No Pré-Olímpico feminino, Turquia e Rússia perto das semifinais



Para delírio da fanática torcida local, a Turquia ficou bem perto das semifinais do Pré-Olímpico feminino, que está sendo disputado em Ankara.

Nesta terça-feira, vitória por 3 a 1 sobre a Alemanha, parciais de 27-25, 23-25, 25-16 e 25-17. A central Akman foi a maior pontuadora com 18 pontos, oito deles no bloqueio. O time alemão todo fez apenas quatro pontos neste fundamento.

Comemoração turca em Ankara (CEV Divulgação)

Comemoração turca em Ankara (CEV Divulgação)

A Turquia soma assim seis pontos no Grupo A, com as alemãs vindo a seguir com dois (em dois jogos). Holanda (um) e Croácia (zero) têm um jogo a menos.

Nesta quarta, as turcas enfrentarão a Holanda. O outro jogo será entre Alemanha e Croácia.

A Rússia também conquistou o segundo triunfo. Pelo Grupo B, vitória por 3 a 1 sobre a Itália, parciais de 25-16, 23-25, 25-19 e 25-21. Kosheleva e Goncharova somaram 38 pontos (20 e 18 respectivamente). Pela Azzurra, com uma atuação sofrível no passe e sem consistência no ataque, Guiggi e Del Core fizeram oito pontos cada.

Goncharova encara o block italiano (CEV Divulgação)

Goncharova encara o block italiano (CEV Divulgação)

E olha que as russas vinham de um tie-break na segunda-feira e as italianas haviam folgado.

No outro jogo do grupo, a Bélgica estreou vencendo a Polônia por 3 a 1 (25-19, 16-25, 27-25 e 25-18). Chama a atenção o equilíbrio na pontuação das belgas (Leys, Heyrman e Aelbrecht com nove pontos, um a mais do que Van Hecke).

Os resultados deixaram a Rússia isolada na ponta com cinco pontos, seguida por Bélgica (3), Polônia (1) e Itália (0). Nesta quarta, duelarão belgas e italianas, jogo que pode até decretar a eliminação da Azzurra em caso de novo revés.

Vale ressaltar que apenas o campeão se garante na Rio-2016. Segundo e terceiro colocados irão disputar as últimas vagas olímpicas no Pré-Olímpico Mundial.

 

 



  • Matheus Rodrigues

    Essa seleção turca, na minha opinião, é a grande favorita para conquista da vaga olímpica através deste torneio pré-olímpico em Ankara – turquia. Conta com jogadoras muito experientes que, por serem muito exigidas nos seus clubes ( há de se salientar que a base da seleção é formada por jogadoras do fenerbahce, vakifbank e eczacibasi, 3 dos melhores clubes do mundo, na atualidade), acabam levando essa cobrança para a seleção. Elas são acostumadas com a pressão, já que jogam num campeonato disputadíssimo que é o compeonato e a copa turca, além da grande competição mundial interclubes que é a Champions League. Sinceramente, é uma seleção que tem um padrão de volume de jogo e uma relação entre saque e bloqueio muito fortes. A turquia, confirmando o favoritismo e garantindo o passaporte para o Rio-2016, tem potencial para ir longe na competição. Mas … como nem tudo são flores, há de se considerar q os pontos fracos das turcas certamente serão mirados e levados em consideração pelos esquemas táticos das outras seleções ( especialmente Brasil e EUA, que tem comissões técnicas de respeito, estrategistas). Recepcionando o saque, elas são um tanto vulneráveis: apesar de toda a categoria e habilidade da DARNEL e a presença de uma líbero que definitivamente gosta de varrer a quadra como é a KHARADAI ( creio que o nome dela se escreva mais ou menos assim), ambas não são exímias passadoras. A DARNEL , como já era de se esperar, por ser de natureza uma jogadora oposta, e não ponteira passadora. Dessa forma, o segredo é mirar o saque nela quando ela estiver no fundo para recepcionar. Não bastasse isso, a OSZOY que, em situações normais de jogo deveria assumir a responsabilidade no passe, também demonstra muita vulnerabilidade neste fundamento. A AYDEMIR bem que tenta imprimir velocidade e facilitar a ação ofensiva das jogadoras de extremidade, mas não dá pra jogar o tempo inteiro com bolas empinadas nas pontas, ainda mais quando o bloqueio chega bem montado. OBSERVAÇÕES: a ERDEM deitou e rolou na bola china no jogo de hoje contra a Alemanha. A BRINKER, ponteira alemã na marcação sobre a central turca, o máximo que conseguiu fazer foi amortecer algumas poucas bolas. A AYDEMIR, cascuda e sábia levantadora como é, forçou mesmo o jogo com essa jogada eficiente, trabalhando com objetividade nos momentos de maior pressão. A AKMAN pontuou bastante sim, mas em muitas bolas de xeque, já que ela é muito alta e, na marcação 1 contra 1 ela é soberana. Por sinal, esse equilíbrio entre uma central mais alta com grande impulsão nos bloqueios ( apesar de ser mais lenta), com a Akman, somado à velocidade da outra central ( apesar do menor alcance nos bloqueios), com a ERDEM, é outro diferencial dessa seleção turca. Ambas conseguem ser eficientes na rede e a ERDEM, apesar da baixa estatura, chega muito rápido nas marcações de ponta no bloqueio. A ”mãozinha” dela não vai tão alto mas está ali preenchendo muito bem os espaços.

  • Matheus Rodrigues

    Essa seleção turca, na minha opinião, é a grande favorita para conquista da vaga olímpica através deste torneio pré-olímpico em Ankara – turquia. Conta com jogadoras muito experientes que, por serem muito exigidas nos seus clubes ( há de se salientar que a base da seleção é formada por jogadoras do fenerbahce, vakifbank e eczacibasi, 3 dos melhores clubes do mundo, na atualidade), acabam levando essa cobrança para a seleção. Elas são acostumadas com a pressão, já que jogam num campeonato disputadíssimo que é o compeonato e a copa turca, além da grande competição mundial interclubes que é a Champions League. Sinceramente, é uma seleção que tem um padrão de volume de jogo e uma relação entre saque e bloqueio muito fortes. A turquia, confirmando o favoritismo e garantindo o passaporte para o Rio-2016, tem potencial para ir longe na competição. Mas … como nem tudo são flores, há de se considerar q os pontos fracos das turcas certamente serão mirados e levados em consideração pelos esquemas táticos das outras seleções ( especialmente Brasil e EUA, que tem comissões técnicas de respeito, estrategistas). Recepcionando o saque, elas são um tanto vulneráveis: apesar de toda a categoria e habilidade da DARNEL e a presença de uma líbero que definitivamente gosta de varrer a quadra como é a KHARADAI ( creio que o nome dela se escreva mais ou menos assim), ambas não são exímias passadoras. A DARNEL , como já era de se esperar, por ser de natureza uma jogadora oposta, e não ponteira passadora. Dessa forma, o segredo é mirar o saque nela quando ela estiver no fundo para recepcionar. Não bastasse isso, a OSZOY que, em situações normais de jogo deveria assumir a responsabilidade no passe, também demonstra muita vulnerabilidade neste fundamento. A AYDEMIR bem que tenta imprimir velocidade e facilitar a ação ofensiva das jogadoras de extremidade, mas não dá pra jogar o tempo inteiro com bolas empinadas nas pontas, ainda mais quando o bloqueio chega bem montado. OBSERVAÇÕES: a ERDEM deitou e rolou na bola china no jogo de hoje contra a Alemanha. A BRINKER, ponteira alemã na marcação sobre a central turca, o máximo que conseguiu fazer foi amortecer algumas poucas bolas. A AYDEMIR, cascuda e sábia levantadora como é, forçou mesmo o jogo com essa jogada eficiente, trabalhando com objetividade nos momentos de maior pressão. A AKMAN pontuou bastante sim, mas em muitas bolas de xeque, já que ela é muito alta e, na marcação 1 contra 1 ela é soberana. Por sinal, esse equilíbrio entre uma central mais alta com grande impulsão nos bloqueios ( apesar de ser mais lenta), com a Akman, somado à velocidade da outra central ( apesar do menor alcance nos bloqueios), com a ERDEM, é outro diferencial dessa seleção turca. Ambas conseguem ser eficientes na rede e a ERDEM, apesar da baixa estatura, chega muito rápido nas marcações de ponta no bloqueio. A ”mãozinha” dela não vai tão alto mas está ali preenchendo muito bem os espaços.

MaisRecentes

Joelho afastará Gabi das quadras



Continue Lendo

As primeiras transmissões da Superliga na TV



Continue Lendo

Vaivém: Thaisa jogará a Superliga



Continue Lendo