Eletrobrás ou Petrobrás. Todos continuarão a chamá-los por Fluminense, Vasco e Flamengo.

        • Fabiano

          Pois é Afonso, foi exatamente isso que escrevi. O voleibol não tem o peso do futebol para o patrocinador. Ele já sabe que investindo no clube de futebol, o seu nome não será dito, afinal a marca forte é o clube em questão, mas no volei a dinâmica é diferente. Existem poucos clubes de tradição como o Minas, Pinheiros, Mackenzie e agora o Praia. O restante é clube empresa que acaba de uma temporada para outra com algumas ressalvas. Qdo dizem ter projetos, os mesmos duram somente se há resultado e mesmo assim sem a garantia de continuidade caso a visibilidade não seja a esperada.

    • Emerson

      Afonso. Jaqueline e Ade são pratas da casa de Osasco, são jogadoras reveladas por Osasco, elas valem 0 por jogarem em Osasco, isso disso o ZRG.

      TIME 11/12
      Karine = 2.
      Ivna = 2
      Samara = 0 (Revelada por Osasco).
      Bia = 1
      Ju Costa = 5
      Tandara = 5
      Hooker = 0
      Jaque = 0
      Taissa = 7
      Ade = 0
      Fabiola = 6
      Brait = 4

      TOTAL 32 PONTOS

      TIME 12/13
      Karine = 2.
      Ivna = 2
      Samara = 0 (Revelada por Osasco).
      Dani Suco = 1
      Gabi = 1
      Sheilla = 7 (Contratada)
      Jaque = 0 (Prata de Osasco)
      Taissa = 7
      Ade = 0 (Prata de Osasco)
      Fabiola = 6
      Brait = 4

      TOTAL DE 30 PONTOS.

      O Osasco não teria mais condições de contratar a Garay. Ta estranho esse ranqueamento.
      —————————————————–

      • Afonso RJ

        As palavras são do próprio Zé Roberto:

        “Quem está entrando é mais penalizado do que quem está há mais tempo”

        E acho que ele entende do que está falando.

        Na minha opinião, o ítem a ser revisto seria o que diz que as atletas mantém a pontuação anterior se permanecerem no mesmo time. Poderiam manter por um período determinado e não indefinidamente, ou ter uma porcentagem crescente da pontuação a cada temporada sucessiva. O que me parece fugir das intenções do ranqueamento é ter atletas com pontuação real máxima mas que indefinidamente contam como ZERO apenas por permanecerem na mesma equipe.

      • Adriano

        Não, Emerson. A Jaque vale 0 por ter sido repatriada – contratada pelo Sollys quando estava na Europa, em 09/10. Não tem nada a ver com ser prata da casa. Se você é prata da casa e se transfere pra outro clube, deixa de ser prata da casa (de valer 0 por isso.) O mesmo vale pra Samara, não sei qual o ranking dela, mas já jogou por outro time, então, ela só vale 0 se essa era a pontuação dela quando foi contratada. A Thaísa vale 6 e a Brait, 0, porque essas eram as pontuações delas quando foram contratadas. A regra é a mesma em todos esses casos: a pontuação que vale não é a que você tem agora, mas a que você tinha quando foi contratado. Se você foi contratado 10 anos atrás, a pontuação que vale é a de 10 anos atrás.

  • Mateus Duarte

    Hum… Espero que Paula fique na Unilever, mas no Campinas seria bom !!! E melhor ainda seria se ela fosse jogar fora do Brasil… Só gostaria de saber quais são os clubes que andam sondando Paula e Mari, tanto do Brasil como do exterior !? ( obrigado )

  • klaus

    Excelente a volta do José Roberto Guimarães ao vôlei brasileiro, mas Daniel tenho algumas dúvidas.Como fica a questão do acordo entre os técnicos das seleções brasileiras e quantas equipes farão parte da Superliga Feminina para a próxima temporada?

    • CMA

      acho que ele esta fora da seleção não???

  • Rogerio

    Parabens pelo retorno do Zé Roberto. Quanto ao Bernadinho, com quem ele não tem desafeto?
    Acho que o grande problema da seleção masculina (atualmente) é o Bernadinho, pois tem desafeto com todo mundo. Tá na hora de rodar o tecnico da seleção masculina. Deu pra ti paneleleiro, vai andando.

  • Guga

    Esse Amil fara o papel do Minas da temporada 2011/2012. E o Sesi o papel do VF, o Sesi vem +forte com a Contratação da Tandara e Fabiana, so faltava outra Central de qualidade.

    Uma duvida a Tandara vai jogar de Oposta no Sesi ou vai ser Ponteira denovo?

  • Sidnei Gama

    Creio que o Sollys deve contratar uma ponteira estrangeira ou até promover o retordo da Érika as quadras brasileiras.

  • Gabriel

    Digam: quem garante a longevidade da equipe? Quem garante o interesse permanente da empresa em manter o projeto por vários anos? Fazer vôlei, no Brasil, é coisa descartável.

  • Gustavo

    Em relação à pontuação realmente é muito injusta, ter a seleção brasileira quase inteira vestindo o time do Osasco. Hoje coincindentemente encontrei a Fofão no metrô em SP….como sou fã dela, parei ela, pedi um autógrafo e conversei um pouquinho com ela….comentei sobre a questão da pontuação e ela disse que esse sistema de pontuação só prejudicou ela, disse também que esse ano a superliga vai ser apertada, um dos motivos seria o Osasco, mas está muito animada pra jogar! Por sinal, ela aparentou ser uma pessoa super simples, simpática e humilde….muito diferente do time do Rio na temporada anterior….por mais q não goste do Rio, esse ano será interessante ver o retorno da Fofão às quadras.

  • RAFAEL CASTA

    DANIEL VOCE TEM ALGUMA NOTICIA ONDE A MARI VAI JOGA? E A ALGUMA CHANCE DELA CONTINUAR NO BRASIL? Desde ja OBRIGADO!

  • RAFAEL CASTA

    DANIEL VOCE TEM ALGUMA NOTICIA ONDE A MARI VAI JOGA? E A ALGUMA CHANCE DELA CONTINUAR NO BRASIL?

  • Marcio

    O que ? A Mari não vai jogar em Campinas com o Ze Roberto?

MaisRecentes

França é a grande beneficiada na Liga das Nações masculina



Continue Lendo

Seleção masculina terá logística complicada na Liga das Nações



Continue Lendo

Seleção feminina jogará em Barueri na Liga das Nações



Continue Lendo