Noite com 11 sets de vôlei em duas finais



11 sets. Foram mais de cinco horas ininterruptas de vôlei. E de alto nível! Quem ficou ligado no SporTV2 na noite desta sexta-feira não teve do que reclamar.

Em Osasco, o Vôlei Nestlé conquistou o hexacampeonato paulista ao superar o Hinode/Barueri apenas no golden set. Perdeu o jogo por 3 sets a 2 (26-24, 25-23, 23-25, 22-25 e 15-12) e sofreu para confirmar o favoritismo na parcial extra e fazer a festa da torcida no José Liberatti. O suado 25 a 23 teve contornos de filme de terror para a torcida da casa, após a diferença de 23 a 18 se transformar em igualdade. O valente time de José Roberto Guimarães teve o contra-ataque para conquistar o match point, mas sucumbiu. Mesmo sem Naiane parecia outra equipe na comparação com o primeiro duelo do playoff. Viu Tandara chamar a responsabilidade para definir o título.

323869_740178_jpf_4501_web_

Em Fortaleza, o Sesc conquistou a Supercopa após bater o Camponesa/Minas no tie-break, com parciais não tão apertadas como a decisão de São Paulo: 21-25, 25-22, 25-19, 19-25 e 15-10. Faltou para ambos regularidade. Sobrou para ambos vontade. Foram vários rallies espetaculares, com defesas de altíssimo nível de dificuldade. Fabi e Léia deram uma aula. Futuros líberos, acham o vídeo-tape desta final e revejam quantas vezes puderem. Uma aula prática de como ser gigante na função.

Block carioca tenta parar Pri Daroit (Jarbas Oliveira/MPIX)

Block carioca tenta parar Pri Daroit (Jarbas Oliveira/MPIX)

Dois aperitivos saborosos para a Superliga que começa neste fim de semana. Mas esse assunto fica para mais tarde, quando publicarei a coluna desta semana fazendo uma prévia sobre o torneio que já vai começar.

Para não dizer que tudo são flores… A constatação negativa da noite: o calendário. Não dá para o principal estadual do país ter a final jogada na véspera da abertura do principal torneio de clubes. O mesmo vale para a Supercopa, que propõe abrir a temporada. Ambos tiram um pouco do brilho da primeira rodada da Superliga. Ofuscam o que deveria ser o carro-chefe do vôlei brasileiro. Valorizar um produto sem desvalorizar outro é uma arte que precisa ser aprendida por aqui.



MaisRecentes

Copa altera o status da Seleção Brasileira masculina



Continue Lendo

Coluna: Vale prestar atenção na vizinhança



Continue Lendo

Coluna: Já esperava ver a Seleção em outro patamar



Continue Lendo