O momento do trio dos sonhos de Zé Roberto



José Roberto Guimarães não escondeu, durante todo o atual ciclo olímpico, a lamentação por utilizar tão pouco o trio formado por Tandara, Gabi e Natália.

No time idealizado na cabeça do treinador, as três formam parte importante da espinha dorsal da Seleção Brasileira, em busca de um passe mais seguro e da bola de segurança no ataque. Por diferentes problemas físicos de cada um nos últimos três anos, Tandara, Gabi e Natála foram vistas juntas apenas na Copa dos Campeões, em 2017, e no Pré-Olímpico, do ano passado.

A três meses do início da preparação para os Jogos Olímpicos, as três vivem um bom momento pelos respectivos clubes, aumentando a expectativas dos torcedores para a Tóquio-2020.

Na primeira temporada no exterior, no Vakifbank, da Turquia, Gabi tem se destacado no passe. Ela lidera as estatísticas de recepção na Champions League e no Campeonato Turco.

Na principal competição europeia, Gabi possui 56,16% de passes perfeitos nas quatro partidas disputadas. Já no Turco, após 14 rodadas, a brasileira ocupa o primeiro lugar com 63% de eficiência. As estatísticas na Turquia ainda apresentam um ranking, por posição, juntando os dados de passe, saque, bloqueio e ataque. Nele, Gabi ocupa o quarto lugar, atrás de Karakurt, Mihajlovic e Kim.

Adversária de Gabi pelo Eczacibasi, Natália aparece neste mesmo ranking consolidado das ponteiras do Campeonato Turco em 11º. Após quatro rodadas da Champions, a camisa 12 marcou 61 pontos, seis a menos do que Boskovic, companheira de time, e sete atrás de Egonu. Dois bons parâmetros, mesmo em posições diferentes.

Zé Roberto

Comemoração pela vaga olímpica com Tandara, Gabi, Natália e Macris (FIVB Divulgação)

Por fim, Tandara voltou para o Brasil após uma temporada para ser esquecida na China, onde sofreu uma grave lesão no tornozelo. No Sesc, teve outros pequenos problemas físicos, dificultando o ritmo de jogo. Até que na final da Copa Brasil, no sábado, em Jaraguá do Sul, ela bateu o recorde de pontos em competições da CBV, com 40 acertos. A melhor atuação nos últimos tempos fez oposto admitir que se sentia em dívida e arrancou elogios até de adversárias.

Na Superliga, Tandara tem a segunda melhor média de pontos marcados por set: 5,11, atrás apenas da azeri Polina Rahimova, com 5,35.

Bom momento do trio à parte, a comissão técnica da Seleção faz um monitoramento constante das condições físicas de Gabi, Natália e Tandara. A grande preocupação é tê-las saudáveis para o segundo semestre, para, enfim, ter em quadra o trio na busca pelo terceiro ouro olímpico.



MaisRecentes

Coluna: mercado já sente reflexos da crise mundial



Continue Lendo

Itambé/Minas planeja time “em volta” de Macris



Continue Lendo

Osasco Audax quer a volta de Tandara



Continue Lendo