O momento instável de Unilever e Banana Boat/Praia Clube



Os torcedores da Unilever e do Banana Boat/Praia Clube estão com a pulga atrás da orelha. O momento dos times na Superliga feminina não é dos mais favoráveis e novos tropeços poderão ser decisivos no emparceiramento para os playoffs.

Sem Fofão, as cariocas estiveram duas vezes atrás no placar e precisaram de cinco sets na vitória sobre o São Cristovão/São Caetano (27-29, 21-17, 13-21, 21-19 e 15-7). O pontinho perdido pelo triunfo no tie-break poderá fazer falta na briga com o Vôlei Amil pelo segundo lugar. Atualmente, as campineiras somam 44 pontos, três a mais do que as rivais diretas pela vice-liderança.

Um dos símbolos da instabilidade da Unilever na temporada, a sérvia Mihajlovic saiu do banco para ganhar o prêmio de melhor em quadra. A canadense Sarah Pavan, outra que está devendo uma sequência de boas atuações, liderou o time na pontuação (22).

Para voltar a sonhar mais alto, a equipe de Bernardinho precisará resolver seu problema na linha de passe, fazendo assim com que Fofão tenha a bola na mão, quando retornar da lesão na panturrilha, e possa imprimir um ritmo mais rápido nos ataques. Sem recepção e sem a levantadora, a Unilever vai penar.

Já o Banana Boat/Praia Clube não consegue, na prática, provar a força do seu elenco. Nesta terça, derrota em sets diretos diante do Barueri, parciais de 21-16, 22-20 e 21-18. Bela zebra, não?

Vi algumas partidas das mineiras pela TV, recentemente, e não gostei. E digo isso pois o time tem Herrera, Monique, Michelle, Glass e Mari como opções para ponta e saída de rede. Um luxo ao comparar com quase todos os adversários. O sentimento que tive é que nunca o conjunto consegue funcionar como um tudo. Um dia as levantadoras Juliana Carrijo e Camila Torquette estão abaixo da média, em certas rotações as ponteiras não rodam as bolas, em outras o meio é pouco utilizado, facilitando o bloqueio rival em outras posições da rede… Em resumo, não engrenou ainda como se esperava. Com 33 pontos, o Praia vê Sesi (31) e Brasília (30) no retrovisor. Se quiser ter mando de quadra, ao menos nas quartas de final, precisa abrir bem o olho.

O time paulista, por sua vez, respira na briga por um lugar no G8, em nono lugar, com a mesma pontuação do São Caetano, o oitavo. Talvez o inesperado triunfo possa ser o divisor de águas.

Mais dois registros importantes:

– Muito bom ver o time feminino do Minas com patrocínio novamente. O agora Decisão Engenharia/Minas terá fôlego e tranquilidade de já pensar na próxima temporada, já que a atual não tem mais como ser salva na Superliga. Um clube com a tradição do Minas Tênis Clube deve sempre almejar algo bem maior do que simplesmente participar de uma temporada.

– Louvável também a atuação do Rio do Sul/Equibrasil, na segunda-feira, na derrota para o invicto Molico/Osasco por 3 a 1, em Santa Catarina. Pouco gente poderia imaginar que a campanha perfeita das paulistas correria risco nesta partida. E ela correu. Quatro sets equilibrados, com a decisão podendo ir para qualquer lado. Se jogasse sempre assim, o time de Rogério Portela não seria o penúltimo colocado.



  • Iuri

    Eu acho que as pessoas esperam demais do Praia pelo elenco que o time tem apenas no papel. Não é pra ser assim. Herrera estava contundida até pouco tempo e voltou péssima e irregular pro time. Mari também estava contundida e está com cara de que precisa aposentar, não tem mais fogo, fôlego, mais nada ali. As gêmeas jamais vão carregar nenhum time nas costas, por limitações físicas mesmo. E a Glass, principal jogadora do time e a mais estável de todas, machucou 2x na temporada (vc desconsiderou que ela está fora há alguns jogos no seu post). A falta da Glass é a pior situação que o Praia poderia viver. Ela dá uma segurança absurda ao time, seja na rede ou no fundo. E mesmo sem ela o time venceu o Pinheiros, time oba-oba da temporada (que por sinal, também está devendo há muitas rodadas e ninguém comenta).
    Infelizmente, ao contrário do que a maioria pensa, eu acho que o elenco do Praia foi mal montado, com duas jogadoras lesionadas que só voltaram no decorrer da Superliga, totalmente sem ritmo, e que com as gêmeas de titulares absolutas (coisa que não deve ser feita). Pra próxima temporada, eu dispensaria Mari e Herrera e contrataria com o preço das duas uma outra ponteira no nível da Glass ou até melhor. É muito mais negócio pro time.

    • Aline

      Quero deixar registrado um protesto : a falta de respeito da torcida do RIODOSUL/EQUIBRASIL c/as As jogadoras do Molico/Nestlé, que foram extrememente ofendidas c/palavras de baixissimo calao, e se recusarem, por isso, a distribuir autógrafos aos torcedores do Rio do Sul/Equibrasil após o jogo.

      Sheilla, revoltada c/a barbarie promovida pela torcida, se manifestou pela internet: “- Aos torcedores educados do Rio do Sul desculpa por não termos parado pra dar autógrafo, mas foi uma decisão do nosso time inteiro pela falta de respeito de alguns xingando de vagabunda e por aí vai!!! Torcer pelo seu time ok desrespeitar e xingar o
      adversário não!!!”

      Alias, “VAGABUNDA” foi o xingamento mais leve de todos q elas receberam e que a sempre elegante Sheilla teve coragem de citar em seu protesto. Os selvagens berravam outros muito piores como: “ARROMBA…”,”FILHA-DA-P…”,”VAC…”, “CAD…”, PIR… entre outros…
      Agora p/q esse comportamento ridiculo, se o jogo estava tao bonito, c/as meninas do Riodosul fazendo frente as recem-Campeas Sulamericanas na bola?
      Infelizmente torcedores desse tipo fazem com q familias, idosos e criancas se afastem dos jogos
      Em relacao ao jogo gostei muito, estou achando essa edicao da Superliga a mais equilibrada q ja vi, mesmo o Molico sendo lider invicto, teve q suar muito p/vencer uma equipe q sequer esta na zona de classificacao. Vale lembrar tbem q o Maranhao venceu o SESI e o MINAS venceu a UNILEVER, prova de q se nao entrar concentrado qquer mostra q pode vencer.
      Que diferenca o segundo turno para SESI,BRASILIA,PINHEIROS e SAO CAETANO. Enquanto PINHEIROS e S.Caetano fizeram um primeiro turno excelente, no qual se mantinham numa boa posicao na tabela, no segundo turno foram atropelados pela ascensao meteorica de BRASILIA e SESI e foram jogados p/a SETIMA e OITAVA posicoes na tabela. Mas ainda tem o Barueri q vem na cola de S.Caetano e Pinheiros em busca de uma classificzcao p/as quartas-de-final.

      • Iuri

        Sheilla tem que dobrar muito a lingua dela antes de falar de qualquer torcida que seja. A torcida do proprio time dela, que ela tanto elogiou, é tão baixa quanto qualquer outra. Ja fui em jogos que o animador de torcida do Osasco teve que pedir pra torcida parar de xingar. Quanta hipocrisia!

        • O problema da Sheilla é o mesmo que acontece com as pessoas que começam a fazer sucesso em suas respectivas áreas e ficam mascaradas.Ela deveria voltar a ser mais discreta,falar menos e jogar mais,gostaria de sabe quanto recebem os baba ovo da globo para colocar esta atleta mediana ,pq pra mim a Jaqueline e Garay ainda são as melhores,no topo.Esta Sheilla 2014 ta um versão muito pior do que anteriores,q gente pensa que o casamento vai trazer coisas boas e mudar pra melhor no entanto no caso dela foi o contrário.

        • Roberto

          Perfeito comentário cara. Essa é falsa!

          • Eduardo

            Todo mundo sabe que o casamento é de fachada kkkkkkk. Ela é lésbica e está fazendo igual aos artistas da globo que arranjam um casamento falso por causa da imagem

      • Caco

        Infelizmente, vivemos em um país em que o povo (estou evidentemente generalizando) não segue a lei pelo bom convívio, mas para não sofrer as sanções que uma má atitude pode acarretar. É, por isso, que, quando as pessoas sentem que estão em algum lugar onde não serão punidas pelos seus atos, vemos esse tipo de manifestação ridícula muito comum em torcidas. As pessoas não pensam: “Estou desrespeitando um ser humano, que merece o nosso respeito seja no trabalho, em casa ou em qualquer lugar que seja”. Pensam: “Ninguém vai me punir mesmo!”
        Eu sei que um ou outro idiota existe em todo lugar, mesmo nos países mais educados. Porém, acho que o nosso povo precisa se desenvolver muito ainda nesse sentido. De outro lado, quando as pessoas vão somente para torcer, é muito difícil também encontrar um povo que tenha a vibração do nosso. No vôlei, talvez, apenas os poloneses. Tomara que a gente cresça nesse sentido.

      • Bia Ferreira

        A mesma torcida que já havia chamado a Daymi Ramirez temporada passada de negra de m****, mandado ela voltar para Cuba e etc, não é de se surpreender…

      • Rodrigo Costa

        Minas venceu a Unilever?

        Molico recém campeão sul-americano?

        Oii?

        Vc bebeu, cara?

        kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk.

  • Sandoval

    Momento instável do Praia, Daniel? O time vinha de oito vitórias CONSECUTIVAS. Perdeu um jogo e você fala em MOMENTO INSTÁVEL? Alto lá, meu caro…

    • Daniel Bortoletto

      Se acha que o time está jogando bem, ok. Não foi o que vi na Copa Brasil, na partida contra o Minas pela Superliga… vencer não quer dizer jogar bem e passar segurança pra mim

      • Eduardo

        tá instável sim. Vitórias no tie contra Pinheiros e Minas e agora derrota emblemática contra o Barueri.
        o elenco do Praia essa temporada era pra fazer o time jogar mais sim.

        • wms

          Não vejo a mesma instabilidade no Praia e no Rio mas, em ambos casos, sequências de vitórias não são convincentes e os elencos estão rendendo menos que o esperado pelas torcidas, arrancando vitórias teoricamente simples no sufoco e na base da estrela individual de algum inspirada no dia da partida. A diferença, pra mim, é que o retrospecto de regularidade tática e técnica do Praia em outras temporadas (bom passe, volume, paciência nos rallys…), colocou um favoritismo sobre o atual elenco que não está sendo respaldado nas atuações, não era esperado que a kim fizesse tanta falta como está fazendo num time com elenco tão promissor, por exemplo. Já o Rio parece que não sabe o que é passe há séculos, mas no decorrer das temporadas sempre tem uma levantadora craque-de-bola acelerando (forçando) uma bola com as meios de rede e uma oposta matadora pra ir levando o time como dá (porque se dependesse de Mari, Logan Tom e Mikailovic e suas atuações individuais…), fora a estrela do Bernardinho que brilha em momentos cruciais. Enfim, pra mim o Praia está instável porque o ataque não tem a regularidade esperada para essa temporada, e o Rio está instável porque o calcanhar de Aquiles chamado recepção permanece doendo.

  • WAGÃO e BERNARDINHO, CABEÇA DURAS

    1) A ponteira Gabi não está jogando nada faz tempo. Não pelo jogo de ontem que ela fez apenas 01 ponto de ataque, mais ela está péssima. E não dá para entender o motivo do Bernardinho não deixar ela no banco. Gabi nas atuais circunstâncias não tem condições de ser convocada para seleção. A Mihajlovic não pode ser banco da Unilever, mesmo não sendo uma exímia passadora. A Regiane, é jogadora-banco, só consegue fazer alguma coisa sendo reserva;
    2) O Wagão ficou louco colocando a levantadora Macris, a melhor levantadora segundo estatísticas da CBV, no banco;

    • Iuri

      Meu caro, se Gabi e Regiane não podem ser titular, Bernardo vai colocar Amanda pra jogar um jogo inteiro? Não tem como. Amanda é só pra fundo e quando a coisa aperta desesperadamente. não tem nível pra ser titular de nada.

      • rapha

        É tudo o que o time precisa, fundo de quadra. Ela não precisa receber uma bola no ataque se passar na mão (coisa que a Gabi não faz).

  • Igor

    Daniel concordo com voce,os dois times citados,Unilever e Praia Clube, são muito instaveis, não demonstram muita confiança. O Praia na minha opinião a culpa passa pelo tecnico que tem consciencia que o time só irá longe caso Mari volte a jogar bem mas ela precisa ser escalada como titular no lugar da michelle,que não esta jogando bem a tempos em muitos fundamentos até aqueles que é de sua obrigação no time como recepção.Já o Rio,todas as jogadoras estão mal na recepção e ataque e nos ultimos jogo ficou dependendo do ataque de pavan e juciely

  • carlos

    O meia mauricio,, fica falando de gays criticando novelas… falando de respeitoo.. e que nao deixa o filho dele ver essas coisas.. algo desse tipo,, e se o filho dele ver.. ele na net;;; fazendo coisas picantes pelados…que nem eu vi um video dele q uma pessoa,, gravou ele na webcam,,peladnho;;; o q será q eel vai falarpro filho ele???? avisem ele quem tem contato…BONITO É ISSO NE, FICAR SE MOSTRANDO NA WEBCAM BONITO
    É ISSO NÉ MAURICIO???????

    • Fernando Adilio

      O Maurício joga no Unilever?
      Fiquei confuso..
      rs

  • Cris

    Bom dia Daniel, ñ tenho acompanhado os jogos da superliga. Mas vi alguns e não entendo porque o Bernardinho continua contratando jogadoras que não dão estabilidade no passe e deixam o time no aperto a ponto de precisar da Amanda e da Regiane. Eu acho que essas jogadoras já tinha que sair das asas do Bernardinho e buscar seu espaço em outros times mesmo que sejam menores (pelo menos poderiam ser titulares). Fofão também deveria ter se aposentado no ano passado com o título da superliga, tem uma hora que o corpo não aguenta mais. Quanto ao Praia vejo um time sem equilíbrio e confiança, as levantadoras não passam segurança, não arriscam jogadas diferentes parece até que não treinam. Além disso pq o Spencer não coloca logo a Mari pra jogar um jogo inteiro? Me parece que ele quer garantir uma posição na superliga pra não corre o risco. Mas assim vai acabar deixando ela sem ritmo. O pior é que Glass se machucou e pode ficar sem ritmo pros playoffs e confiar só nas gêmeas é correr muito risco.

  • Mateus

    Em posts anteriores o Daniel comentou sobre a irregularidade dos times femininos. E como tem razão. Essa temporada deixa isso mais evidente que nunca. A maioria dos times tem uns apagões que são inexplicáveis. Enfim…

    Considerações:

    1) Sesi: de onde surgiu esse time? Até semanas atrás todos apontavam a demissão do técnico e tudo mais. Time não tinha padrão de jogo, um entra e sai danado, fora da zona de classificação. Resumindo, era um conglomerado de atletas para jogarem e nada mais. Veio 2014, a Copa Brasil, um time novo. Ivna vem se destacando nos últimos jogos. Muito bom pra Superliga. Tomara que consiga uma finalzinha esse ano, ao menos.

    2) Pinheiros: uma pena. Começou tão bem mas não aguentou o tranco. De eventual 3º colocado já aparece em 7º. Tomara que o time recupere-se para uma melhor classificação e possível vaga nas semi. Andreia faz uma temporada espetacular.

    3) Molico: 3 últimos jogos de certa forma preocupantes. Muitos erros estúpidos. Suou pra bater o S. Bernardo, Sanca e Rio do Sul. Vale destacar que mesmo jogando mal essas partidas, conseguiu somar 3 pontos em todas. Competência de campeão. O banco do time é meio preocupante, dá um pouco de medo. E também não consigo sentir muita confiança no Luizomar.

    4) Unilever: Bernardinho. O cara é uma mala chata, mas sempre consegue tirar o melhor do time, haja vista temporada passada quando bateu o Sollys na final. Corrigir o passe será meio caminho andado, já que poderio de ataque esse time tem e de sobra.

    5) Praia: mesma coisa de sempre. Como todos já comentaram os problemas do time, sabemos que não passará das quartas. Muito irregular.

    6) Amil: esse ano vem forte pra beliscar uma final. Só acho que até lá a Claudinha vai precisar de muita terapia, viu? Coitada, só falta chorar com tanto esporro que toma. Às vezes por sua culpa mesmo.

    7) Arbitragem: uma porcaria. Quando vão efetivar de vez o tira-teima? Cada erro cometido que dá até medo. Coisa esdrúxula mesmo.

    8) Duração das partidas: um balde de água fria na detentora dos direitos de transmissão. Reduziram os sets e mesmo assim os jogos estão ultrapassando as duas horas. Galvão (nem sei se era ele que estava no comando do programa segunda-feira) deve ter ficado louco com Rio do Sul x Molico…rsrsrs. E Olha que nem chegou ao 5º set.

    E Daniel, te parabenizar pelo blog. Acho bem bacana. Só gostaria que fizesse sempre a análise da rodada. Sei que nem sempre é possível, mas…

    Abraços!

    • Rodrigo

      Pro Praia ta faltando vergonha na cara, assim como o Sesi criou!! Unilever melhorou mto no ataque a servia e a Pavan ontem passando por cima do bloqueio, q por sinal estava ótimo o bloqueio do São Caetano dando aulas… É uma pena q o Rio esteja sem levantadora do nível da equipe, já o Amil falta calma pra Claudinha nos levantamentos, pois talento ela tem. Assim como tds os times a hora do Molico de instabilidade vai chegar!

      • wms

        Pensando na temporada passada, fica difícil não acreditar na sua “profecia”, Rodrigo. O Molico perdeu uma final com o melhor time possível em quadra e um ótima campanha, dá um medo de acontecer de novo, hehe.
        A Claudinha chega dar raiva em quem está assistindo, uma falta de frieza pra enxergar certas jogadas, uma sucessão de escolhas equivocadas… espero que ela aguente o rojão das cobranças do técnico, pois potencial não falta.

        • Rodrigo

          Ne?! Não adianta vencer todos e na hora decisiva perder! Não vejo vida facil pro Unilever e Molico, pois o Amil tirando o melhor da Claudinha no levantamento com o poder de definição que a equipe tem vai ser difícil segurar… o mesmo acontece com o Sesi, pois o q faltava pra equipe (definição) vai ter de sobra com a volta de Pri Daroit e Ju Costa. O Banana Boat esse ano esta aquem, decepção… quem sabe no próximo ano com as mesmas jogadoras sem lesão possa mostrar toda a sua força. Na minha humilde opinião, acho que esse ano a hegemonia do Unilever e do Molico acaba, sem descartar uma final “Amil x Sesi”, a galera ai pode me chamar de doido. Destacando também o Brasilia q ta jogando o fino, PP4 e Erika jogando mto! Esse ano a SL ta em um nível ótimo, até o times mais frágeis não estam entregando vitórias facilmente para os maiores, uma pena ir até 21pts!

  • Afonso RJ

    Ontem assisti ao jogo da Unilever e fiquei com a impressão que o Bernardinho ainda não conseguiu definir um time titular. Achei que o time fez progressos na recepção em relação a jogos anteriores, e olha que o S.Caetano tem a estatisticamente melhor sacadora da superliga (Thaisinha). Por outro lado, mesmo com a melhora relativa do passe, a Roberta fez um jogo bem abaixo da exibição anterior. Praticamente a partida inteira ela usou bolas espetadas nas pontas. Parecia que eu estava vendo um time europeu jogando. Daí o grande número de bloqueios no jogo. Foram poucas bolas de meio e menos ainda as pipes. A única variação um pouco mais frequente eram as chinas com a Jucieli. As atacantes cariocas ficaram muito marcadas e a central do S.Caetano, Mara (ex-Unilever) fez a festa, só ela com 7 pontos de bloqueio de um total de 15. Se não fosse o vigor físico da Mihajlovic (que começou no banco e acabou com o viva-volei!) ou a envergadura da Sarah Pavan, tenho certeza que a Unilever sairia derrotada.

    Por outro lado tenho que reconhecer o bom time do S.Caetano, que fez uma grande partida. Se não me engano, errou bem menos que a Unilever. Acho até que se não tivesse sentido a responsabilidade, quando se viu em condições de vencer o jogo no tie break, talvez tivesse dificultado ainda mais para a Unilever ou até, quem sabe, poderia ter saído com a vitória. Se continuar jogando assim, acho que dificilmente o S. Caetano deixa de estar entre os 8.

    Quanto ao futuro da Unilever, acho ainda uma incógnita. A continuar nesse nível, não creio que chegue à final. Mas se Gabi voltar a ser pelo menos parte do que foi ano passado, se o Bernardinho consguir acerrtar um pouco melhor a linha de passe e a Fofão jogar um pouco mais com o passe na mão e acelerar o jogo (é muito “se”, né?), vai ser difícil mas acho que ainda tem chance.

    • Jairo(RJ)

      Artur,
      Concordo com você. Nesse momento o Unilever não chega até a final. A instabilidade é gritante, ainda que pese o belo jogo do São Bernardo, que preferiu conquistar um ponto do que dois. Preocupante o desempenho da Roberta, espetando a bola e obrigando as ponteiras a se virar… Creio que as aulas das professoras Fernanda Venturini e Fofão ainda não foram assimiladas por ela; e levará tempo, como a própria Venturini disse uma vez: “a estabilidade de uma levantadora só chega depois dos trinta”.

  • Cadu

    Engraçado que via muita gente questionando o trabalho do Thomas nas seleções de base e pedindo um técnico como o Spencer, o cara pegou um time que não foi montado por ele, perdeu uma de suas principais jogadoras durante a competição (Cibele), completou o elenco com duas talentosas juvenis do Bradesco (Sonaly e Juma) e três atletas que a tempos não jogavam na quadra (Mari, Natasha e Luciana) e tem apresentado um nível de jogo razoável se você parar pensar que o time quase fica de fora da Superliga por causa dos problemas em Jacareí, já o Praia que tem um dos elencos mais equilibrados da SL…

    Daniel, a mídia anda publicando que o Giovane Gávio está tentando montar um time feminino em Itapetininga, alguns conhecidos meus que estiveram em um evento do SESC que ele esteve presente disseram que na verdade é um time masculino, o que até faria mais sentido, você sabe alguma coisa sobre isso?

    • Daniel Bortoletto

      ele confirmou após comentar jogo na Globo que esteve na cidade e apresentou o projeto. Está tentando montar mesmo

      • Walber

        Daniel,

        O que vc acha sobre a possivel convocação dos atletas de cuba que jogam fora do Pais, para o mundial.

        Eles vao atender? Que nivel vai ficar as equipes de Cuba?

        abs

        • Daniel Bortoletto

          acho ótimo. O time de Cuba completo briga por pódio em toda competição.
          espero que atendam

      • Paulo

        Não entendi, é masculino mesmo?

        • Daniel Bortoletto

          não tenho detalhes do projeto do Giovane, Paulo

  • Bernardo

    Interessante a vontade com que todos os times jogam contra o Molico, todos querem ganhar e jogam o seu melhor e mesmo assim não conseguem vencer, acho que pelo andar da carruagem a final da SL vai ser mesmo entre Molico e Amil os dois melhores times, creio em quartas de final mais equilibradas do que na temporada passada. O time que mais me surpreende é o Brasília, está jogando bem e pode aprontar muito nos play offs.

  • Paulo

    Me arrisco a dizer que essa é uma das melhores edições da Superliga feminina dos últimos tempos, diferente do que já vimos em temporadas passadas, não temos nenhum saco de pancadas apesar de ter times frágeis que apesar de tudo conseguem fazer jogos duros e tirar pontinhos dos grandes. Uma pena que na próxima edição o número de equipes será reduzido.

  • Caco

    A Thaísa é uma jogadora fundamental atualmente. Na minha opinião, o que afetou a performance de Osasco no último jogo, foi a entrada da levantadora reserva no lugar da Fabíola. Ela não conseguiu acionar a Thaísa adequadamente e o jogo de Osasco ficou manjado nas pontas. Só foi a Fabíola entrar no final do quarto set, voltar a jogar com a Thaísa frequentemente, que Osasco não teve mais nenhum problema no placar.
    O passe da Unilever está sofrível. Me lembra em muito a temporada 2011/2012, quando foi atropelado pelo Osasco na final. O que muda este ano, é que naquele não havia um time para fazer frente à hegemonia das duas equipes. Agora tem! Infelizmente, o nível da nossa Superliga está baixo este ano. Chega a ser triste ver alguns jogos. Espero que os times, especialmente os mais ricos, façam contratações mais inteligentes da próxima vez, mais conveniente à necessidade de seus times. Me parece que no voleibol, a função de olheiro precisa ser muito desenvolvida ainda. Existem várias jogadoras, espalhadas pelo mundo afora, que seriam mais baratas e mais eficientes do que algumas estrangeiras que estamos assistindo por aqui.

  • Guilherme

    Rio do Sul me surpreendeu! Poderia sim ter ganhado do Molico assim como o São Caetano do Unilever. Se a Samara e a Ellen melhorarem um pouco o passe, o Pinheiros deve ir longe, pois a Andréia e a Macris estão muito bem.
    O Sesi agora parece que vai deslanchar e vai melhorar ainda mais com a volta da Pri Daroit e da Ju Costa.
    O Praia Clube está aquém dos objetivos.
    Quem quiser ganhar do Molico tem que forçar o saque na Sanja que é insegura, desarmando a Fabiola com as bolas de meio.

  • DE fato há algo de errado com o time do Banana Boat,talvez contratações mal feitas..saída de jogadoras que estavam em pleno crescimento no clube(Angélica e Deyse)…Michelle não ta jogando nada e faz tempo e não tem ninguém pro lugar dela?Acho que falta bom senso e humildade pro técnico.A Glass foi a melhor contratação do Praia e ela jogaria em alto n´vel em qualquer seleção do mundo,como toda jogadora americana muito tática e técnica.Herrera voltou muito abaixo,Mari podemos dizer que ainda nem voltou…Monique talvez esteja carregando o time nas costas com a ausência da Galss e já vimos este filme no passo recente ,quando Herrera fez este papel ano passado.O praia perder pro AMIL tudo bem,mas perder de 3 a 0 aí ja ta muito estranho este time.

  • Rodrigo Brum

    Tenho uma visão um pouco diferente da sua, Daniel. Vendo as circunstancias em que o Praia se encontra, não é decepção nenhuma vê-lo instável. Para começar, a principal jogadora do clube, Herrera, acabou de voltar de lesão séria, e vai demorar um pouco ainda pra engrenar (já melhorou muito). Kim, uma segurança na ponta, encontra-se lesionada; não vejo na oposta Monique uma jogadora de decisão (em muitas partidas o jogo dela não encaixa); Michelle está longe de ser uma ponteira que faz a diferença; Mari não dá nem pra avaliar, pois praticamente não jogou, e sem jogar não entrará em forma (acho que o Spencer deveria arriscar e apostar tudo na recuperação da jogadora. Deixá-la jogar, errar, ficar livre em quadra). Enfim, acho que por esse quadro dá pra entender o motivo das baixas no Bana Boat. Mas acredito que o time vá entrar nos eixos.

  • Rodrigo Costa

    “Sem Fofão, as cariocas estiveram duas vezes atrás no placar e precisarão de cinco sets na vitória sobre o São Cristovão/São Caetano (27-29, 21-17, 13-21, 21-19 e 15-7).”

    PrecisarÃO?

    O jogo já aconteceu, logo, precisarAM…

    • Daniel Bortoletto

      sim, claro, óbvio

MaisRecentes

A dor de Gabi e de quem estava ao lado



Continue Lendo

Duas gratas surpresas na Superliga



Continue Lendo

Minas espera Hooker ainda em outubro



Continue Lendo