O primeiro dia do Mundial feminino no Japão



A largada do Campeonato Mundial feminino, nesta madrugada, foi marcada por vitórias dos favoritos – com alguns sets com placares mais apertados -, dois triunfos históricos e apenas um dos 12 duelos terminando no tie-break.

O Brasil foi um dos que sofreu em uma parcial e depois deslanchou. O primeiro set contra Porto Rico, em Hamamatsu, terminou apenas em 27 a 25, com oito dos pontos das caribenhas dados em erros. Um equilíbrio anormal.

Na sequência, um verdadeiro passeio: 25-12 e 25-7. O último set, inclusive, começou com uma incrível série de 15 pontos seguidos da Seleção, que abriu 15 a 0, em uma passagem de Carol pelo saque. Se fosse um tie-break seria um recorde histórico.

Tamanha facilidade permitiu a utilização de 13 das 14 jogadoras, inclusive Natália. José Roberto Guimarães não usou apenas Adenízia. A base titular utilizada foi Dani Lins, Tandara, Fernanda Garay, Gabi, Carol, Bia e Suelen.

– A primeira rodada hoje trouxe uma situação nervosa para as jogadoras. Tivemos movimentos esquisitos no primeiro set. Fomos mais agressivos no segundo e terceiro sets, o que fez a diferença – comentou o técnico.

Comemoração brasileira em Hamamatsu (FIVB Divulgação)

Garay, com 13 pontos, e Tandara, com 11, lideraram o Brasil. Neste domingo, novamente às 1h40 (de Brasília), a Seleção irá encarar a República Dominicana, rival com características parecidas com Porto Rico, mas com melhores talentos individuais.

Outros favoritos que tiveram vitórias por 3 a 0, mas com uma parcial apertada foram Estados Unidos (29-27 no Azerbaijão) e China (25-23 em Cuba). Vale apontar o show de defesas de Kelsey Robinson, agora líbero americano em um dos pontos.

Para dois africanos o sábado foi histórico. Camarões e Quênia conquistaram as duas primeiras vitórias do continente em todos os tempos no Mundial feminino.

As camaronesas fizeram 3 a 1 no México, enquanto as quenianas bateram o Cazaquistão por 3 sets a 0. Resultados que podem fazer ambos sonharem com a classificação para a próxima fase, um feito extraordinário.

Já o único tie-break aconteceu no clássico asiático entre Coreia do Sul e Tailândia. Apesar dos 23 pontos de Kim, as coreanas perderam, parciais de 18-25, 25-22, 25-19, 13-25 e 15-11.

Por fim, a Holanda conquistou uma importante virada sobre a Alemanha, após perder o primeiro set por 25-22, ganhando os demais por 25-21, 25-22 e 32-30.

JOGOS PARA FICAR DE OLHO NO DOMINGO

Japão x Holanda (Grupo A)
Turquia x China (Grupo B)
Tailândia x Rússia (Grupo C)
Brasil x República Dominicana (Grupo D)



MaisRecentes

Coluna: Minas e um dia histórico para o vôlei nacional



Continue Lendo

O tremendo desafio de Minas e Dentil/Praia Clube no Mundial



Continue Lendo

Coluna: Sinal de alerta com as chuvas no Brasil



Continue Lendo