No tie-break, Brasil vira sobre EUA e se classifica



Classificado antecipadamente. Este é o Brasil no Grand Prix após o jogo desta sexta-feira contra os Estados Unidos. Em Bangcoc, na Tailândia, a Seleção precisou de cinco sets para vencer de virada, parciais de 29-31, 22-25, 25-22, 25-19 e 15-10.

O resultado garante  a classificação verde-amarela para as fase final, com duas rodadas de antecipação, ao chegar a 20 pontos. Diante de República Dominicana e Tailândia, as duas últimas colocadas, sábado e domingo, José Roberto Guimarães poderá rodar o time e testar as reservas para o hexagonal que decidirá o título, no Japão. Para as americanas, a derrota deixa ainda mais complicada a classificação, já que elas iniciaram a rodada na sexta posição geral e apenas mais três vagas estão em disputa.

Na reprise da partida da semana passada, em São Paulo, Brasil e Estados Unidos fizeram um primeiro set muito equilibrado e de altíssimo nível.  Uma parcial parecida com o terceiro set do duelo de domingo. A diferença foi que, desta vez, as mudanças de José Roberto Guimarães não surtiram efeito e as americanas foram bem mais consistentes no ataque. Kiraly entrou em quadra com Robinson no lugar de Hill, que foi o alvo dos saques brasileiros no confronto anterior. Já a Seleção manteve sua base titular.

Sheilla no ataque diante dos EUA (Divulgação/FIVB)

Sheilla no ataque diante dos EUA (Divulgação/FIVB)

Com o jogo igual até o fim, o Brasil chegou a ter um contra-ataque para fechar, mas uma falha da levantadora reserva Fabíola impediu. A oposto Tandara  também falhou ao ser bloqueada pela levantadora Glass e ao errar uma largadinha. Com tantas falhas na reta final do set, o Brasil foi castigado pelos ataques da oposto canhota Murphy e saiu atrás.

A derrota fez estrago na concentração brasileira e o início do segundo set foi catastrófico. Passe ruim, bolas altas nas extremidades, falta de paciência para atacar e um show de bloqueio dos EUA. E assim uma longa vantagem começou a ser aberta logo de cara. Zé trocou Garay por Natália, além de apostar em Andreia (e não Tandara) na inversão do 5-1. Mas o controle americano no jogo foi mantido, com o set sendo fechado por mais um erro, desta vez no saque, de Natália.

O Brasil voltou com seu time titular no terceiro set e esteve no comando do placar do início ao fim. Sheilla teve um melhor aproveitamento no ataque, recebendo bolas decisivas.  O passe deu uma estabilizada e Dani Lins pode usar mais as bolas com Thaisa, a jogadora mais regular do time nesta sexta-feira. Fabiana, outra bola de segurança, estava apagada no block e no ataque. Ainda assim, o Brasil conseguiu dominar os nervos, mantendo a vantagem até o fim, para diminuir o prejuízo. Nos fundamentos, a grande diferença foi o bloqueio, com as americanas tendo o dobro de pontos das brasileiras (14 a 7).

O quarto set também foi equilibrado, com os times se revezando na frente do placar, mas sem abertura de mais de dois pontos de frente. A construção do empate aconteceu após dois ataques de Fabiana e outro de Dani Lins, fazendo o Brasil abrir 17 a 15.  E, com a defesa recuperando várias bolas, o Brasil foi abrindo mais vantagem até fechar em 25-19 e levar a decisão para o tie-break. E percebam que o número de bloqueios passou a ser 15 (EUA) e 12 (BRA).

No tie-break, a Seleção manteve o domínio dos sets anteriores, ficando sempre à frente do placar o tempo todo. Thaisa, uma gigante na partida, terminou o duelo com 24 pontos, cinco deles no block, fazendo com o fundamento terminasse em 16 a 15 para o Brasil, algo impensável no fim do segundo set. Murphy, com 26, liderou as americanas.



MaisRecentes

São Bernardo desiste do Paulista. Alerta ligado na Superliga



Continue Lendo

Brasil leva virada dos Estados Unidos em terceiro amistoso



Continue Lendo

Vaivém: Fronckowiak anunciado por clube polonês



Continue Lendo