O sobe e desce do Mundial masculino



Um balanço para encerrar o assunto Mundial masculino e virar definitivamente o disco para o feminino.

SOBE

Torcida polonesa
Merecia um troféu. Festas dentro de fora dos ginásios, um show à parte. Mostrou o porquê de a Polônia ser o país do vôlei.

Wlazly
Voltou da aposentadoria para ser o MVP do Mundial. E logo depois se aposentou de novo. Será que agora é definitivo?

Alemanha
Um zebraça que subiu ao pódio. Kaliberda, Grozer e Kampa formam a espinha dorsal de um time com potencial para incomodar mais vezes os grandes.

Jogo em um estádio de Varsóvia
Polônia x Sérvia para mais de 60 mil pessoas. Certamente um jogo histórico que será lembrado por muito tempo.

França
Fez uma campanha brilhante, batendo grandes seleções e se colocando no top 4. Caso consiga domar a cabeça de Ngapeth, pode se firmar neste nível.

Wallace/Lucarelli
Ainda leio e ouço muitas críticas aos dois. Mas eles são a força que um time marcado pela técnica precisa. Ainda darão muitas alegrias.

Irã
Depois de se colocar entre os quatro melhores da Liga, ficou entre os seis do Mundial. Parece que chegou mesmo para ficar.

Antiga
Um início surpreendente como treinador. Admito que estranhava ele ser o comandante e o experiente Blain, o auxiliar. Deixou figurões fora (Kurek e Bartman) e provou estar certo.

Desafio eletrônico
Depois de tantas críticas em competições anteriores, a tecnologia deixou mais certezas do que dúvidas na Polônia.

DESCE

Regulamento do Mundial
Em 2010 ele permitia escolha de adversários. Em 2014, mudou-se um pouco, mas para ser ruim o regulamento ainda precisa melhorar bastante. É longo, sacrificante e não premia nas finais os melhores das fases anteriores.

Ary Graça
Tem culpa pelo regulamento ruim e precisa liderar uma mudança por um calendário mundial mais racional. E a risadinha após título polonês, flagrada pela TV, pegou mal.

Itália
Ela esteve no Mundial? Sem Zaytsev, que se contundiu, mostrou-se limitado e sem força para brigar em um nível intermediário. Fruto de anos e anos de renovações ruins.

Muserskiy
Não desequilibrou como se esperava. Um Mundial apático, sem brilho e muito abaixo do potencial que possui.

Spiridonov
Acusado de cuspir em um torcedor, o russo merece uma punição exemplar para aprender.

Mário Júnior
O líbero oscila demais em um função que não permite tantos altos e baixos. Mesmo fazendo apenas a função de passe, deixou a desejar.

Argentina
Com Julio Velasco como comandante, a Argentina sonhava alto. Mas mostrou que está alguns degraus abaixo dos melhores do planeta.

Bernardinho
Conquistas e currículos à parte, precisa repensar algumas situações tanto na montagem da equipe como na forma de assimilar uma derrota. Tem mérito por manter o Brasil entre os tops na transição de gerações mais difícil que já enfrentou.



MaisRecentes

Vaivém: Site crava volta de Hooker ao Osasco



Continue Lendo

Brasil não toma conhecimento da Argentina



Continue Lendo

Termina a parceria campeã olímpica de Alison e Bruno Schmidt



Continue Lendo