O jovem Minas vai mostrando a cara



Pelas beiradas e sem fazer alarde. Esse é o resumo do Minas no início da Superliga masculina. Três vitórias em quatro jogos, dez pontos somados e o terceiro lugar na classificação geral.

Neste fim de semana, o time dirigido por Nery Tambeiro conquistou mais três pontos de forma categórica, ao bater o Vôlei Renata, em Campinas, por 3 sets a 0, parciais de 25-21, 25-16 e 25-20. O cubano Bisset foi eleito o melhor em quadra após marcar 18 pontos (12 no ataque, três no saque e três no bloqueio). Foi o único na partida a atingir dois dígitos na pontuação.

Felipe Roque no ataque contra o Vôlei Renata (Divulgação)

Nas quatro primeiras rodadas, o Minas venceu, além de Campinas, dois confrontos regionais contra Juiz de Fora e Montes Claros (ambos por 3 a 1). A única derrota foi para o Corinthians, fora de casa, no tie-break. Está atrás apenas de Sada/Cruzeiro e Sesi e hoje pode ser ultrapassado pelo EMS/Taubaté, que enfrente o Lebes/Canoas.

É interessante pontuar o trabalho de Nery Tambeiro. Técnico das Seleções de base e com passado vencedor em várias categorias menores, ele tem um elenco recheado de jovens formados por clube. Alguns com uma certa rodagem na Superliga, caso dos centrais Petrus e Flavio. Outros ainda mais crus, mas nem por isso com menor potencial, como o oposto Felipe Roque, em sua segunda temporada, e o ponta Honorato, que subiu da base neste ano e vem sendo titular. Nery gosta de trabalhar assim. E o Minas tem esse DNA formador.

O toque de experiência na equipe titular é dado pelo levantador Marlon, campeão mundial com a Seleção em 2010 e em sua terceira passagem pelo Minas, e pelo ponteiro Bob, atualmente opção no banco. Marlon sabe bem a responsabilidade de ajudar no desenvolvimento dos jovens.

– Por meu histórico, tenho comprometimento e responsabilidade com essa equipe. Não só com o time principal, mas também com os garotos da base. Nos outros anos, não foi diferente. Minhas passagens sempre foram importantes para a base. Quero contribuir para que esses jogadores, de alguma maneira, me usem como espelho. Isso pode ser importante para eles, mas, com certeza, é muito mais para mim – disse no início da temporada.

Nas próximas quatro rodadas, o Minas vai encarar os quatro times mais fortes do país: Sesi, Taubaté, Sada/Cruzeiro e Sesc. Testes de fogo para os jovens e ótimos parâmetros para saber até onde esse time pode chegar.



MaisRecentes

Coluna: Minas e um dia histórico para o vôlei nacional



Continue Lendo

O tremendo desafio de Minas e Dentil/Praia Clube no Mundial



Continue Lendo

Coluna: Sinal de alerta com as chuvas no Brasil



Continue Lendo