O Paulista é do Vôlei Renata. E é também de Luizão!



Dia 20 de fevereiro, o Vôlei Renata chorava. Luizão, o querido massagista com cinco Olimpíadas no currículo e inúmeras histórias, morria em Taboão da Serra, aos 70 anos, após passar mal durante um almoço em família. Dia 16 de outubro, o Vôlei Renata chora mais uma vez. Mas agora de alegria ao ganhar pela primeira vez em sua história o Campeonato Paulista. Uma conquista histórica e dedicada a Luiz Carlos Souza.

O feito campineiro foi conquistado fora de casa, no Abaeté, com mais uma vitória sobre o favorito EMS/Taubaté, de virada, por 3 sets a 1, parciais de 23-25, 25-21, 25-18 e 25-17.

O técnico Horácio Dileo, em seu quinto Paulista pelo Vôlei Renata, teve Luizão em sua comissão técnica em quatro deles. Bateu na trave no Estadual do ano passado, perdendo para o mesmo Taubaté, no Taquaral, no golden set. E não esconde a emoção ao lembrar do amigo querido, o alvo das brincadeiras do grupo, o paizão. Um ser humano tão querido que motivou elenco e comissão técnica na caminhada ao triunfo estadual.

– Eu não consigo falar sobre ele sem me emocionar. Não aceito até hoje que ele não esteja mais entre nós. Nos treinos, no Taquaral, eu o procuro pelos cantos, nos lugares onde ele costumava ficar. É uma tristeza muito grande. Luizão era o nosso pai, o nosso conselheiro, era com quem a gente gostava de brincar – confidenciou o treinador argentino antes do jogo.

Luizão

Pedro Teixeira/Divulgação

Do elenco campeão, poucos atletas não trabalharam com Luizão. Mas todos o conheciam. Dificilmente alguém que trabalha com vôlei no Brasil nunca ouviu um “causo” dele. Imagino o orgulho dele, lá em cima, com as atuações decisivas de Vaccari, com o poder de decisão de Leandro Vissotto, com a precisão de González, com a experiência de Temponi, com a confirmação de Bello, com a resiliência de Michel, com a afirmação de Barreto. Sob a batuta do incansável profe Horácio e sua CT.

Talvez Luizão tenha se “assustado” com a derrota no primeiro set. Taubaté estava mais vibrante e menos errático do que na partida no Taquaral. Colocou pressão, principalmente com Gabriel Cândido, que parecia imparável. Mas o Vôlei Renata não esmoreceu. Pelo contrário. O ataque foi inteligente para largar um caminhão de bolas e desestruturar a defesa do time da casa. Veio o empate no jogo. Aos poucos, viu o sistema defensivo crescer. Ganhou moral. Virou. Fez Weber mexer em quase todos os setores, apostando no seu elenco galáctico. Mas não tinha jeito. Luizão e o Vôlei Renata são campeões paulistas de 2020.



MaisRecentes

Decisões diferentes para o piso da Superliga



Continue Lendo

A relação estremecida entre Sesc/Bernardinho e Flamengo



Continue Lendo

Sim, podemos chamar Ana Cristina de fenômeno



Continue Lendo