Panorama da Liga Mundial após segunda semana



Apenas duas seleções seguem com 100% de aproveitamento após quatro jogos na Liga Mundial: Brasil e Rússia. A Itália, que era o terceiro time “perfeito”, soma quatro vitórias também, mas neste domingo perdeu um ponto por ter batido Cuba no tie-break.

No Grupo A, a Seleção de Bernardinho soma 12 pontos, três a mais do que os Estados Unidos. A classificada Polônia (3 pontos) e o limitado Porto Rico (o) vêm depois.

No B, liderado pelos russos, a Bulgária com nove pontos vem atrás. Alemanha com três pontos e Japão, ainda zerado, não vão brigar pela classificação. Não tenho bola de cristal, mas prevejo que a primeira fase vai terminar desta forma no grupo.

No Grupo C, a Argentina está na ponta, com nove pontos, após os dois triunfos sobre Portugal. A Sérvia se recuperou do tropeço diante da Finlândia e subiu para seis pontos, em segundo. Portugal (5) e Finlândia (4) vêm na sequência. Também imagino que os dois classificados serão hermanos e sérvios.

No D, a Azzurra foi a 11 pontos após bater Cuba por 3 a 2 no último jogo da rodada. A Coreia, surpresa agradável até agora, bateu duas vezes a França e soma nove. A desfalcada Cuba, com quatro, e a França, zerada, parecem sem muita força para a disputa por vagas na fase final.



  • Jailson

    Boa tarde.Passando rapidamente o olho pelo ranking de fundamentos me desanimei.Somente o Serginho está entre os 3 em alguns fundamentos…

  • Vitor

    O Grupo C é o mais equilibrado. Mas está nivelado por baixo. A Sérvia e a Argentina estão irregulares, mas são as favoritas para ficarem com as vagas. Mais pela fraqueza dos concorrentes do que por méritos próprios.

    Cuba mostrou uma sensível melhora hoje contra a Itália, mas tremeu na hora de decidir no tie breack. O Bell que vinha atuando bem atacou 3 bolas seguidas pra fora e desperdiçou a chance da vitória cubana que daria uma sobrevida na tentiva de classificação. Agora a Coréia, maior surpresa da competição, abriu uma boa vantagem e tornou difícil a missão cubana. Mas ainda há esperança de melhora.

    A Alemanha, assim como a Polônia, atuou bem contra um time favorito. A diferença é que a equipe germânica não tem vaga assegurada para a fase final. Ainda são muito dependentes do Kromm e Schopps no caso alemão e de Bartman e Kurek no lado polônes e isso dificulta principalmente na hora de fechar, pois os jogadores ficam muito marcados.

    Mas os times classificados dificilmente fugirão desses projetados pelo Daniel.

  • Álvaro Médio

    Colegas, boa noite.

    Os centrais da Itália são extremamente limitados, o líbero é muito ruim e o levantador é apenas mais um. O trio de ataque é bem exuberante, mas o passe dos ponteiros é um vexame só.
    Vivem de saque forçado, bloqueio e contrataque (nessa ordem), ter isso é bom, ter só isso é jogar um vôlei de uns 20 anos atrás.
    A culpa, a meu ver, não é do técnico, mas da limitação e escassez de talentos e eu tenho convicção de que o campeonato italiano (internacional demais) tem sua parcela de culpa.
    Sem falar que a azzura é lotada de estrangeiros.
    A Itália vai levar repetidos sacodes na fase final: é só esperar!

MaisRecentes

O novo conceito da FIVB para 2018



Continue Lendo

Apenas Lebes/Canoas faz o dever de casa na rodada



Continue Lendo

Um líder por pontos ganhos. Outro por pontos perdidos



Continue Lendo