O bom e o ruim de Funvic/Taubaté x Brasil Kirin



Gostaria de falar aqui apenas sobre o lado técnico, tático ou emocional da abertura da semifinal da Superliga masculina. Mas um “detalhe” me impedirá.

O jogo entre Funvic/Taubaté e Brasil Kirin começou com atraso de 30 minutos. Motivo: um pequeno incêndio em uma das luminárias do Ginásio do Abaeté, em Taubaté.

O público foi corretamente impedido de entrar no local até que a situação estivesse resolvida. Segurança em primeiro lugar. Básico. Mas é preciso ligar o sinal amarelo sobre a situação.

Já havia acontecido em outro jogo desta temporada, em São Caetano do Sul, algo parecido. A repetição obrigará a CBV a aumentar a rigidez com os clubes neste quesito de manutenção dos ginásios para a próxima edição da Superliga. Forçar novas vistorias do Corpo de Bombeiros, cobrar mais laudos para liberação do espaço para utilização, sei lá. Redobrar a atenção é o mínimo que se espera para evitar novos casos assim.

Lipe foi o maior pontuador do jogo (Bruno Miani/Divulgação)

Lipe foi o maior pontuador do jogo (Bruno Miani/Divulgação)

Sobre o jogo, os donos da casa comprovaram a superioridade nos dois sets iniciais. Foram dominantes e pareciam para caminhar para um 3 a 0. O Brasil Kirin ainda perdeu Lucas Loh, com uma torção de tornozelo (notícia que preocupa para o jogo da próxima semana, no Taquaral). Mas ainda conseguiu esboçar uma reação, vencendo a terceira parcial. Não o suficiente.

Para os donos da casa, a boa notícia foi a atuação de Lipe. O ponta ainda não tinha feito um jogo consistente desde que operou os joelhos, no fim de 2015. Nos últimos jogos foi substituído várias vezes por Japa. Neste sábado, marcou 19 pontos, foi o melhor do Taubaté no bloqueio e ainda com bom aproveitamento no passe.

 



MaisRecentes

Seleções disputarão amistosos pelo país antes dos Mundiais



Continue Lendo

O adeus do genial genioso Ricardinho



Continue Lendo

Fernanda Tomé é novidade em nova lista para o Mundial



Continue Lendo