Precisamos falar do Dentil/Praia Clube



Dez jogos, dez vitórias, nove delas por 3 sets a 0. A liderança incontestável do Dentil/Praia Clube na Superliga feminina teve, na noite de sexta-feira, um capítulo chamado “confirmação”.

No Rio de Janeiro, o time mineiro derrotou o Sesc, até então invicto, sem deixar dúvidas: 3 a 0 (25-16, 25-23 e 25-16). Mostrou, contra um rival direto pelo título da temporada 2017/2018, todas as credenciais: consciência tática coletiva, talentos individuais, vigor físico e fome, muita fome.

Comemoração do Praia na Jeunesse Arena (Divulgação)

A oposto americana Fawcett foi a maior pontuadora: 15 acertos, levando o troféu de melhor em quadra. Mas também não seria exagero nenhum entregá-lo para a  campeã olímpica Fernanda Garay, com 14, com eficiência na virada de bola e no passe e muita liderança.

Não é novidade para ninguém que o Praia teve, neste ano, um elenco montado para ser campeão nacional pela primeira vez. É o maior orçamento entre os times da Superliga feminina.  Manteve três titulares da temporada passada (Fabiana, Walewska e Claudinha) e foi ao mercado para montar o restante da base: (Garay, Fawcett, Suelen e Amanda). Outra peça muito importante nesta engrenagem está no banco de reservas: o técnico Paulo Coco, outro reforço tirado do rival Camponesa/Minas.

O assistente de José Roberto Guimarães na Seleção sabe que o sucesso na primeira metade da competição não é garantia de nada. Tem dito para as jogadoras que os principais rivais ainda evoluirão bastante. Sabe que o Sesc ainda espera Gabi voltar à melhor forma física, enquanto Hooker começa a ganhar ritmo de jogo no Minas. Sem contar o Hinode/Barueri ainda sem Thaisa e Skowronska, além do Vôlei Nestlé. Mas ele não tem como negar que o Praia está jogando o fino da bola. Chamam a atenção a relação bloqueio/defesa, a força na virada de bola e a segurança da linha de passe até aqui.

O triunfo sobre o Sesc garantiu o título simbólico de campeão do primeiro turno, com uma rodada de antecedência. Na sexta-feira, em casa, o Praia duelará com o Barueri, quinto colocado. E com o recado dado para todos os perseguidores: corram atrás.



  • AfonsoRJ

    Já disse antes e repito: Se não ocorrer uma HECATOMBE, o Praia é o campeão dessa superliga. É muito cedo para cravar? É. Pode lesar meio time do Praia na reta final? Pode (toc, toc, toc). Pode cair um meteoro em Uberlândia? Pode (toc, toc,toc). Mas se depender só da evolução dos outros times, pode até ser, mas duvido muito.

  • Di Eduardo

    Fabiana, Walewska e Fabiana????

    • Daniel Bortoletto

      Claudinha

MaisRecentes

Os duelos da Copa Brasil feminina



Continue Lendo

Lances do clássico Vôlei Nestlé x Sesc



Continue Lendo

Coluna: O maior desafio do Sada/Cruzeiro no Mundial



Continue Lendo