Nunca duvide do Rexona



O título deste post talvez seja a forma genérica, porém, mais precisa, para definir o time do Rexona-Sesc.

O time carioca mostrou muita força (técnica e mental) na noite de ontem, em Belo Horizonte, para superar um ginásio lotado e o Camponesa/Minas por 3 a 1 para forçar a realização do quinto duelo para a definição do segundo finalista da Superliga feminina.

Os dois primeiros sets foram completamente incompatíveis com uma semifinal deste porte. Muitos méritos do Rexona e quase um completo apagão do Minas. O 25 a 12 que abriu a partida parecia um duelo colegial. Erros infantis do time mandante, que não conseguia controlar os nervos, forjaram um atropelamento sem precedentes. Quando o placar apontou 12 a 1 era difícil acreditar no que se passava. E já ficava claro ali que a mudança feita por Bernardinho (Drussyla como titular na vaga de Anne Buijs) dava resultado.

Paulo Coco fez troca de várias peças, mas a performance do time, principalmente no ataque, não melhorava. Hooker, a bola de segurança de Naiane e depois Karine, não mostrava a eficiência de outros jogos. Enquanto isso Gabi e Drussyla não perdoavam. Na metade da parcial, o 14 a 7 já mostrava que a situação era praticamente irreversível. E foi. 25 a 18.

Com o a 2 no placar, em casa, o Minas relaxou. E começou a mostrar o vôlei que o fez chegar até a beira da decisão da Superliga. Jaqueline, com boa performance na defesa, acendeu o time. Hooker e Rosamaria começaram a virar bolas. O ginásio lotado incendiou e o jogo entrou no ritmo que se esperava no início: ponto cá, ponto lá. O 29 a 27 deu às donas da casa esperança de uma virada. O quarto set seguiu com o mesmo panorama até o 20º ponto. Ali apareceram boas defesas de Fabi e ataques certeiros de Gabi. O Rexona conseguiu abrir boa frente, suportou uma pequena reação mineira com Hooker no saque, até fechar em 25 a 23, em um rally de perder o fôlego. Drussyla ganhou, merecidamente, o troféu de melhor da partida.

O quinto e decisivo jogo será na sexta, às 20h, na Jeunesse Arena, no Rio. Imprevisível, já que nesta série quem jogou fora de casa venceu.



MaisRecentes

Tabela dos playoffs do Paulista masculino



Continue Lendo

Sorteio coloca EUA e Rússia no caminho do Brasil



Continue Lendo

Mundial masculino agora só com peixe graúdo



Continue Lendo