O ouro bateu na trave no Pan



O Brasil teve 2 sets a 1, além de 12 a 6 no quarto set. A medalha de ouro no Pan-Americano esteve bem próxima, mas escapou no tie-break.

A Argentina, com sua força máxima, viu Luciano de Cecco e Facundo Conte, os dois astros desta geração, assumirem a responsabilidade, conseguindo uma virada que parecia impossível. Uma lição para alguns jogadores que já poderiam estar em um outro patamar no cenário internacional, como o oposto Renan e o ponta Maurício Borges.

Para eles, o Pan serve como uma sobrevida. O gigante de 2,17m até viveu bons momentos em Toronto, sendo o maior pontuador do time e tendo um aproveitamento superior a 50% no ataque. Seu problema atualmente é ter como concorrentes Wallace, Leandro Vissotto e Evandro. Difícil imaginar Renan furando essa fila até a Rio-2016.

No caso de Maurício, capitão da Seleção no Pan, a competição talvez sirva como recomeço. Ele é o jogador desta equipe com maior histórico recente na Seleção principal. Já viveu fases bem melhores e poderia ter um lugar cativo entre os pontas do time A, tendo em vista a atual carência do setor.

Por fim, uma menção honrosa para o momento de Thiago Brendle. O líbero tem jogo para brigar atualmente com Mário Júnior pelo posto de líbero reserva da Seleção A.

Entre os mais novos, o ponta Douglas é quem tem o maior potencial. Já teve uma chance no elenco principal na última Liga, mas precisa de rodagem. E digo isso também no cenário local, na Superliga. Ele precisa jogar. Só assim poderia se transformar em realidade, não apenas uma aposta de futuro.

 



MaisRecentes

Esperava um jogo tecnicamente melhor no Mineirinho



Continue Lendo

Reflexão sobre o momento da Seleção é necessária



Continue Lendo

O novo capítulo de uma relação conturbada entre Brait e Zé Roberto



Continue Lendo