O melhor venceu



O Molico/Osasco provou ser o melhor time do país na atualidade. O líder invicto da Superliga conquistou, neste sábado, a Copa Brasil feminina, ao vencer o Sesi por 3 a 1, no Ginásio Chico Neto, em Maringá.

Como a coluna Saque deste domingo será sobre o tema, vou levantar alguns tópicos aqui para discussão.

– A equipe de Luizomar de Moura está um degrau acima de todos os adversários no Brasil hoje. Hoje conseguiu até fazer uma jogadora do banco, no caso Gabi, aparecer como destaque. Uma das críticas ao time atual era ter uma base titular galáctica e um banco com poucas opções para mudar um jogo. Percepção que começa a mudar.

– Thaísa segue sendo a melhor jogadora brasileira em atividade. Dá para dizer até que é também a melhor do mundo. Para um país que nunca teve nas centrais seu grande triunfo, tal notícia é animadora para a Olimpíada de 2016.

– A criação da Copa Brasil é um dos pontos positivos da temporada no vôlei nacional. Logicamente, pode melhorar bastante. Mas estar no calendário é um avanço.

– Esperava mais gente no Chico Neto. Maringá lidera a média de público na Superliga masculina, o ginásio foi reformado… Para as próximas edições, vale repensar fazer masculino e feminino no mesmo local, vale estudar horários mais atrativos, valores de ingresso…

– Ter a TV aberta é fundamental para qualquer esporte. Certamente Nestlé e Fiesp estão satisfeitos com a exposição da marca hoje na Rede Globo. Mas ficou claríssimo na transmissão que o Brasil é um país quase monoesportivo. É por isso que Luiz Roberto precisa explicar o motivo de a líbero ter camisa diferente, por exemplo. E olha que estamos falando de regra com que já existe há décadas…

– Se a decisão fosse para o tie-break, a regra de 21 pontos não impediria que a grade da Globo fosse comprometida.

– Ainda me surpreendo com os apagões que acontecem no vôlei, principalmente em times femininos. Já toquei nesse tópico outras vezes e espero não ser chamado de machista. Mas é incrível como uma diferença de oito pontos pode ser aberta e logo depois desfeita.

– Por força do destino, a decisão não teve o ingrediente extra de valer vaga no Sul-Americano. Por a sede ser em Osasco, o Molico já estava garantido, fazendo com que o Sesi, mesmo sendo vice, também se classificasse.

– A saída de Osasco fez bem para Ivna. Como reserva de Sheilla, ela só jogava quando a titular estava na Seleção. No Sesi, ela ganhou espaço e certo protagonismo, algo que se esperava desde quando apareceu bem no Minas. Se diminuir os altos e baixos durante os jogos e se livrar as contusões, pode se firmar no cenário nacional.

– Como defendeu Camila Brait hoje!

– Como oscilaram as levantadoras! E incluo no pacote as semifinalistas Fofão e Claudinha também!

Bom, assuntos de sobra para vocês opinarem aqui



MaisRecentes

Evento na Polônia reúne craques históricos do vôlei



Continue Lendo

Um fim de semana para esquecer na Bulgária



Continue Lendo

Raridade: Brasil perde a segunda seguida por 3 a 0



Continue Lendo