Números e repercussão da classificação brasileira



O triunfo por 3 a 0 sobre a Alemanha confirmou a classificação do Brasil para as finais do Grand Prix, com uma etapa de antecedência.

Além disso, o time assumiu a liderança geral da competição, ultrapassando a China nos critérios de desempate. Ambos somam 18 pontos, com 100% de aproveitamento até aqui. Os Estados Unidos, que receberão a fase final e assim já estavam classificados, está em terceiro, com 17, após perder um pontinho no triunfo no tie-break sobre a Sérvia hoje.

Vou misturar neste post números do confronto e opiniões de algumas protagonistas:

– 20 pontos fez Brinker, a maior pontuadora do confronto.

– 11 pontos de ataque fez Joycinha, em sua melhor partida neste fundamento no fim de semana.

“Não tive uma atuação boa  no sábado, mas o Zé conversou comigo, me incentivou e acredito que hoje pude ajudar a equipe, que é o principal. Eu estou me adaptando a um estilo de bola diferente. Nosso jogo é mais acelerado, com bolas rápidas, e eu costumo preferir bolas altas. Então tive esse momento de adaptação. Conversei com a Dani e falei para colocar a bola um pouquinho mais alta”, revelou Joycinha.

– 3 jogadoras brasileiras marcaram quatro pontos cada no bloqueio: Jaqueline, Juciely e Barbara. Elas somaram 12 dos 15 pontos do time.

“Ainda estou abaixo das meninas na parte física, por ter ficado parada para me cuidar (princípio de pneumonia) Tenho treinado bastante e o confronto contra a Alemanha foi bom para ganhar um pouco mais de ritmo de jogo”, comentou Jaqueline.

– 6 pontos de block marcou a alemã Silge, metade do total alemão.

– 20% de aproveitamento apenas teve Camila Brait no passe, segundo os dados da FIVB. Números bem abaixo da média de uma líbero. Jaqueline, a melhor do confronto neste fundamento, teve quase 75% de perfeição.

“Ainda precisamos melhorar nossa parte defensiva. A Alemanha sacou muito bem e tivemos que ajustar o nosso passe ao longo do jogo”, disse José Roberto Guimarães.



  • Mister Volêi

    O passe da Camila Brait quase acabou com o Brasil, isso já vem acontecendo há vários jogos! É bom o ZRG começar a ficar de olho nisso!

  • albertho

    Ótima noticia Daniel.Estava aqui fazendo as contas rsrs. Agora a seleção poderá jogar mais tranquila e as jogadoras poderão ser testadas sem tanta pressão. estou torcendo em especial pela Ivna e a Suelle. A Ivna fez uma semifinal espetacular pelo Osasco, espero que ela consiga repetir aquela atuação nos próximos jogos.

  • Cauã

    E a central sensação da equipe? Só foi enfrentar uma seleção mais alta que sumiu do jogo, imagina quando pega uma seleção alta e talentosa.

    • Jairo(RJ)

      Não sei se vi o mesmo jogo, mas com os “abacaxis” de recepção a Dani quase não jogou pelo meio.

      Camila Brait deve aproveitar a viagem para a Itália para repensar essa partida.

      Então, se a principal passadora responde com aproveitamento de 20%, temos joo fluindo como deveria?

      • Cauã

        A Brait também foi culpada por ela não bloquear nada?

        • Roberto

          Dani Lins voltando a velha forma de Pani Lins, Brait medíocre, Fernanda Garay é a ponteira de força mais fracote que eu já vi, Joyce só tem altura, Gabi falta altura e ZRG cada vez mais azedo. Há, e quase que eu vinha me esquecendo, Jaqueline quinou passe e levou dois tocassos no final do terceiro set. Imagina quando pegar uma seleção alta e talentosa.

          • Marco Fritas – Comentarista

            Concordando com quase tudo, menos da Joycinha e da Jaqueline, mas opinião é opinião e deve ser respeitada. Eu completaria também com algo que muitos esqueceram de comentar, Suelle, Natalia, Sassá, Ivna, Monique, Mara e Ellen, mal viram a cor da bola, pior ainda no caso de Suelle, Ivna, Mara, Ellen, que não conseguiram sentir o gostinho da pressão de um Grand Prix. Jogar mes passado amistoso contra o Japão, não vale absolutamente nada como teste. Agora elas serão jogadas na arena cheia de leões. A culpa será toda da comissão técnica, que ficou mais preocupada em não fazer feio na primeira fase do Grand Prix, do que dar ritmo de jogo e deixar as jogadoras acostumarem com o torneio.

  • douglas

    Daniel procuro essas estatística no site da fivb mais nunca encontro ,onde está?

    • Daniel Bortoletto

      clique sempre no placar do jogo e lá vai aparecer várias opções de conteúdo

  • Billy

    Assisti um pouco de Brasil e Alemanha pela BAND.O Marcelo Negrão comenta muito bem,já a Virna…como comete GAFES nos seus comentários.Eu mesmo percebi várias.Alguém também notou isso da parte dela!??

  • Bernardo

    Já estou começando a rezar em memória do passe nos próximos jogos do GP. Com Gabi, Sassá e Natália a coisa vai ficar bem feia. Espero que o ZRG utilize a Suelle, se não vai ficar complicado. Agora o Brasil começa a ser testado com Rússia e Itália veremos até onde podemos ir. Palpite: CHINA campeã do GP.

    • Fernando

      Sim, a fase final será o verdadeiro teste para o Brasil em todos os sentidos, será a fase onde enfrentaremos China, EUA, Russia e Itália.

    • Marco Fritas – Comentarista

      Se a China ganhar, pra mim será uma surpresa. Pela renovação que fez ha pouco tempo, ainda falta experiencia pra segurar a pressão nas finais. Esse time estará em seu ápice nas Olimpiadas ou depois. Não descartaria os Estados Unidos.

  • Michel Pereira de Oliveira

    Garay, Gabi, Natália… até quando teremos que contar com ponteiras-PASSADORAS que não conseguem nem mesmo um passe B negativo?
    Garay está em uma descendente sem igual, só o ZRG não enxerga: ataque de força sempre na diagonal, passe pífio, pingadas dignas de cobertura com olhos vendados… depois que deixou de ser ‘novidade’ na seleção, o voleibol dela sumiu.
    Neste final de semana Gabi esteve com um movimento de ataque completamente equivocado. A biomecânica das ações de ataque além de estar errada, não pontuava, além de ser visualmente muito feia.
    Natália pós-cirurgia só vingou nas mãos do Bernardinho. ZRG devia desistir de vez dessa insistência em tentar convertê-la em passadora. Se tivesse mantido-a como oposta, tal qual em 2009, teríamos hoje uma oposta matadora e em altíssimo nível.
    Brait tem que rever seus conceitos; acho que a titularidade absoluta na seleção está sendo desfavorável a ela.
    Jaqueline mitou. Simplesmente arrumou a casa, colocou os afrontes de Kozuch no bolso, foi a melhor em quadra e escancarou pra todos a triste realidade de que ainda nos faltam outras ponteiras efetivamente PASSADORAS (ressalvadas neste grupo, além da própria, Suelle e Mari Paraíba).

    • Daniel

      Concordo com você em relação a Gabi. Ainda não consegui desde a fase de classificação da Superliga, ve-la atacar uma bola limpa.

    • Fernando

      Concordo plenamente, Garay vem caindo de rendimento, repetindo a estória da Mari e PP4. A única que se salva e vem sendo regular é a Jaqueline.

      A Natália dispensa comentários, é turista na seleção, e já tem vaga garantida nas olimpíadas.

      Mari Paraíba e Suelle, talvez para 2020 sobre alguma vaga para elas.

  • andre

    Quem é Natalia ? Gabi e garay perto da jaqueline????? Cara mari Paraíba Suelle até a pri daroit e a tandara como ponteira são melhores q a Natália fala sério que insistência do zr

    • Pauio Pequeno 0,4

      Andre nessa voce viajou legal. Certissimo que Mari Paraiba e Suelle passam a bola 1000 vezes melhor que a Natalia, porem essas duas sao passadoras e nao definidoras, elas sao iguais a Jaqueline. Quanto a Pri Daroit e Tandara, nossa a Tandara consegue passar pior que a Natalia e a Pri Daroit tem a mesma qualidade no passe que a Natalia, isto e, nada.

  • Patricia

    O ZR está dando sopa pro azar, até quando a Garay será titular? ela já teve seu auge em 2012/2013, foi útil mas agora não é a mesma jogadora e nem voltará a ser até porque não é nenhuma craque. O mundo inteiro sabe que a Garay é o ponto fraco da seleção, é péssima na recepção, já está com quase 30anos, essa não melhora mais não. E quando é substituída o alvo é a Brait que é tão ruim quanto a outra na recepção, basta um time com um saque mais forte e adeus kkkkkkk E nem vou falar das largadinhas ridículas da Garay.
    Outra coisa que me chama muito a atenção é o ataque da Gabi, ela tem um movimento de braço que torna o seu ataque previsível, fica fácil do bloqueio fazer a leitura do ataque e bloquear, pelo menos é essa a impressão que tenho. Ela deveria observar atacantes como Ebata, Onuma,… e ver que elas, mesmo baixinhas, se viram muito bem contra bloqueios altos, usando a habilidade e inteligência na hora de atacar.
    E finalmente a Joyce resolveu aparecer kkkkkk

    • Fernando

      Sim, o Brasil sofre contra a Turquia e EUA, pois,elas forçam o jogo em cima da Garay e Brait, e se tiver a Natália em quadra é uma festa só. Está na hora de por a MP e Suelle para ver se dá algum efeito. Nossa seleção é conhecida por jogar com as centrais. Já vimos e já sabemos que os jogos cuja as centrais não são acionadas é osso duro por Brasil.

    • Pauio Pequeno 0,4

      Caramba Pati, to impressionado com seu comentario! Seria voce a Patricia Coco que jogou anos atras? Pelo jeito que fala é do ramo!

      • Patricia

        kkkkkkkkkkkkk não tenho idéia de quem é a tal Patricia Coco, por causa dos estudos só comecei a acompanhar volei após a olimpíadas de Londres, mas, assisti aos vídeos e foi especificamente o vídeo do jogo contra a Rússia que me fez começar a acompanhar volei, sou muito observadora, mas, não sou dona da verdade, é apenas opinião.

  • Fernando

    Dados do jogo tirados do site da FIVB:
    Ataque =Jaqueline com 50% de aproveitando de ataque e Joycinha 42,3%, enquanto Gabi 23,81%

    Recepção= Jaqueline 76% e Brait 20%, Gabi 33%.

  • Fernando

    Ao meu ver, o Brasil tinha que joga com os pares (Suelle ou Mari Paraiba) e (Gabi, Natália e Garay).

    Deixar Garay, Gabi ou Natália juntas em quadra é um risco enorme, pois o passe é sofrível, anula as Centrais e a Oposta só recebe jacas frutos dos passes C,D,E. E além do passe comprometido, elas não conta do recado. A Gabi tem dificuldades contra times altos, a Garay oscila e é instável, e a Natália é sempre a mesma coisa, é ruim contra todos os tipos de time, jogadora de superliga.

    • Pauio Pequeno 0,4

      Jaque, Mari P e Suelle nao podem jogar juntas, concordo. Elas sao passadoras e nao definidoras e nunca serao. Gabi, Garay e Natalia tambem nao podem jogar juntas e o Ze Ruela tentou, tentou, tentou encaixar a Gabi com Garay e viu no que deu desde o 1o jogo, passe horrivel. O ideal vc acertou, colocar uma ponteira passadora, pra pelo menos dividir com a libero a quadra e uma ponteira definidora, pra qdo o passe nao sair dividir com a oposta a responsabilidade de virar a bola.

      • Zelirbem

        Nunca serão?
        Jaque já provou que pode definir jogo decisivo (Final Olímpica em Londres 2012)
        e pode carregar um time inteiro nas costas (Camponesa/Minas na última Superliga, onde inclusive atuou ao lado da Mari Paraíba)

        • Paulo Pequeno 0,4

          Pode ate atacar umas bolas, mas aquela decisiva que não pode errar, essa não é pra ela não. Bom vc fala do Camponesa Minas que ela carregou até a fase decisiva, mas chegou na melhor de 3 contra o Rexona e não conseguiu ser aquela ponteira decisiva, se tiver duvida reveja os jogos.

  • Não entendo a Gabi na seleção!! Se tivesse altura até vai mas não tem. Acho engraçado ela ataca 5 bolas toma bloqueio em 4 e quando acerta um ataque, os comentarista fazem uma festa.
    Até concordo que a Carol e a Juciele jogam muito, mas e só pegar uma seleção alta elas não consegue render. Imagina o jogo com a Russia na Olimpiadas.
    Deveriam dar rodagem as atacante de meio com 1,90 de altura.

  • Alexandre

    Quantos comentários exagerados! A Gabi, na seleção que está jogando, é a mehor passadora, a Juciely está atacando e bloqueando muito bem, a Carol saca demais. A única coisa que não entendi foi colocar a Sassá para estrear na seleção com líber sem ter jogado assim por nenhum clube antes. muito estranho! Já vi que a Gabi vai sofrer na fase final do Gran Prix. Alguém percebeu como a Adenisia está jogando abaixo das outras centrais? Tomou tocos e mais tocos, lenta para atacar, e nem o bloqueio dela está funcionando, muito fraca. Gostei da Barbara, não recebe nenhuma bola para atacar, mas é linda e fica feliz quando alguma coisa da certo.

  • Alexandre

    Quantos comentários exagerados! A Gabi, na seleção que está jogando, é a mehor passadora, a Juciely está atacando e bloqueando muito bem, a Carol saca demais. A única coisa que não entendi foi colocar a Sassá para estrear na seleção como líbero sem ter jogado assim por nenhum clube antes. muito estranho! Já vi que a Gabi vai sofrer na fase final do Gran Prix. Alguém percebeu como a Adenisia está jogando abaixo das outras centrais? Tomou tocos e mais tocos, lenta para atacar, e nem o bloqueio dela está funcionando, muito fraca. Gostei da Barbara, não recebe nenhuma bola para atacar, mas é linda e fica feliz quando alguma coisa da certo.

    • Pauio Pequeno 0,4

      Cara sua ultima frase valeu pela materia, parabens! Adenizia ficou sem jogar desde que acabou a superliga. No amistoso contra o JP nem entrou, nao me lembro de ter visto ela. No Grand Prix nao conseguiu sair do chiqueirinho nem pra tomar agua. Dai o Ze Ruela vai e coloca ela pra todos tirarem o sarro dela falando um monte, mas esquecem que ela nao esta tendo a mesma sequencia que Carol e Juciely estao tendo. Da Barbara voce arrasou no comentario! Ela lembra jogadora americana ou Russa.

      • Alexandre

        Paulo Pequeno, a Barbara e Adenisia serão titulares no Pan. Certamente, elas ficarão muito felizes quando a Fe Garay ou a Jaqueline atacarem uma bola, porque elas não vão receber nenhuma. O jogo será todo em cima da Garay e da Jaque. No final dos jogos elas darão entrevistas dizendo que estão vivendo um sonho em defender a seleção.

MaisRecentes

O novo conceito da FIVB para 2018



Continue Lendo

Apenas Lebes/Canoas faz o dever de casa na rodada



Continue Lendo

Um líder por pontos ganhos. Outro por pontos perdidos



Continue Lendo