O recado do Vôlei Nestlé aos rivais



O primeiro post após trocar o 021 pelo 019 não se propõe analisar a atuação do Vôlei Nestlé na conquista da Copa Brasil, na noite desta sexta-feira, em Lages (SC). O motivo é óbvio: a mudança – ainda incompleta – me impediu de ver os jogos. O resultado, porém, permite uma conclusão: o time de Osasco dá um recado aos principais adversários para a sequência da temporada na Superliga.

O Vôlei Nestlé garantiu o tricampeonato ao passar pelo Sesc (3 a 1) na semifinal e o Dentil/Praia Clube (3 a 0) na decisão. Vencer na sequência o maior rival e o líder absoluto (e invicto) da Superliga é algo a ser muito comemorado.

As campeãs da Copa Brasil (João Pires/Divulgação)

Luizomar de Moura definitivamente encontrou o time ideal após testes – alguns com resultado aquém do esperado. As estrangeiras Leyva e Ninkovic estão estabelecidas como titulares, Mari Paraíba e Tássia garantem volume de jogo, enquanto Tandara e Bia são bolas de segurança para a levantadora Fabíola. O time tem uma cara, algo que cheguei a duvidar na primeira metade da temporada.

O início irregular fez a diferença do Vôlei Nestlé para os dois rivais batidos em Lages ser grande neste momento. Com 33 pontos, o time de Osasco está oito atrás do líder Praia e com um jogo a mais. Já a diferença para o Sesc é de sete pontos, com o mesmo número de partidas. Uma gordura considerável e confortável das mineiras e cariocas.  Pensar em subir na tabela me parece inviável para o Vôlei Nestlé. O foco talvez seja manter o nível de jogo mostrado na Copa Brasil, para chegando tinindo nos playoffs.

Abaixo, as declarações das campeãs pós-título:

– Fico muito feliz com mais essa conquista do time de Osasco. Jogamos muito bem taticamente, seguimos a estratégia elaborada pelo Luizomar e acredito que, além disso, nossa garra e vontade vencer fizeram a diferença nessa final contra um grande time, que estava invicto. Agora é só comemorar – BIA.

– O Vôlei Nestlé está de parabéns. O time foi super disciplinado, jogou tudo que foi treinado e pedido pelo Luizomar na parte tática. É o segundo campeonato que disputamos e é a segunda medalha de ouro. Agora é manter essa pegada, esse foco, para a sequência da Superliga. Agora vamos pensar no Fluminense no sábado, em casa, e espero que o time continue jogando dessa maneira – TANDARA.

– A equipe jogou coletivamente e estava com muita vontade. Estou muito feliz pela vitória. Ainda estou me adaptando ao vôlei brasileiro e esta conquista me dá ainda mais motivação – LEYVA.

– Jogamos todas juntas, com garra e muito foco. Jogamos para ser campeãs. É por isso que nos dedicamos todos os dias nos treinos e em cada bola na quadra –  MARI PARAÍBA.

– Todo o nosso trabalho está sendo focado no crescimento desse grupo. Temos duas estrangeiras que vieram com o objetivo de aprender. Tivemos derrotas difíceis na Superliga que mostraram que precisávamos trabalhar ainda mais. Essa final não vai mudar isso. Esse título vai dar uma motivação a mais para o grupo, mas temos que ter os pés no chão. Derrotamos o grande favorito da temporada, mas precisamos continuar trabalhando forte – LUIZOMAR.

 

 



MaisRecentes

Sesi joga melhor, bate Sada/Cruzeiro e fatura Supercopa



Continue Lendo

Seleção do Mundial não premiou destaques da final



Continue Lendo

Título coloca a Sérvia no topo após frustração olímpica



Continue Lendo