O fim das hegemonias na Superliga?



Sada/Cruzeiro e Sesc (o antigo Rexona) manterão a hegemonia na Superliga? A pergunta do milhão volta a ser feita para a temporada 2017/2018.

E minha resposta, sem ficar em cima do muro, para um questionamento ótimo para se queimar a língua é: em tese as chances são menores do que nos últimos anos.

Iniciei a resposta com “em tese” pois os mineiros e as cariocas já demonstraram algumas vezes que planejamento, bons treinadores no banco e trabalho bem feito já superaram supertimes montados por rivais. É inegável, porém, que as mudanças pontuais nos elencos dos atuais campeões deixaram a distância menor em comparação com os principais rivais.

No Sesc, Bernardinho perdeu a central Carol, a ponta holandesa Buijs e não terá, por algum tempo, as selecionáveis Gabi e Juciely, que se recuperam de cirurgia. Com um orçamento menor, a reposição foi mais modesta. O time não terá estrangeiras e aposta no restante da espinha dorsal: Fabi, Roberta, Monique e Drussyla, um nome em ascensão.

Já a concorrência aumentou principalmente em Minas Gerais. Camponesa/Minas e Dentil/Praia Clube estão mais encorpados e parecem dispostos a acabar com o domínio carioca. O time do Triângulo investiu pesado na campeã olímpica Fernanda Garay e na americana Fawcett para dividir o protagonismo com Fabiana e finalmente conquistar o primeiro caneco nacional. Já a força do rival de BH está na manutenção de Hooker, Rosamaria, Gattaz, Léia & Cia. A principal mudança é o técnico italiano Stefano Lavarini. Ter vencido o Campeonato Mineiro depois de mais de uma década de jejum foi um ótimo cartão de visita.

Fecha a lista de candidatos ao título o modificado Vôlei Nestlé, sem Dani Lins, Camila Brait, Malesevic, Bjelica, apostando em Fabíola, Tássia, Mari Paraíba e a sérvia Ninkovic. Mas o segredo do sucesso está em Tandara, talvez no melhor momento da carreira.

No masculino, o Sada/Cruzeiro buscará o penta (de forma consecutiva) tendo o EMS/Taubaté como principal rival. A máquina de títulos comandada por Marcelo Mendez tentará mostrar, outra vez, como perder um pilar sem sofrer um abalo estrutural. Na temporada passada fez isso com louvor após a saída de Wallace. Terá de fazer o mesmo sem William. Responsabilidade para os experimentados Leal, Simon, Filipe e Serginho. Já os paulistas mantiveram os principais nomes (Wallace, Lucarelli e Rapha) e se reforçaram com dois estrangeiros de peso (Ivovic e Solé), além do líbero Thales, da Seleção, e o campeoníssimo Dante.

Em um segundo escalão aparecem os estreantes Sesc e Corinthians/Guarulhos, além dos reformulados Sesi e Vôlei Renata. Os quatro não aparecem neste texto em ordem de favoritismo. Possuem jogadores acostumados com decisões por clubes e Seleção, bons treinadores e nunca ficariam satisfeitos em perder para a dupla Cruzeiro e Taubaté nos playoffs, por mais que fossem azarões. Em resumo: espero a Superliga mais parelha dos últimos anos nos dois naipes.



  • Senhor Omar – Trágico

    Sada Cruzeiro vai passear novamente. rs

MaisRecentes

Seleção masculina terá logística complicada na Liga das Nações



Continue Lendo

Seleção feminina jogará em Barueri na Liga das Nações



Continue Lendo

Sábado dos visitantes na Superliga masculina



Continue Lendo