Pela enésima vez, a “mãe de todas as finais”



Haja criatividade para escrever mais uma vez sobre uma decisão Rexona-Sesc x Vôlei Nestlé, Rio x Osasco, Unilever x Sollys, Ades x Molico, BCN, Finasa…

Antes de tudo, independentemente de qualquer questionamento sobre o equilíbrio da Superliga ou eficácia do ranking, uma coisa precisa ficar bem clara: sobra competência para a dupla. Ninguém alcança tantas vezes a final de uma competição nacional por sorte, casualidade ou incompetência dos adversários. Os projetos são vencedores. Os trabalhos realizados foram e ainda são bem sucedidos. Como gostam de dizer os moderninhos, viraram “cases”.

O Rexona fará a 13ª final de Superliga consecutiva.  Já o Vôlei Nestlé fará 14ª decisão em 16 temporadas, a sexta em oito anos com o atual patrocinador. Eu nem consigo me lembrar como era o mundo quase uma década e meia atrás. Pessoalmente eu não era pai de dois filhos, ainda morava em São Paulo, certamente tinha menos quilos e mais cabelos.

Recordações de outros tempos à parte, o vôlei brasileiro deverá presenciar mais um belo espetáculo no dia 23, na Jeunesse Arena, no Rio de Janeiro. Infelizmente em jogo único, algo que invariavelmente vocês são obrigados a ler neste espaço ano após ano. Nada melhor do que o parâmetro da série entre Rexona e Camponesa/Minas, encerrada nesta sexta, para ratificar o meu ponto de vista. Teríamos três, quatro ou cinco vezes um ginásio cheio, boa audiência nas transmissões de TV, veríamos as mais diversas variáveis de jogo… Deixa pra lá!

O time de Bernardinho chega à final após sair de um grande buraco. Esteve atrás em 2 a 1 no playoff, precisou vencer o quarto jogo em BH e mostrou mais força mental no momento de decidir. Peguem apenas o início do primeiro set nos dois últimos jogos para a comprovação deste psicológico mais forte das cariocas em comparação com as mineiras. Individualmente, Drussyla foi a surpresa. Entrou no primeiro set do terceiro jogo no lugar da holandesa Anne Buijs, principal contratação do time, para não sair mais. Juciely, com méritos, foi a melhor no quinto confronto.

Enquanto o Rio encontrou forças para reagir, o Vôlei Nestlé teve tempo para descansar e treinar, após ter liquidado o Dentil/Praia Clube em três jogos. Luizomar de Moura, depois de um início irregular, encontrou a melhor formação no decorrer do segundo turno e viveu na semi o melhor momento na temporada. Tandara e Bia cresceram muito de produção, as sérvias Malesevic e Bjelica mostraram o porquê da contratação, enquanto Dani Lins e Camila Brait não precisam mais provar nada. Fica a dúvida: os 16 dias sem jogar até a final comprometerão o ritmo de jogo?

Resposta no dia 23.

 



MaisRecentes

São Bernardo desiste do Paulista. Alerta ligado na Superliga



Continue Lendo

Brasil leva virada dos Estados Unidos em terceiro amistoso



Continue Lendo

Vaivém: Fronckowiak anunciado por clube polonês



Continue Lendo