O local da final da Superliga feminina



Tudo se encaminha para a definição da Arena HSBC, no Rio de Janeiro, como local da final da Superliga feminina, no próximo dia 26 (atenção, a data já havia mudado, saindo do dia 19), às 10h.

O anúncio deverá acontecer após a confirmação do segundo finalista (Molico/Osasco ou Sesi), permitindo as últimas tratativas da CBV com os responsáveis pelo ginásio.

Construída para o Pan de 2007 e repassada para a iniciativa privada na sequência, a Arena HSBC (ou Arena da Barra para quem não cita nome da empresa) também será usada na Rio-2016 (competições de ginástica) e passará por “obras de adequação” a partir do fim do ano. Segundo o site oficial, a instalação pode receber até 18 mil pessoas, tendo 13.268 lugares fixos.

O Rexona-Ades, já garantido na decisão e mandante por ter a melhor campanha, ainda não recebeu da CBV a confirmação da Arena HSBC como sede da final, me confirmou por telefone Harry Bollmann, supervisor do time. Ele aguarda o OK e o detalhamento da agenda de treinamentos no local. Vale lembrar que a Arena HSBC não costuma ser usada para jogos de vôlei e os times não tem “referências” do local, como gostam de dizer os levantadores.

O Maracanãzinho,  que será palco do vôlei na Olimpíada de 2016 e já recebeu outras finais e jogos importantes do Rexona em outras temporadas, era a opção mais óbvia para a final. Mas, na atual Superliga, o Rexona não atuou no local por não acertar os valores de aluguel com a concessionária que cuida do Complexo do Maracanã. E olha que o time chegou a ficar “desalojado”, no fim de 2014, quando o Ginásio do Tijuca foi interditado. Além disso, o Maracanãzinho está reservado no fim de semana do dia 26 para outro evento.

 



MaisRecentes

Giovane encaminha manutenção do vôlei carioca na Superliga



Continue Lendo

Basta! Nada justifica ameaças de morte



Continue Lendo

As duas formas de ver o novo Sesi



Continue Lendo