O bipolar Brasil no Grand Prix



“Agora embalou”; “A vitória sobre a Sérvia mostrou o Brasil de verdade”; “Ninguém segura daqui para frente”.

Aqueles comentários otimistas após o 3 a 0 sobre a Sérvia foram precoces demais. Nesta madrugada, a Seleção feminina foi surpreendida pela Tailândia, caindo em sets diretos em Sendai (JAP), parciais de 25-22, 25-21 e 29-27. Zebra daquelas no Grand Prix.

Além de errar demais (20 pontos dados de graça para as asiáticas), o Brasil teve muitas dificuldades para pontuar no ataque. José Roberto Guimarães chegou a trocar Tandara, Natália e Rosamaria por Drussyla, Amanda e Monique. Mas nem assim a bola caía no forte sistema defensivo tailandês. O Brasil foi perdendo a paciência e mostrando uma preocupante instabilidade.

Bia no ataque contra a Tailândia (FIVB Divulgação)

Bia no ataque contra a Tailândia (FIVB Divulgação)

Tandara terminou a partida com 16 pontos, à frente de Drussyla (9), Adenízia e Natália (8). Rosamaria, titular no primeiro e segundo sets, fez apenas dois.

O resultado inesperado deixa a classificação do GP bem embolada. Sérvia e Estados Unidos lideram com quatro vitórias (12 pontos). A Holanda, com três triunfos, tem 10 pontos. O Brasil aparece em quarto, empatado com a China, também com três vitórias e oito pontos. Itália e Japão, outras seleções com três resultados positivos, têm sete pontos.

O jogo com as donas da casa, na próxima madrugada, passa a ser bem decisivo para a Seleção. Para a classificação e para a auto-estima.



MaisRecentes

Coluna: Minas e um dia histórico para o vôlei nacional



Continue Lendo

O tremendo desafio de Minas e Dentil/Praia Clube no Mundial



Continue Lendo

Coluna: Sinal de alerta com as chuvas no Brasil



Continue Lendo