Polônia x Brasil em um estádio de futebol para 60 mil pessoas



O tema da minha coluna Saque, que será publicada no LANCE! neste domingo, 16/12, é o desejo polonês de enfrentar o Brasil, na próxima Liga Mundial, no recém-inaugurado estádio de Varsóvia, que recebeu a última Eurocopa de futebol, e tem capacidade para quase 60 mil torcedores.

Cobertura do estádio

Antes de entregar toda a minha opinião sobre o projeto, coloco aqui algumas fotos da instalação esportiva, que foi construída entre 2008 e 2011, pela bagatela de R$ 1 bilhão.

Um dos principais diferenciais do estádio em Varsóvia é exatamente a cobertura retrátil, algo essencial para um jogo de vôlei acontecer sem interferência da chuva e dos ventos.

Normalmente ela é fechada para a realização de shows musicais e espetáculos de teatro, que ajudam o local a não se transformar em um elefante branco, já que o futebol não é o principal esporte da Polônia.

Segundo informações da FIVB, a primeira vistoria ao local aconteceu na última sexta-feira. Além de representantes da entidade, estiveram presentes os italianos Andrea Anastasi e Andrea Gardini, técnico e assistente da seleção masculina polonesa. Os dois aprovaram e falaram com entusiasmo do projeto.

Para quem não se recorda, a Polônia possui uma das torcidas mais fanáticas do vôlei mundial. As partidas da seleção, principalmente a masculina, costumam sempre receber lotação máxima. Kurek, atualmente jogando na Rússia, é o grande nome de uma talentosa geração.

Neste ano, o time pintou como um dos favoritos ao título olímpico, após conquistar com sobras a última Liga Mundial, inclusive, com algumas vitórias marcantes sobre o Brasil, com direito a muita provocação e troca de farpas, via imprensa, entre os jogadores. Porém, em Londres, o time parece ter sentido o peso da responsabilidade e foi a grande decepção dos Jogos. Para muitos, “amarelou”.

Vista externa do estádio

Fazendo uma pesquisa sobre o estádio, vi que o recorde de público pertence ao jogo de abertura entre Polônia x Portugal, com 57 mil pessoas. A capacidade oficial de 58.500.

 Durante a Eurocopa, os jogos (dois deles dos donos da casa) receberam aproximadamente 55 mil torcedores em média.

Para encerrar o post, deixo aqui também uma foto do histórico Brasil x União Soviética, em 1983, que aconteceu sob chuva, no Maracanã, no Rio de Janeiro, para mais de 95 mil pessoas.

A iniciativa teve transmissão pela TV Bandeirantes, no Brasil, além de emissoras nos Estados Unidos e na Inglaterra. Até hoje, a partida é lembrada pela ousadia, já que o vôlei começava a engatinhar por aqui, após a medalha de prata conquistada no Mundial da Argentina, um ano antes. A televisão também não tinha a importância e penetração dos tempos atuais.

Exatamente 30 anos depois, poderemos ter uma versão moderna daquele confronto marcante. E, desta vez, sem chance de a chuva atrapalhar, como aconteceu entre Brasil x URSS. Para os mais novos, o mau tempo adiou em quase uma semana o duelo e e depois ser o vilão na data remarcada, obrigando organizadores a improvisarem carpetes em cima do gramado para evitar que os atletas jogassem na lama. Na foto abaixo, dá para perceber como ficou o chão improvisado, em um momento de trégua da chuva.

Pela pesquisa que fiz no meu Twitter, na manhã deste sábado, a aprovação é quase total para o evento acontecer.

crédito Ignácio Ferreira

Brasil x URSS no Maraca

Conhecendo um pouco de Ary Graça, novo mandatário da Federação Internacional, acredito que o projeto vai sair do papel.



  • Fábio Pinto

    Daniel, o carpete foi colocado sobre a quadra pois ela ficou muito escorregadia com a chuva.
    Os jogadores não iriam jogar no gramado, não havia nenhum risco de “lama”.
    Eu tinha 12 anos e estava lá nas antigas cadeiras azuis do Maracanã.

    • Daniel Bortoletto

      Tem fotos daquele dia, Fábio?
      sim, claro. mas a sujeira vinha do entorno, na bola. escorregar era um perigo tremendo para os jogadores mesmo

      • Fábio Pinto

        Fotos eu não tenho.
        Eram outros tempos, esta necessidade de fotografar tudo é mais atual. Naquela época eu nem pensava em ter máquina fotográfica.
        As lembranças ficaram na cabeça mesmo e estão bem vivas, foi um jogaço

      • Jairo(RJ)

        Eu também estive lá no Maraca. Infelizmente não tenho foto, mas boas recordações. Pra mim que tava na arquibancada nem foi tão ruim, pois em grupo fizemos uma festa e fomos premiados com o jogo.

      • Jairo(RJ)

        Daniel, alguma chance de um evento desse tipo voltar a acontecer no Brasil ?

  • Afonso RJ

    Sempre bom recordar. Só discordo de uma coisa: a TV tinha penetração e talvez até mais importância que nos dias de hoje, quando até certo ponto vem perdendo espaço para internet. Digo isso porque assisti a esse jogo em São Mateus do Sul, interior do Paraná onde morei por um breve período. Me lembro que nessa época a Band tinha um programa de esportes no domingo que durava a tarde toda e mostrava de tudo. Até sinuca com o Rui Chapéu. E foi nessa época que comecei a acompanhar mais de perto o vôlei, mesmo porque sempre foi o esporte que mais pratiquei desde garoto.

    Aproveito o post para comentar algumas coisas mais “atuais”:

    1 – Assisti boa parte do jogo entre Rio do Sul x São Caetano pela web. O jogo foi bastante disputado e até interessante de se ver, apesar de evidentemente não apresentar o nível técnico de um jogo entre equipes de ponta. Bela vitória do Rio do Sul no tie-break. E o mais importante: foi a melhor transmissão via Web que assisti até hoje. O locutor de razoável para bom, sem cometer erros gritantes, o placar digital funcionando legal, trabalho de câmera profissional e o mais importante: sem um único travamento. Nem uma única vez, durante o tempo em que assisti ao jogo (e foi um bom tempo) a imagem travou. Parabéns para a CBV. Foi praticamente perfeito.

    2 – A vitória do Sollys por 3×2 de virada encima do SESI. O SESI abriu 2 sets a zero, com a Jaqueline numa noite pouco inspirada. No 3o set, Luizomar arriscou, trocou Ivna pela Sheilla e a Jaqueline pela Gabi. Deu certo. O Sollys melhorou e conseguiu a virada. Mas o grande destaque mesmo foi a Fe Garay, que bateu o record de pontos em uma partida na temporada, anotando 36 pontos! A ponteira gaucha está jogando horrores. Na ponta dos cascos, tchê! O SESI jogou com a líbero reserva (Juliana) por motivo de contusão da titular (Verê). Também jogou sem a levantadora reserva (Carol Albuquerque) que teve um acidente de trânsito com um motoqueiro a caminho do ginásio (sem maiores consequências, ainda bem). O ponto alto do time foi a Tandara, e no meu entender Sassá continua devendo. Acho que se o time tivesse um pouco mais de autoconfiança, teria vencido o jogo.

    2 – Banana Boat 3×1 no Minas. Bom jogo. Para mim, existem duas superligas: Uma com Sollys, Amil, Unilever e SESI, e outra superliga com os demais times. Esse jogo foi o confronto direto entre os líderes da “segunda” superliga. O que mais me chamou a atenção foi uma melhor distribuição das bolas entre as atacantes do time de Uberlândia. Diminuiu aquela história de só a Herrera atacar. Também gostei das bolas de meio fundo da Monique. O Minas nem parecia aquele time que venceu a Unilever. Lia e Taisinha muito irregulares. Foi um bom jogo, bastante equilibrado, mas o time do Praia é superior, e me pareceu melhor treinado. Novamente méritos para a jogadora com maior número de superligas: Arlene. SESI que se cuide.

  • Luiz Borges

    “…já que o futebol não é o principal esporte da Polônia.”

    Só queria corrigir o autor da matéria. O futebol, é sim, com sobras o esporte mais popular da Polônia.

    • Afonso RJ

      A Polônia teve uma seleção muito boa lá pela década de 70. Lembro desse time: O goleiro Tomazewski, Szmuda, Deyna, Kaspeczak e o carequinha e craque do time Lato. O Brasil até perdeu uma disputa de 3o lugar para eles na copa de 74.

    • Fabrício

      O autor está certo…o esporte mais popular é o voleibol…

    • Apenas Alguém

      corrigindo você, o futebol não é o principal esporte na polônia, e sim o vôlei !!!

      • matheus

        A Polônia respira vôlei meu amigo !!
        Todas as competições lá a estrutura é incrível , tudo em favor do vôlei …
        ao contrário do nosso país com ginásios cheios de goteira e estrutura antiga !

        • SH

          O Luiz Borges está certo: o esporte mais popular da Polônia é o futebol, ainda que os times sejam fracos e a seleção tenha decaído a partir dos anos 1980. Acho que os três últimos que comentaram se deixaram impressionar pelos locutores do Sportv ou pelos inúmeros fãs poloneses de vôlei que invadem os fóruns internacionais.

          Estrutura incrível? Há ginásios sem aquecimento, outros com estrutura similar aos ginásios de algumas cidades do interior daqui, sem falar nas constantes brigas entre torcedores, especialmente contra os do SKRA. A Polônia não é um país desenvolvido, como muita gente aqui pensa. A única arena que pode ser considerada excelente por lá é aquela construída em Gdansk, utilizada nas finais da Liga Mundial 2011.

  • Paulo

    Brasil tinha fazer cobertura pra dia de chuva nos estádios da Copa do Mundo

  • Fabbr

    Na Dinamarca eles fazem algo parecido com o handebol, fazendo a final da liga dinamarquesa masculina em estádio de futebol pra umas 32000 pessoas. Na Champions League de handebol masculino também fizeram isso no jogo AG KopenhagenXBarcelona. É bem interessante e talvez uma oportunidade de popularizar esses esportes de quadra.

  • Emanuella

    Nossa, será o máximo, espero que isso de certo sim. imagina o show que a torcida lá vai dar.

MaisRecentes

Minas espera Hooker ainda em outubro



Continue Lendo

Vaivém: Vôlei Nestlé confirma apresentação de peruana



Continue Lendo

Vaivém: Polonesa é esperada em Barueri



Continue Lendo