O eletrizante 3 a 2 da Seleção feminina no Pan



Para quem gosta de um jogo de vôlei com alternativas o duelo entre Brasil x Estados Unidos, que avançou pelo início desta madrugada, pelo encerramento da primeira fase do Pan de Toronto, foi um prato cheio.

A vitória por 3 a 2 garantiu o time comandado por José Roberto Guimarães nas semifinais, ao lado da República Dominicana. As americanas brigaram pelas últimas duas vagas restante na disputa por medalhas com Cuba, Argentina e Porto Rico.

Block brasileiro em Toronto (William Lucas/Divulgação CBV)

Block brasileiro em Toronto (William Lucas/Divulgação CBV)

Sem Jaqueline, poupada após sentir dores lombares, o Brasil começou o jogo com Mari Paraíba como titular, ao lado de Macris, Joycinha, Fernanda Garay, Adenízia, Angélica e Camila Brait. Mas quase todo o banco de reservas teve, em algum momento, participação importante na vitória. Mas destaco uma delas: Rosamaria.

Ela entrou em quadra para tentar resolver o maior problema da Seleção: a virada de bola. E, no começo, parecia que não conseguiria evitar a vitória americana, que chegou a ter 2 a 1 e um certo controle das ações. Mas, aos poucos, Rosamaria ganhou confiança, começou a pontuar em momentos importantes e foi crescendo. Mas o curioso é que o triunfo foi garantido, no tie-break, quando Zé Roberto tirou Rosa e Macris, invertendo o 5-1 com Ana Tiemi no saque e Joycinha na rede. A oposto, que vinha mal no jogo, marcou três pontos de bloqueio na reta final da última parcial, sendo decisiva para a vitória.

Vale ressaltar que a condição de reserva de Sheilla é a vaga “mais aberta” da Seleção atualmente. Com a gravidez de Tandara, o espaço está aberto. Joycinha vem sendo testada, mas ainda não convenceu. Monique vai atuar nas finais do Grand Prix, Natalia é uma opção caso Zé queira abrir espaço para mais uma ponteira na lista…

Destaco ainda a coragem que Macris vem conquistando no decorrer da campanha, a solidez de Mari Paraíba no passe e também a quantidade de defesas que o time fez durante o jogo, principalmente com Camila Brait. Barbara foi outro que entrou bem no jogo no block, mas deixou a desejar no ataque.

No geral, a jogadora mais regular do time no Pan vem sendo a central Adenízia, com 19 pontos. Ela já havia sido a maior pontuadora também na estreia contra Porto Rico. Atuações que só provam que Zé Roberto terá dor de cabeça boa para definir as centrais que jogarão a Olimpíada, visto que Fabiana e Thaisa são incontestáveis, enquanto Carol e Juciely vêm se destacando no Grand Prix.



MaisRecentes

Quem fica com as últimas vagas na Superliga masculina?



Continue Lendo

Giovane encaminha manutenção do vôlei carioca na Superliga



Continue Lendo

Basta! Nada justifica ameaças de morte



Continue Lendo