Números e comentários após a vitória brasileira



A Seleção tratou o 3 a 0 sobre a Bulgária como uma atuação exemplar. Pelo menos as declarações dos atletas após o jogo deixaram essa posição clara.

E concordo com eles, levando em consideração o primeiro e segundo sets. No terceiro, a concentração caiu, os erros aumentaram e foi preciso uma grande ajuda de Rapha e Vissotto, na inversão do 5-1, para evitar que a partida ganhasse mais uma parcial.

Observando os números, destaco a superioridade brasileira no ataque (foram 41 pontos, contra 26 dos búlgaros). Mais do que isso: Wallace e Lucarelli, os homens da bola de segurança, tiveram 50% ou mais de aproveitamento no fundamento.  Fundamental ter números altos não apenas com os centrais no ataque, principalmente quando o rival for da escola europeia: alto e forte. O oposto anotou 14 pontos, um a mais do que o ponta.

LUCÃO: “Conseguimos efetuar todos os fundamentos bem. Atacamos bem, conseguimos aproveitar os contra-ataques, sacamos com eficiência e o bloqueio amorteceu muitas bolas”.

MURILO: “Hoje, a tática funcionou muito bem. Tentamos manter o nosso ritmo, pressionando o tempo todo porque sabíamos que não poderíamos dar chances ao time deles”.

WALLACE: “Todos os dias poderiam ser como hoje, quando tudo deu certo para o nosso time. Isso parte muito do nosso foco, da nossa concentração e, assim, as coisas fluem um pouco mais fácil”.



MaisRecentes

O novo conceito da FIVB para 2018



Continue Lendo

Apenas Lebes/Canoas faz o dever de casa na rodada



Continue Lendo

Um líder por pontos ganhos. Outro por pontos perdidos



Continue Lendo