O surprendente corte de Fabíola



Estava no táxi, indo para um evento profissional, quando resolvi olhar o Twitter no celular. E admito ter ficado muito surpreso, como a maioria de vocês, ao ler a notícia do corte de Fabíola da Olimpíada de Londres.

Apesar de não ter feito um bom Grand Prix (como grande parte do time brasileiro), a levantadora me parecia estar em situação confortável no grupo. Para mim e para dez entre dez de vocês, a briga na posição era entre Dani Lins e Fernandinha. E para ser a reserva da posição.

Fabíola sempre foi uma atleta esforçada. Assim compensava parte de suas limitações técnicas. Nunca se achou a nova Fernanda ou a nova Fofão. Tanto que não era a primeira opção no início deste ciclo olímpico. Ana Tiemi não vingou e ficou pelo caminho, Dani Lins não teve regularidade para manter-se na posição e aí sim pintou Fabíola. Fez até bons campeonatos, ganhou confiança e virou titular. Na última temporada, teve destaque no título do Sollys/Nestlé na Superliga. Tudo parecia caminhar para que ela disputasse sua primeira Olimpíada…

Agora, como interpretar o corte? Eu vejo da seguinte forma. Zé Roberto não está satisfeito com a instabilidade do time. Ele vai correr o risco de apostar em Fernandinha, a levantadora que menos jogou neste ciclo olímpico, em busca de um fator surpresa. Mais velocidade, mais ousadia… e talvez bem mais risco. Se der errado, o mundo cairá sobre sua cabeça. Precisava optar e foi corajoso para tomar tal decisão.

O corte serve também como recado para outras jogadoras do elenco, que também estão atuando mais na base do nome. Outros dois desligamentos vão acontecer até o embarque e pode sobrar, sim, para mais alguma “intocável”. Natália se recupera, não joga há meses, mas fará Zé esperar até o último momento, como já escrevi aqui após conversar com o próprio treinador. Se ela for, a chance de mais um grande baque no grupo aumenta bastante. Vale a pena levar duas líberos? Outra pergunta já feita por mim, por vocês e que certamente martela na cabeça de Zé Roberto.

Sobre o questionamento que já li sobre a forma com que o corte de Fabíola aconteceu, minha opinião. Cortar antes do embarque para o Brasil transformaria o voo em um velório. Imaginem como seriam as dez horas até o desembarque? Mas também, se pudesse decidir o quando e como, não faria ali no aeroporto, minutos antes de o grupo encarar a imprensa. Deixaria para hoje, com uma nota oficial no site. Seria menos desgastante.

Por fim, uma ressalva aos mais xiitas. Aqui não crucifico por uma derrota, não julgo caráter depois de uma mudança na metade do terceiro set e não sou fã de A e por isso detono B. Mantenham o nível!

Vou dormir. Até “amanhã”!



  • mauricio

    além da saída da fabiola, teremos mais surpresas?

    • Daniel Bortoletto

      é possível

      • o zé roberto muito bom ele e duas vezes campeão olimpico, conhece como poucos volei feminino, ele escolheu entre fernandinha é a fabiola pois se a fabiola continua no grupo iria criar uma instabilidade no grupo, ela joga com varias jogadoras no osasco haveria uma panela contra a fernandinha, que não seria nada bom para seleção. ele teria que escolher entre uma é a outra. lins não disputaria vaga pelo bem estar da seleção. fernandinha jogou 6 jogos como titular é ganhou os 6, fabiola jogou 4 é perdeu 2. fabiola jamais iria se contentar no banco, ja a lins esta acustumada sera mais facil. zé acertou a briga era entre fernandinha é fabiola é ponto final.
        Meu time seria fernandinha,sheila, ( mari), fernanda garay,jaqueline,(paula pequeno),taisa,adenisia,(fabiola) e braitt,(fabi) mais lins, a ultima vaga vai depender da natalia.

        • onde lê (fabiola) é fabiana na ultima linha.

          • Paulo

            Pelo amor de Deus… o que está havendo com a Sheila??????!!!! Jogando só o padrão não derruba uma bola….. Ah, Turquia…

    • leonardo

      Laura, é com muita indignação que venho escrever aqui: o Zé Roberto ultrapassou os limites da crueldade e do bom senso ao fazer o corte da Fabíola no saguão do aeroporto, expondo a jogadora de forma desnecessária à impressa num momento que, todos sabem, é muito delicado no emocional de qualquer ser-humano. Claro que o motivo do corte foi “PESSOAL”, o Zé nunca gostou da pessoa Fabíola, não foi a jogadora Fabíola que foi cortada e, sim, a pessoa Fabíola. Desde o início desse ciclo olímpico, qdo Fofão e Carol saíram da seleção, o Zé não escondeu sua preferência pela amarelona Dani Lins e pela apagadíssima e eterna reserva Ana Tiemi. Tanto isso é verdade que Tiemi(Yeltsin Cup) e Lins estão até hoje convocadas e Fabíola está fora. P/ conquistar seu espaço na seleção Fabíola teve que mostrar em quadra, no jogo, que era melhor que as duas: quantas vezes vimos Dani Lins começar uma partida de titular e se perder emocionalmente(amarelar) totalmente medrosa, e Fabíola ser jogada na Fogueira para salvar o time e conseguir mudar a situação do jogo?
      Acontece que o Zé gosta de levantadoras submissas, que só fazem o que ele manda, ele não aprecia a criatividade, a ousadia, a independência, que eram as características marcantes da Fabíola. Ele gosta de levantadoras robotizadas, com ele no controle. A perda da Fabíola prejudica não só os levantamentos, principalmente aqueles de bolas altas coladas na rede, que a levantadora tem que usar o recurso de uma mão só, mas também o bloqueio e o saque. Das atuais levantadoras, Fabíola é a melhor no levantamento de uma mão só, é a melhor levantadora-bloqueadora e a que tem também o melhor saque. Portanto para o corte a questão pessoal contou mais que a técnica. O Zé nunca quis convocar a Fabíola, o que fazia ela ser convocada eram suas atuações na SUPERLIGA que acabavam obrigando o Zé a chamá-la: levando o time mediano do Pinheiros Às semifinais e sendo campeã com o Sollys deixando até Fernanda Venturini em segundo lugar nas estatísticas, enquanto Ana Tiemi era eterna reserva e Dani Lins era movida a esporro no UNILEVER e quando foi p/ a SESI foi um fiasco.Outro fator importante é que as próprias jogadoras da seleção ficaram surpresas, decepcionadas e não conseguiram conter as lágrimas com a notícia do corte inexplicável da Fabíola, isso vai abalar emocionalmente a seleção, pois Fabíola era uma jogadora muita simpática, de relacionamento fácil e que tinha muitas amigas na seleção. Todas as jogadoras sabem que o corte foi por motivos pessoais e não técnicos, e mesmo as que não demonstram sabem que foi feita injustiça, isso vai prejudicar o emocional da seleção.

      • Sergio

        Pelo menos o grupo tem uma desculpa qdo sair das olímpiadas de mãos vazias!
        “Estavamos mt abaladas e chorosas pelo corte da nossa grande amiga e companheira no saguao do aeroporto”

  • @alcidesxavier

    Seu último parágrafo foi sensacional, espero que os demais entendam!

    Realmente é inacreditável, na minha opinião tem algo maior nos bastidores…o ZRG sempre teve discurso emocional, em se preocupar com o lado humano do atleta,e tomou uma atitude antes de mais nada desleal com todos.

    Todo se esforçam durante o ciclo olímpico, pra que??

    Vou começar a concordar, seleção é panela! Ex.O que diga a Seleção B, Ju Nogueira ta em todas, e nem titular é, e quando entrava no Rio não resolvia. Ingrid Ex-Mackenzie atropelo na SL, e ficou de fora! E por ae vai….

  • Cláudia

    Você disse tudo Bortoletto!
    Não digo que achei injusta a saída da Fabíola, até porque a irregularidade e a inconstância vem ocorrendo com o time todo, mas o que me chamou atenção mesmo foi essa atitude do Zé, que do nada resolveu ‘dispensar’ ali mesmo no saguão do aeroporto. A Juciely já era esperado o corte e talvez nem tivesse sentido tanto assim, mas e a Fabíola, que até então tinha total confiança do time que já a tinha como ‘titular’? É no mínimo estranho.
    Pode ter acontecido alguma coisa lá na China também que talvez nunca iremos saber. Pelo jeito ficará nos bastidores do vôlei como muitas outras histórias ocorridas.
    Agora com essa decisão tomada, me chama atenção também como ficará o psicológico destas jogadoras, que, faltando menos de um mês pra estrearem na Olimpíada, estarem tão mal emocionalmente. Se todas no desembarque tinham chorado muito, imagina o que não pode gerar um outro corte surpresa, e como você escreveu, o corte de uma ‘intocável’?!
    Pelo que vejo agora, imagino que irá sobrar pra 2 de 4 jogadoras:
    Natalia: É o caso mais duvidoso, pois está correndo contra o tempo pra estar 100% fisicamente e apta pra disputar sua 1ª Olimpíada. Está parada à quase um ano, ainda está se recuperando de uma cirurgia e com certeza ainda sente a falta de ritmo de jogo. Pode ser cortada;
    Sassá: Essa também se recuperou de uma lesão e agora jogará a Copa Yeltsin pra ver se ganha ritmo de jogo. Caso não consiga, será cortada;
    Tandara: Essa jogadora é promissora, mas disputar vaga com Mari e Sheilla não é nada fácil. Acho que dificilmente o Zé levará 3 opostas, e por isso, acho que a Tandara será cortada;
    Camila Brait: Essa menina tem muito futuro. Digo futuro porque ela pode não ser convocada pelo simples fato de ainda estar na ‘sombra’ da Fabi, embora eu ache que a Brait mereça sua vaga. Enquanto a Fabi estiver na seleção, dificilmente ela irá ‘bancar’ pra Brait. Acho que o Zé pode arriscar em levar 2 líberos. Caso ele faça isso, perderá uma opção pro ataque, mas caso não faça essa opção, a Brait poderá ser cortada.
    Enfim, são várias suposições, mas nenhuma é realmente ‘clara’ em se tratando de Zé Roberto.
    Se ele cortou a Fabíola que já era garantida no time para muitos, imagino que ele possa surpreender de novo. Agora, se ele cortar uma jogadora ‘intocável’, aí o mundo vem abaixo…

  • Felipe

    Primeiramente, parabéns pelo blog! Muito bom ler algo em que a análise do vôlei é priorizada e não polêmicas baratas e não construtivas. Confesso que não entendi o corte da Fabíola, já que nas últimas competições ela tem se apresentado melhor do que a Dani Lins. Apesar de nenhuma das duas ser uma grande levantadora, achava que uma certa maior estabilidade pesaria a favor de Fabíola. O que eu vejo de positivo agora é a capacidade de Dani Lins jogar mais solta, sem a sombra do corte a perseguindo. Ela é uma jogadora insegura, mas agora acho que pode treinar e jogar de forma mais solta. E Fernandinha? Realmente ainda não está tão entrosada com o grupo, mas eu esperava uma ousadia maior da levantadora. Hoje em dia, o Brasil usa praticamente ponta, saída e china, a gente não vê um mero ataque do fundo sendo utilizado. E, historicamente, o Brasil nunca contou com atacantes de 2 metros que viram a bola de qualquer jeito, então se não houver velocidade e ousadia, o time vira uma presa fácil para o bloqueio adversário.

  • lucas

    A MELHOR NOTÍCIA DESSA TERÇA!!!! assim, em caps lock mesmo. Fabiola é inferior a Dani Lins e a Fernandinha, e é apenas jogadora de superliga! Agora só falta trocar Jaque por Sassá e teremos a melhor equipe possível pra Londres!

    Vale lembrar que ele tbm cortou a Juciely oficialmente.

  • SÉRGIO ROSWELL

    Assisti a TODOS os jogos da Seleção Feminina no “GRAND PRIX”.
    O Brasil NÃO TEM levantadora, até o momento.
    Cheguei a sentir saudades da Dani Lins…
    MAS, no GRAND PRIX (Fórmula 1 ?), a FERNANDINHA foi bem. Não MUITO bem. Mas bem. Ela realmente dá mais VELOCIDADE (olha a F1 aí…) e INTELIGÊNCIA ao time. PREFERIA A FABÍOLA À DANI LINS, no começo do GRAND PRIXX. Mas FABÍOLA foi muito IRREGULAR. JOGOU MAL. DANI LINS não é tão INTELIGENTE, em quadra, quanto FABÍOLA e FERNANDINHA, mas BLOQUEIA BEM, SACA BEM e é mais “SEGURA”, embora ÓBVIA, no Levantamento. FERNANDINHA, pelo GRAND PRIX merece ser titular. Com DANI LINS, com um ESTILO TOTALMENTE DIFERENTE, no banco.
    Agora, se precisamos da SASSÁ prá ir às Olimpíadas, estamos mal. Multo Mal. Ela é GORDA, LENTA, E VELHA, e, apesar de tudo isso, excelente jogadora, MAS JÁ PASSOU O TEMPO.
    JAQUELINE, como seu marido MURILO, podia ser dispensada. TÁ JOGANDO NAAADAAAA.
    MARI, só vai POR QUE SE NÃO FOR, A SHEILLA NÃO VAI… TOMARA QUE A MARI ARREBENTE COM O JOGO…MAS ACHO QUE VAI “ARREBENTAR” COM NÓIS…
    DO TIME “B” DO BRASIL, NO LUGAR DA MARI, que segundo ZRG “TEM PROBLEMAS (e o Brasil com isso ??) E PRECISA SER ‘AJUDADA'”, deveria ir a GABI. UM FENÔMENO. E TEM 16 ANOS…AINDA NÃO TEM TANTOS, AHNNN…”PROBLEMAS”(sic) COMO A “MARI”.
    PAULA PEQUENO NÃO PÕE UMA BOLA NO CHÃO.
    FERNANDA GARAY NÃO PÕE UMA BOLA NO CHÃO.
    JAQUELINE NÃO PÕE UMA BOLA NO CHÃO.
    MARI PÕE TODAS AS BOLAS NO CHÃO…DA QUADRA DO BRASIL…
    CAMILA BRAIT E FABIZINHA, AMBAS, TÊM QUE IR. A DEFESA DO BRASIL MELHORA MUITO COM ELAS.
    MAS, PANELA É PANELA.
    A MARI VAI.
    A Dra. JACK VAI ( a MISS HIDE, infelizmente, não vai…só se pintar a cara do MURILO na bola).
    E THAISA, FABIANA (melhorou bastante no GRANDE PRIXE), e ADENIZIA vão. De Centrais, o Brasil vai bem.
    SE a FERNANDINHA acertar, é capaz de brigarmos por um BRONZEZINHO DE LATÃO, que tá muito bom. COM MARI E Dra. JACK no time, mais do que bronze é, em duas palavras, IM POSSÍVEL.

    • Naty

      Pois é…Sassá está tão ruim que acabou de ser destaque na vitória do Brasil sobre a Itália (com time principal)….
      Sassá se destacou no saque e no ataque…olha só…..
      Além de ter um excelente fundo de quadra……

      • Diego

        Sassa hoje é muiito importante para o Brasil

    • Henrique Mendes

      Acho que quando não se tem propriedade, o melhor remédio é ficar calado! Primeiro: Gabizinha tem 17 anos, quase 18 completos. A Sassá gorda, lenta e velha? Suponho que não esteja acompanhando A COPA YELTSIN. Paula não põe uma bola no chão? Salvo engano, foi a maior pontuadora brasileira do Grand Prix 2012, se é que vc viu algum jogo, já que diz que a Garay não põe uma bola no chão. acredito que o fato da Mari estar na seleção olímpica se deve pelo que ela já fez pela seleção e apesar de muito mal humorada é uma jogadora em quem o zé deve acreditar sim, pq tem potencial(digo a isso agora pra quem vê volei de verdade, viu amigo?) a Jaqueline teve sim uma atuação irregular, mas com ritmo e estímulo é uma jogadora que rende muito… A Fernandinha só acho que peca na função bloqueio, mas recebendo um bom passe, que sim, é PO SSÍVEL ( em duas palAvras como vc prefere) pode render muito. ACREDITO AINDA QUE ESSA SELEÇÃO VAI BRIGAR PÁREO A PÁREO COM HOOKER E CIA E SE Ñ VIR OURO, PACIÊNCIA!

    • Se o Zé roberto insiste com mari, jaqueline é paula pequeno é porque ele conhece a capacidade é o potencial delas, estão jogando 50% a 60%, se atingirem 80% com mais treino de recepição é com um melhor ataque no meio o time cresce muito, as que ficaram de fora nem 100% chega perto.

  • Junior

    Por essa eu não esperava!!! Concordo que a Fernandinha se destacou e merece a titularidade. Mas cortar a Fabíola e manter a Dani não dá para compreender. A Fabíola é esforçada e melhor que a Dani, pelo menos é o que demontrou na super liga e outros jogos pela Seleção. Sem falar que é linda e gostosa. Força Fabiola, se precisar de colo, estamos aí …(rss)

    • Leandro

      A Fabíola é a melhor das três, mas acho que sente mais a pressão que as outras. Como o nível delas é muito próximo, acho que ela rodou pelo emocional.

  • meyre

    Surpresa.
    Estou completamente tonta com a ousada e maravilhosa noticia do corte.
    Eu pensei que ele ( Zé Roberto) fosse buscar o conforto e a segurança, mas não … ele se jogou.
    Sinceramente eu ja não tinha mais esperanças de mudanças….
    Muito obrigada meu Deus, muito obrigada Ze Roberto, existe sim esperanças, obrigada!!!

  • Fabiano

    Sem dúvida foi uma atitude que poucos esperavam. Só espero que esteja certo no seu ponto de vista que esse corte pode mexer com as estruturas do grupo e motivar as jogadoras que consideravam intocáveis.

    Só não sei se o Zé terá peito para cortar Fabizinha.

    Enfim, o jeito é aguardar os próximos capítulos…

  • Nâo vou comentar a opção do Zé Roberto, até porque ele é o técnico e tem suas opções. Só acho que ele deveria fazer o corte de forma oficial, e não no aeroporto. Também acho que ele deveria já ter escolhido as 12 que irão para Londres e não cortar somente duas. Se ele já tem o time, que revele logo e acabe com a ansiedade das atletas e da torcida. Se não tem isso é péssimo para a seleção. Se até o início do GP a Fabíola era a titular e hoje esta cortada, é prova que o técnico está perdido. Para Fabíola seria melhor ter se contundido e não jogado o GP, assim teria vaga garantida em Londres. Talvez seja essa a vantagem de Sassá e Natália.

  • Jairo(RJ)

    Daniel, as questões relacionamento e entrosamento podem estar inseridas nesse processo de corte da Fabíola?

    • Daniel Bortoletto

      sim

      • Sergio

        Quais questões de relacionamento? A base do time é o sollys, e elas super se dão bem! Qual o problema de relacionamento, então?

  • tiago

    Fiquei surpreso, eu achei que a levantadora que seria cortada seria a Dani Lins. Infelizmente o vôlei feminino brasileiro passa um por sério problema de revelação de jogadoras, não temos levantadoras talentosas e o grande problema, a maioria de nossas jogadoras são baixas para os padrões internacionais.

  • Valdir

    Se o Zé quer usar a Fernandinha nessa olimpíada, o corte faz sentido, pois Dani Lins é mais jovem e tem mais chance de jogar no Rio, então já teria essa experiência…

    • Darci

      Acho, Valdir, que o corte da Fabíola também tenha o propósito de dar segurança à Fernandinha quanto a sua posição de titular. Deixar claro para toda a equipe a escolha do técnico.

      Talvez, com a Fabíola por perto, essa situação não ficasse muito bem resolvida na cabeça das demais jogadoras, principalmente se considerarmos que a Fabíola integra a seleção há mais tempo e tem um relacionamento bom com muitas das jogadoras.

      No mais, achei esse lance de exclusão no aeroporto de uma dramaticidade dispensável. As atletas ficaram muito expostas, especialmente a Fabíola. Meio traumático isso.

  • Guga

    Gostei muito do corte da Fabiola, antes tinhamos como base seu desempenho da SL, o que acontece eh q a nossa SL nao serve como parametro para nada, aqui os saques sao fracos e ruins deixando as levantadoras trabalhar sempre com passe A, quando acontece um evento de grande grau tecnico nesse GP eh q fica evidenciado as nossas falhas, nesse GP ate quando entrava na inversao do 5×1 Fabiola fazia besteira, bolas encostadas na rede, jacas atras de jacas, alem do fato de nao trabalhar bem com as Centrais..

  • Junior

    Inacreditavel o corte da Fabíola. A Ferandinha mostrou serviço e merece a titularidade. Mas daí a cortar FABÍOLA e deixar a Dani, foi demais, simplesmente não entendi. Ainda mais da forma que foi. O Zé poderia explicar para nós…

  • raphael – rj

    Seu blog está virando leitura diária pra mim, e principalmente pela isenção e educaçao que nao vemos em outros blogs. Só gostaria que vc pudesse postar um pouco mais.
    Em relacao ao corte, sem duvidas injusto, mas o Ze sabe oq faz.

  • Mateus

    Você diz:

    “Por fim, uma ressalva aos mais xiitas. Aqui não crucifico por uma derrota, não julgo caráter depois de uma mudança na metade do terceiro set e não sou fã de A e por isso detono B. Mantenham o nível!”

    E eu o parabenizo, pois sabe expressar suas opiniões sem “queimar” jogadores e treinadores. Uma pena Fabíola não estar nas Olímpiadas. Só achei que ZRG foi incoerente com o que vinha falando em entrevistas. Força Fabíola e bora detonar nessa temporada pelo Osasco!!

  • Darci

    Daniel, o treinador dos EUA também fez dois cortes que surpreendeu a muitos: Glass e Bown.
    Especialmente, a exclusão da primeira foi supreendente para mim já que ela foi a levantadora titular na fase final.
    O que você acha que motivou essa escolha?

    • Darci

      “que surpreenderam”

    • Daniel Bortoletto

      Difícil dizer. Eu não gosto do estilo de jogo da Berg, por exemplo. E levaria a Alisha
      Mas o Hugh entende um pouco mais do que eu (rs)

      • Darci

        Grata pela resposta. É, ele deve ter uma noçãozinha do que está fazendo, rsrs

  • Gabriel

    Eu meio q ja sabia, ja comentei no blog q ela da muito pau em jogos muito fracos, Dani Lins Vai para fazer o banco esquentar mesmo, as proximas com certeza serão Tandara e Camila!

  • Naty

    Eu achei o corte coerente….Zé deu chances a todas as levantadoras….
    Dani Lins devia estar bem nos treinos e por isso o Zé deixou a duvida entre Fabiola e Fernandinha….entre as duas, não tem o que discutir: Fernandinha é melhor. Dani Lins entrou muito bem em suas poucas participações.
    Acho que Zé foi totalmente imparcial e com certeza não é facil para ninguém cortar uma jogadora, sabendo do esforço que ela fez para estar ali. Mas a vida é isso ai. Tem que ir quem estive rmelhor. Isso demonstra exatamante o que o Daniel falou: ninguém é intocável e isso é muito justo.
    A Fabiola errou muito nos primeiros jogos. Sempre com a deficiência que já tinha desde o campeonato mundial. Eu acho que Zé tentou apostar nela até onde deu.
    E a titular será a Fernandinha.

  • FABRICIO

    JÁ ESTAVA NA HORA DISSO ACONTECER…..FABIOLA É JOGADORA DE CLUBE…NAO DE SELEÇÃO

  • Mervio Silva

    Acho que o problema desse time é a ausência de um fator surpresa.Está muito obvio…,no jogo contra os Estados Unidos percebi que falta uma consciência maior, – principalmente da Jacqueline e Fernanda Garay- que estão jogando com o nome

  • Eu não estou surpreso com o corte da Fabiula,Dani Lins é superior que suas duas concorrentes,Apesar de ter caido de produçao nesta reta final de preparação é,uma jogadora muito talentosa,alias o tecnico Zé Roberto declarou diversas vezes que á Dani Lins é uma levantadora especial,afinal,ela participou do ciclo olimpico,sofreu nas derrotas,tabem foi feliz nas vitorias,em alguns torneios foi eleita melhor levantadora, seria incoerente o Zé Roberto cortar á jogadora,uma vez que lhe foi dado um voto de confinça,que recupere sua vaga de titular.

  • Diego MG

    Daniel concordo em tudo e apesar de muita gente tentar detonar o Zé e o Bernadinho, sempre acreditei que vão levar o melhor, esporte é momento, ninguém vive de passado.
    Ele fez excelente opção, Fernadinha deu nova cara a seleção e a Lins tem melhores levantamentos do que a Fabíola, que infelizmente sente o peso na hora H. Mas sem desmerecê-la contribuiu no que pôde com a seleção.

    Sobre o corte: Acho que o Zé preferiu falar cara a cara com a Fabíola e suas jogadoras, foi íntegro. Se falasse antes, o voo seria um velório. Se fosse através de um comunicado, seria de uma frieza e falta de consideração total. Acho que a Fabíola, sentiria mais se fosse por comunicado, demonstraria falta de consideração total não achas?

    • Daniel Bortoletto

      difícil saber como cada uma reagiria
      mas, em caso de comunicado oficial, antes a jogadora é avisada. Pelo menos na maioria dos casos

  • Rogerio

    pelo fato de o zé só ter usado a dani na primeira fase do grand prix ficou meio claro q a sua duvida estava entre fernandinha e fabiola até pq ele quase não usou a dani nas outras fases do campeonato ele fez o q achou q era certo definiu uma vaga e abriu uma disputa na bola com as outras duas na qual a fernandinha se saiu melhor..isso mostra que na semana que vem poderemos ter mais surpresas nos cortes né Daniel???? parabens pela matéria muito bem analisada..

  • debygoiania

    Daniel, mas uma vez parabéns pela postura.
    Contigo não tem fofoca, não tem imparcialidade como outros por aí.
    Não concordo com o Zé, mas enfim, que seja pelo bem do Brasil.
    Só acho uma pena a Fernandinha não ter sido convocada no início do ciclo. Teríamos evitado todo esse drama.

  • mari diva

    Surpresa das boas! Eu que ja dava como certo o corte da Dani, fui surpreendido, e fiquei feliz!!

    http://www.youtube.com/watch?v=w4Lbu8IaNJY

    Agora é so aguardar o corte da Jaque. Oremos.

    • mari diva vc dever ter ficado mto surpresa msm, falou mta besteira da fernandinha sem conhecer o seu jogo fernandinha esta com 60 % do seu volei ela tem mto a melhorar principalmente nas bolas de meio pois n vinha jogando com essas atletas, e cada atleta tem o seu tempo de bola, n existe no volei do mundo uma atleta com a sua raça, sua determinação e sua vontade de vencer ela da o sangue em quadra ela é uma guerreira n amarela nunca. o Brasil vai ter a maior surpresa com a nossa levantadora ela ja era merecedora da amarelinha a mto tempo, n sei determinar os motivos mais e melhor tarde do que nunca. o corte da fabiola foi para o bem estar da seleção elas tem personalidade mto forte certamente dividiria o grupo da seleção, é o grupo so vai ganhar se estiver unido. fernandinha defende mais, é mto mais rapida no deslocamento, levanta mais é bloqueia mais é mto mais completa. a briga era entre fernandinha e fabiola é ponto final.

      • mari diva

        sem conhecer o seu jogo? ta doida fia? posso nao aparentar, mas sou veia! conheco fernandinha dos tempos de pinheiros..

      • mari diva

        em tempo,
        meu post é sobre a dani lins nao ter sido cortada. Fiquei surpreso, porem aliviado.
        Quanto a Fernandinha, a conheco dos tempos de pinheiros. E é exatamente por isso que nunca acreditei que ela fosse a salvadora da patria. E nao é.

        • então vou ter dizer mais um proverbio quem vive veras. Ela n é a salvadora mais é melhor que as duas juntas, esta hoje entre as melhores levantadora do mundo. ela tem a garra que o Brasil precisa, a vibração, a determinação é principalmente o sangue de guerreira. não parece que vc conhecia o jogo dela ela já jogava muito, é hoje ela joga muito é está mais experiente, é a muito tempo já era para estar portando a amarelinha, mais antes tarde do que nunca. Dani não foi cortada porque ela além de ser mais nova ela tem uma personalidade mais tranquila. já a fabiola é fernandinha elas tem uma personalidade mais forte as duas juntas não daria certo pois, fabiola não aceitaria o banco é certamente dividiriam o grupo. E a seleção para ganhar alguma coisa tem que ter um grupo unido.

  • Gustavo

    A forma pela qual ocorreu o corte realmente é um tanto quanto estranha se levarmos em consideração a postura e atitudes tomadas pelo Zé, haja vista o corte de Paula Pequeno no Mundial de 2010, sendo realizada uma coletiva, ele consideravelmente emocionado e etc.

    Quando aos motivos, penso que o Zé na verdade buscava por uma levantadora titular. Na cabeça dele, a segunda levantadora já estava definida. Dani já mostrou que não deu conta da pressão de iniciar as partidas e levar o time aos melhores rumos.
    Entretanto, uma coisa devemos ponderar, os anos ao lado do Bernardo permitiram ganhar uma leitura de jogo melhor que Fabíola. O que a atrapalha é o lado emocional e a pressão.
    Em uma inversão, Dani é absolutamente mais preparada que Fabíola. Entra e não coloca bola pra quem não deve, muito pelo contrário, ela entra equilibrada e com o respaldo de analisar o jogo de fora, sem a pressão da titularidade.

    O Grand Prix serviu para que Zé optasse por aquela que mais desenvoltura tivesse para conduzir a equipe desde o início. E Fernandinha com certeza teve mais performance.
    Devemos sentir pelo acontecido em 2009. Caso não houvesse o seu problema na coluna, sua estabilidade hoje poderia ser grande nesta seleção, inslusive com uma maior confiança das nossas atacantes que, se antes não eram problema, hoje nos preocupam pela inconstância.

    Um exemplo, como boa comparação, é a Berg. Com um time cheio de boas atacantes, como é o americano, Berg não precisa ser explêndida. Ela precisa ter entrosamento e constância, basicamente. E foi o que esse ciclo olímpico lhe deu. Essa seria a situação de Fernandinha se a convocação fosse possível desde 2009. Ganharia confiança e entrosamento, já que o Brasil também possui boas atacantes.
    Nenhuma das duas (Berg ou Fernandinha) será Fernanda, Fofão ou Feng, mas com uma seleção bem montada, ajudam bastante e têm espírito de liderança o suficiente para conquistar títulos importantes.

    Quanto ao outro corte que ainda será feito em relação às ponteiras, pessoalmente não gosto do voleibol da Jaque, que tinha tudo para ser peça fundamental desse time. Tem 1,86m, passa bem para o seu tamanho, mas na seleção não é confiante o suficiente, não sendo nem metade do que joga na Superliga, com jogos e adversários claramente mais fracos.
    Não troco Paula Pequeno por Jaque. Embora venha de duas temporadas irregulares, acho que a evolução dela é nítida e ela curte ganhar. Isso é importante. Relembrar o prêmio de MVP em Pequim pode ser uma motivação para ela.

    A outra ponteira é a questão. Se Mari não estivesse em uma fase tão ruim, ainda optaria por ela, deixando Garay no banco e de sobreaviso. Acho que ela rende mais quando sai do banco do que quando inicia os jogos.
    Mari é que tem melhor alcance das 4, mais golpes e facilidade de rodar bola, mas sua fase, repito, é preocupante.

    Sassá ainda é uma boa opção. Tem como esquecer o jogo contra o Japão na Copa do Mundo do ano passado? Sendo realista, pessoalmente acho-a mais importante que a Jaque (mesmo com as pesadas opiniões constantes aqui no blog, por ser baixa, acima do peso e etc.). Pesa no bloqueio sim, mas nos demais fundamentos, Jaque seria a minha preterida.

    Aguardar Natália é ilusão, quem a acompanha sabe que não é a Olimpíada dela, infelizmente.
    Se Deus quiser, a veremos no Rio, distribuindo bolada.

    Levaria a Brait, arriscando perder a experiência e liderança de Fabi. O voleibol apresentado pela mais nova é visivel e inegavelmente melhor que o trabalho apresentado pela veterana.

    Portanto, uma coisa acho que é certa. Sassá na lista é sinal de corte de uma das líberos. Sassá fora dessa lista é QUASE uma certeza de que Zé levará Brait e Fabi.
    Mas notei uma coisa ao longo deste Grand Prix. A Brait se sente mais confortável com a camisa de líbero. Ela não adota a mesma postura quando divide a linha de passe com Fabi. Acho natural, até mesmo pelo respeito e admiração pública que ela tem por Fabi.

    O corte de Tandara é desnecessário analisar.

    Portanto, acho que a dúvida é em relação às ponteiras e líberos.
    As opções são:

    PAULA, JAQUE, GARAY, SASSÁ e FABI (BRAIT) ou
    PAULA, JAQUE, GARAY e BRAIT E FABI.

    As demais, já definidas:
    Fernandinha e Dani, Sheilla e Mari, Fabiana, Thaisa e Adenízia.

    Mas acima de tudo, devemos respeitar a história de cada uma. Cortes não são fáceis, nem pelos executores, nem por aqueles que o sofrem.
    Chegar aqui e escrever é muito fácil.
    Dedicação ao esporte é para poucos.

    Portanto, como bem asseverou Daniel: “Mantenham o nível!”

    • carlos

      Falou tudo.

      Mas conto com uma surpresa maior, ele encaixando no grupo a menina Gabi e deixando a Jacque ou Fabi. Pois a Natália só milagre, mas ainda acredito.

  • thiago santos ( caju )

    acho que o corte da fabiola foi algo interno, ela não estva com car de satisfeita sendo banco da fernandinha , no jogo contra a turquia estava com cara de poucos amigos, acho que fez uma boa escolha, com dani e fernandinha, uma e jovem e promissora, so falta ter controle emocional e parar de ter medo das adversarias mais fortes, e a outra muito tecnica, rapida, inteligente ( ja era para estar seguindo com seleção a muito tempo, so acho que essa seleção só ganha o ouro se conseguir driblar o proprio ego essa e a verdade.

  • helio de mello

    Confio, plenamente, no Zé Roberto, por tudo aquilo que vem demonstrando como treinador e como profissional criterioso, equilibrado e competente.

    Ninguém mais que ele pode saber o que seria melhor neste momento de pré Olimpíada. Não é ora de inventar e nem de arriscar, é levar o que ele sentir que seja o melhor e partir para as disputas.

    Vai ganhar? Não sabemos, mas, com certeza, a equipe fará o melhor possível, como sempre.

  • Lucilene

    Daniel gostaria apenas de saber se vc axa que a Mari realmente ir para Londres?ou vc arriscaria uma Tandara ou Natalia

    • Daniel Bortoletto

      sem saber as reais condições da Natalia, eu levaria a Mari

  • Thiago

    Achei coerente. Ao menos coerente, digamos, com a Fernandinha. Não coerente com o “ciclo” (vide Carol Albuquerque em 2008). Acho que o correto seria apostar nas duas do ciclo durante o GP, insistindo em uma como titular. E ponto final. Mas já que ele trouxe a Fernandinha, que apesar de baixa tem uma segurança maior em quadra, não mostra todo aquele desespero tão visível no rosto da Fabíola e da Dani, é coerente NESTE momento ele cortar a Fabíola. Acho inclusive que a Lins acabará Londres como titular.
    Mas falando em coerência e momento, era o caso dele cortar a Fabi pela Brait, sem a menor sombra de dúvida. Veremos se o critério será o mesmo.
    A Sassá jogou muita bola hoje contra a Itália A na Yeltsin. Sempre achei que ela estaria ou deveria estar entre as 12, fosse quem fosse as 12.
    Não ficaria triste se a Garay fosse cortada e ele levasse Mari e Paula, com Sassá e Jaque (esta última como 4ª opção) para as pontas. E que a Natália, mesmo a “meio pau”, fosse pra entrar nas inversões na saída. Com a Brait de líbero. Acho que seria o time perfeito.
    Em tempo: a Garay é muito fraca e limitada. Não é possível que só eu veja isso.

  • Bil

    Na minha opinião é o seguinte :
    Murilo => Jaqueline
    Sidão => Dani Lins,

    todos na mesma vila olimpica, muito complicado deixar a Dani de fora.

    • Rosa

      Não viaja, ZRG jamais usaria esse critério.

  • Annie

    Se ZRG levar Natália pra Londres, isso quer dizer que a Natália é a única jogadora no mundo e na história a não precisar de ritmo de jogo, que todo treinador e jogador tanto falam em todos os esportes? WOW!

    • Maria Clara

      Sim, significa.

      • Annie

        Natália não é a mulher maravilha. Mas se ZRG acha q é, prove-nos, colocando-a pra jogar em Londres. E se ela não for a mulher maravilha, e ainda fraturar a canela lá, a culpa é toda dele!

  • Afonso RJ

    Cheguei em casa hoje por volta do meio dia, e fui surpreendido pela “bomba” do corte da Fabíola. Lendo a excelente matéria do Daniel, e mais uma maioria de comentários bastante ponderados e lúcidos (e deixando de lado uns poucos “idiotas”) acho que eu não tenho nada a acrescentar.

    Mesmo assim, resolvi passar por aqui para me retratar. Num comentário anterior, “tirei a bola de cristal empoeirada da gaveta” e arrisquei um time. Me dei mal, pois dava como certo o corte da Dani Lins e não da Fabíola. Mas me serve de consolo que eu errei junto com a grande maioria.

    Também arrisquei que a Sassá não teria ido ao Grand Prix, pois aparentemente estava fora dos planos da comissão técnica para a olimpíada. Está aí a excelente performance da atleta num jogo difícil contra a Itália completa na abertura da Copa Yeltsin, etambém o fato de se juntar à seleção principal para os treinamentos em Saquarema após o final da competição em Ekaterimburg. Estava errado.

    E me permitam uma brincadeira: Se perguntarem se eu quero levar para uma competição dois pés de coelho, um trevo de quatro folhas, três figas, uma ferradura, quatro patuás de Guiné, e tudo regado por uma forte mandinga bahiana, eu digo que não. Ainda prefiro levar a Sassá. Ô muié pé quente, sô!!! 🙂

  • Euri

    Nunca vou entender isso. As pessoas falam da instabilidade da Fabíola, mas a Fernandinha, disputando um ÚNICO torneio na seleção em anos, jogando sem nenhuma responsabilidade, já mostrou que é “estável”e “segura”, né não? A verdade é que o ZRG sempre mostrou preferência pela Dani e parecia apenas “engoli” a Fabíola. Porque será? Não que importe mais para mim. A única coisa que fica disso tudo é a saudade daquele tempo em que eu só assistia volêi pela transmissão ufanista da globo, quando tudo que eu sabia era que a Sheila era a melhor oposta do mundo, que a Mari era a melhor atacante do Brasil, que a Fabi era um MONSTRO no fundo de quadra e que a Fabiana, além de capitã, era a melhor central do mundo e insubistituível. Tenho saudade do tempo em que não tinha TV por assinatura e não acompanhava a superliga, não lia os blogs especilizados no assunto e nem sabia o que siginificava “panela” no volei.Saudade da minha santa e abençoada ignorância.
    Cansei. Tô indo torcer para o atletismo, judô e natação. Lá onde sei que os atletas conseguem vagas nas olimpíadas lutando lutas justas e limpas, quebrando recordes, vencendo competições, atingindo marcas e metas. Atletas brasileiros, patrocinados na maioria com dinheiro público, que estão em Londres por critérios claros e públicos , por serem os mais dedicados, os mais forte, mais rápidos e mais competentes. Nào é a toa que são eles que trazem mais medalhas para o Brasil nas olimpíadas.

    • Maria Clara

      Concordo plenamente com tudo. Achei surreal o corte e o modo como tudo aconteceu. Não entendo esses comentários acerca da estabilidade da Fernandinha quando ela disputou apenas um campeonato com a seleção brasileira. Saudade dos tempos da ignorância.

  • OSA

    Vergonhosa a conduta do Zé Roberto
    Mais uma vez a Panela falou mais alto e os bastidores do Rio de Janeiro tbm

    A Josefa Fabiola, uma pessoa super educada, simpatica, não merecia passar por isso, ela dedicou os ultimos anos de sua vida a Seleçao, deixando pra trás sua filha, para chegar e ser cortada no saguão do aeroporto, é muita falta de respeito, duvido q ele faria o mesmo com Fabiana Claudino, Fabi Alvim, Marianne………..etc
    Respeito é o minimo que as pessoas devem ter com as outras, e nesta situação não ouve

    Sem falar q a Josefa Fabiola jogou de titular os ultimos 2 anos na Seleção, e foi eleita a melhor levantadora da superliga, enquanto Danielle Lins foi reserva e sequer jogou um joguinho de titular no GP e entrou em Declinio no Sesi, o fato é q o Zé Roberto foi muito incoerente nesta situaçao
    Realmente não dá pra confiar nem um pouco nesta Seleção

    • Rosa

      Vc está sendo injusta com as demais jogadoras, do mesmo jeito que Fabíola abriu mão da vida pessoal em prol da seleção, todas as demais tb o fizeram.
      Outro equívoco, Fabíola nunca foi titular absoluta na seleção……….no Pan de Guadalajara, Dani foi titular absoluta e o Brasil foi campeão. Na Copa do Mundo, Dani começou como titular, foi substituída, mas perto do fim da competição, voltou a ser titular.
      Nesse Grand Prix, Fabíola foi muito irregular e piorava a cada jogo……….qnd foi pra reserva, entrou muito mal na inversão, não conseguiu levantar uma bola pra Mari e as poucas que levantou, foram espetanas na rede, baixas ou imprecisas…….acredito que isso foi muito relevante para seu corte.
      Se vc achou injusto ela ser cortada por fazer parte do ciclo olímpico, Dani tb o fez e dedicou um ano a mais na seleção…….Se o Zé tivesse que cortar alguém por esses critérios, teria que cortar Fernandinha, pois não participou do ciclo olímpico, nunca precisou abrir mão de suas férias, chegou na seleção sem pressão alguma, pois era a estranha no ninho e foi logo sentando na janela.

  • Logan

    Boa levantadora é a Claudinha. Mas essa aí é só para 2016. Natalia deve ser mais fenomenal do que a Ana Moser para jogar uma olimpíada depois de um ano parada. Enfim.

    O Zé deve gostar de drama para cortar jogadora no aeroporto e deixar as demais chorando a olhos vistos. Mas o jogo de ambas seleções está mesmo de fazer chorar.

    Para mim, o mais surpreendente na seleção americana não foi o corte da Glass ou da Brown. Foi levar a Danielle Scott-Arruda. Gosto muito do vôlei dela, mas pensei que quatro olimpíadas estivesse de bom tamanho. E aos 39 anos, essa moça vai disputar a quinta olimpíada! Aplausos!

  • marcio

    tambem fiquei surpreso com o corte da fabiola ,mas acho que aconteceu alguma coisa estranha pois todo mundo via que ela nao levantava bola pra Mari e nao conseguia fazer a Sheila jogar e insistia muito com jaque e taisa mesmo elas nao virando bolas. Acho que o ZRG optou pela Dani pois ele teria uma jogadora com caracteristicas diferentes se fosse preciso “mudar ” o jogo. Acho que ele tem que esperar a Natalia pois precisamos de uma atacante de força e entre jaque e sassa sou + sassa

  • César Castro

    Eu sinceramente acho o corte da Fabíola nas atuais circunstâncias bastante lógico. O jogo da Dani Lins é mais sóbrio, sendo que para ser reserva (o que penso que deva acontecer) é uma opção mais interessante, além do que a Dani tem mais bagagem que a Fabíola. Eu engrosso o coro daqueles que dizem que a Dani é insegura e amarela legal nos jogos importantes e acho que a Fabíola fez uma superliga muito boa, mas eu concordo integralmente com o ZRG em relação ao corte.

  • Wasley

    Minha lista para as Olimpíadas:

    Centrais: Fabiana, Thaísa, Adenízia.
    Opostas: Sheilla, (Mari/Natália/Tandara)
    Ponteiras: Jaqueline, Paula, Fernanda Garay, Sassá.
    Levantadoras: Fernandinha, Dani
    Líberos: (Fabi/Camila).

    Após ver a Sassá jogando hoje, vi que ela provavelmente “roubará” a vaga de uma líbero. É muito mais interessante levá-la, já que ela é uma ótima passadora, defende bem no fundo de quadra, tem um bom saque e pode ser uma opção de ataque no fundo (meio fundo). Confesso que fiquei surpreso com o corte da Fabíola, porém, pensando um pouco mais acho que a decisão pode ter ocorrido pela forma como o José Roberto vê o time que irá a Londres como titular e como reserva. A Fernandinha será a titular absoluta da posição. A Dani provavelmente será aproveitada na inversão do 5×1. Talvez, a decisão do técnico levou em conta o fato de que a Dani se sai muito bem no fundo de quadra, com um bom posicionamento de defesa, além do fato de que ela sempre mostrou um entrosamento melhor com as centrais nas jogadas de 1º tempo em detrimento à Fabíola, visto que a Fabiana e a Thaísa já jogaram com a Dani no Unilever. Não acho que a Dani seja melhor levantadora que a Fabíola, mas acho que dentro do esquema tático do time, possa ser mais aproveitada do que a levantadora de Osasco (embora ache que a Fabíola bloqueie melhor que a Dani). Agora, isso só dará certo se a Fernandinha jogar muito bem nas Olimpíadas, não necessitando da substituição fora do contexto da inversão. Isso porque a Dani também é uma jogadora irregular quando está atuando como titular desde o início de uma partida.
    Acho que o maior problema da convocação será a escalação das ponteiras/opostas. Embora ache que a Sheilla seja a oposta titular da equipe, o resto é uma incógnita. Acho que provavelmente as ponteiras convocadas serão: Paula, Garay, Jaqueline e Sassá (esta como curinga, podendo atuar como uma espécie de líbero). Nenhuma das 3 primeiras está “comendo a bola”. Prova disso foi a rotatividade ao longo do Grand Prix. O problema é que nenhuma delas é “a” jogadora de definição no ataque. A Garay vem mostrando ser mais efetiva no ataque, mas confesso que tenho ressalvas se ela será tão efetiva, enfrentando equipes com bloqueio muito alto. A Paula e a Jaque são muito técnicas, compensando a limitação do alcance no ataque. Aí entram as opostas que também podem atuar como ponteiras (Natália, Tandara e Mari). As 3 são jogadoras mais fortes no ataque. Se a Mari estivesse jogando no mesmo nível que no último ciclo olímpico, certamente ganharia até mesmo a vaga de titular na posição de ponteira. A Natália não joga há muito tempo, dificultando a possibilidade da convocação. A Tandara, mesmo com a menor bagagem internacional, jogou bem quando foi acionada na seleção e pode ser uma surpresa. Ela também veio atuando na posição de ponteira na última Superliga. Acho que apenas uma será chamada. Pelo potencial e experiência, a Mari seria a eleita, porém pelo desempenho na seleção nos últimos jogos, a Tandara seria a escolha mais adequada. Se houvesse mais uma vaga, daria para a Gabi. Ela é uma jogadora que ataca com muita facilidade e tem um diferencial: as principais seleções não a conhecem e o seu jogo é totalmente diferente das outras ponteiras. Poderia ser uma jogadora para entrar em uma situação de deficiência no ataque. Porém é uma aposta muito alta e acho que a possibilidade de uma surpresa na posição de ponteira é baixa. A (nem tanto) surpresa seria o corte da Mari, com a convocação da Tandara ou da Natália (essa, sim, seria uma surpresa).

  • Leandro

    Caros,

    Não estou defendendo a Dani, mas a Fabiola foi a melhor da última superliga(questionável). Mas quantas vezes a Dani foi a melhor? Outra coisa, neste grand prix a Dani não jogou,porém no grand prix 2011, quem foi a melhor levantadora da competição? Dani Lins, ou seja, ela também tem os seus méritos..

    Abs

    • jijij

      o que importa é o presente querido!!! o que ela fez??? NADA!!! lixo ” lins”!

  • jijij

    o que aconteceu ano passado não IMPORTA!! eu gostaria de ver era o presente… Dani “PIPOCA” Lins é amarelona, em certas jogadas amarela mesmo… ela é muito ruiim não merece lugar na seleção, esse ano ela fez uma seuper liga horrivel sem falar que jogou muito pouco na seleção…. lebram ano passado ela levou o brasil ao 5 lugar ( apesar de que a culpa não foi so dela)….
    se roberto é totalmente burro e incoerente….
    adeus ouro ( com esse lixo de levantadora)

  • Desde o início, Natália procurou manter a rotina. Mesmo que não viajasse com o grupo, não quis saber de tempo livre. Via os vídeos dos jogos, ia aos treinos e para a sala de musculação. Chegou a deixar as muletas de lado para treinar passes sentada num banco. Fechou a boca, seguiu a dieta dada pela nutricionista e perdeu seis quilos. Queria ficar mais leve e brinca que há males que vêm para bem.

  • rejane

    Surpresa o corte da Fabíola, a melhor das três. Fica mais difícil agora para o Brasil.

  • andre

    fiquei surpreso a fabíola é uma ótima levantadora, das três ela é a com mais raça, fez muito pela seleção, não sei porque ela foi cortada merecia estar lá, espero que não complique a situação do Brasil no volei, afim estavamos com um time campeão, ele muda a levantadora? vai intender.

  • Victor Hugo

    Espero que o triste resultado e a vergonhosa colocação que o Brasil amagar nessa Olimpíada, faça o ZRG repensar suas atitudes diante de algumas situações; como cortar a Fabíola, Mari e Camila. Não sei se elas resolveriam todos os problemas, mas o time iria ter um rendimento bem melhor com estas jogadoras. Só me resta lamentar e assistir a Fernandinha e CIA passarem vergonha!

    • Nelson

      Mas que vergonhosa colocação!

MaisRecentes

Joelho afastará Gabi das quadras



Continue Lendo

As primeiras transmissões da Superliga na TV



Continue Lendo

Vaivém: Thaisa jogará a Superliga



Continue Lendo