O Brasil não foi Brasil



Decepcionante. Assim resumo a atuação da Seleção Brasileira feminina na abertura da Copa do Mundo.

Cito algumas coisas que me chamaram a atenção na derrota por 3 a 1 para as americanas.

– “Nosso ataque está ridículo”, gritou Zé Roberto em um dos pedidos de tempo ainda no primeiro set. E, por mais que tenha melhorado o nível no segundo set, um dos principais fundamentos do time estava abaixo da crítica e o desabafo do técnico faz todo sentido. Sheilla errou demais, Paula e Garay perderam vários contra-ataques, o meio foi pouco acionado. Ou seja: pouco se salvou.

– Nenhum ace e tranquilidade quase total das passadoras americanas durante o jogo. O saque brasileiro não fez efeito e permitiu que a baixinha/gordinha/porém esforçada Berg tivesse o passe na mão para distribuir o jogo e quebrar o bloqueio da Seleção.

– A falta de vibração do time me deu vontade de desligar a TV várias vezes. Uma apatia inexplicável para um jogo que todos sabiam ser decisivo em um torneio de pontos corridos. Faltou sangue nos olhos, faltou alguém que chacoalhasse o time nos momentos ruins, faltou vontade de vencer.

– Desconcentração. Problema antigo, que voltou com força. Um ponto contestável marcado a favor das americanas, que poderia levar o Brasil a 23 a 20 no terceiro set, marcou a derrocada do Brasil. A partir dali, o foco se perdeu e erros bobos se acumularam. Fabiana, a capitã do time, colocou um saque na rede no set point. Erro primário. Não à toa, o jogo terminou com outro saque errado, sem forçar, de Garay.

– Zé Roberto deveria ter tentado mexer mais cedo. Somente no quarto set tentou mudar com Fabíola e Mari. Valia ter apostado em Tandara no lugar de Sheilla e ter antecipado a entrada de Juciely, que entrou com o jogo já perdido.

Por fim, para não deixar de apontar algo de bom, Fabi gerou vários contra-ataques com defesas que costumava fazer com maior frequência e não vinha mais fazendo. Que mantenha a constância!



MaisRecentes

Vaivém: “Livre”, Thaisa seguirá atuando no Brasil



Continue Lendo

Jaqueline chega ao Japão para substituir Drussyla



Continue Lendo

Vaivém: Abouba espera aproveitar chance da vida no EMS/Taubaté



Continue Lendo