Presidente do Volta Redonda sugere criação de liga de clubes



Publico um texto que foi enviado por Rogerio Loureiro, presidente do Volta Redonda, sobre o atual momento do vôlei brasileiro.  Ele critica a gestão da Confederação Brasileira de Voleibol e sugere até a criação de uma liga de clubes. Confiram a opinião do dirigente:

Ainda impactado com a inesquecível  performance  do Voltaço na Superliga de vôlei 2012/2013, assisto impressionado ao anúncio do encerramento  das atividades de  mais uma equipe que disputou a Superliga: a Medley/Campinas. Podem encerrar as atividades também Vôlei Futuro, São Bernardo, Florianópolis, Funvic, por enquanto.

O protesto virtual de atletas de nome, como Nalbert, Murilo, além de ex-atletas, não pode ser em vão.

Como presidente de um clube e representante de uma cidade que ama o vôlei, eis a minha contribuição.

Temos duas alternativas:

Ou a CBV cria um canal para estabelecermos um diálogo acerca de dois assuntos cruciais, o calendário e a cota mínima de participação das equipes, ou o grito de independência deve ser dado como foi feito no basquete brasileiro.

Sim, falo de uma liga de clubes que negocie diretamente com as TV´s. Sei que é difícil, que haverá resistência por parte das vozes do atraso, mas vejamos o caso do basquete. Foi tanto desmando e centralização que os clubes não aguentaram.

Coloco essa questão em debate, pois vi a força da torcida do Voltaço na reta final, empurrando o time para os playoffs. Sei da minha luta para oferecer essa alegria à minha cidade. Mas, por outro lado, vejo o aporte de 70 milhões reais ano do Banco do Brasil sendo destinado quase que exclusivamente para a Seleção Brasileira.

Pergunto: é justo às vésperas das Olimpíadas essa concentração de receitas sendo direcionada para um produto somente?

Rogerio Loureiro
Presidente do Volta Redonda



MaisRecentes

Caso Maurício Souza não termina com “punições” do Minas



Continue Lendo

Zé: “A gente precisa de ajuda para não deixar o projeto morrer”



Continue Lendo

Sinal de alerta com a base. É preciso agir!



Continue Lendo