Pirv vira embaixadora do vôlei romeno



A romena Cristina Pirv fez história no vôlei brasileiro. Agora, ela terá a função de aproximar o vôlei do país de origem ao vôlei do país que ela escolheu para viver.

A ex-jogadora foi nomeada Embaixadora da Federação Romena no mundo. Entre as responsabilidades de Pirv, está a aproximação de atletas romenos com os times do Brasil e também apresentar a “escola brasileira” de vôlei para treinadores da Romênia.

Pirv  e o presidente da Federação Romena de vôlei (Divulgação)

Pirv e o presidente da Federação Romena de vôlei (Divulgação)

– Sinto-me honrada com essa nomeação. É muito bom ver o reconhecimento do seu trabalho e dedicação. O vôlei me deu tudo nessa vida e espero poder retribuir agora da melhor maneira possível. Fazer isso pela Romênia aqui no Brasil, que posso chamar de minha casa, é realmente incrível. Vou trabalhar para abrir as portas do Brasil e do mundo para o esporte romeno e assim ajudar na evolução do nosso voleibol, que mudou minha vida e pode fazer isso por muita gente – disse Pirv, que defendeu o Minas nas temporadas de 97/98, 99/2000, 2000/2001 e 2001/2002.

– Nomear a Pirv como embaixadora foi a minha primeira ideia após ser eleito presidente, em março. A Cristina, sendo fator determinante no mundo como imagem e notoriedade nacional, poderá realizar trocas de experiências entre o Brasil e Romênia com as nossas equipes jogadores e técnicos, para melhorarmos o nível dos nossos campeonatos e seleção. Acreditamos muito que esse projeto será um grande diferencial por ser iniciado no Brasil, uma das maiores potências no mundo do vôlei – destacou Gheorghe Visan, presidente da Federação de Vôlei da Romênia.

Pirv com várias craques que defendiam o Minas (Divulgação)

Pirv com várias craques que defendiam o Minas (Divulgação)

Nas últimas semanas, Pirv vinha usando as redes sociais para avisar os fãs que faria um anúncio importante nesta quarta-feira. Vários deles, ao ver fotos da romena malhando, acreditavam que ela anunciaria o retorno ao vôlei aos 43 anos.

Quem teve o prazer de ver a romena jogar pelo Minas sabe o quanto ela foi diferenciada. Jogadora que assumia a responsabilidade, gostava de decidir e ainda arrastava uma legião de seguidores encantados pela beleza.



  • Rodrigo Rodrigues

    Podia ter jogado pelo Brasil… jogava muito!

MaisRecentes

Final em dois jogos garante “paz” entre CBV e clubes



Continue Lendo

Audiências da Liga e do GP agradam



Continue Lendo

Brasil garantido nas finais do Grand Prix



Continue Lendo