Na estreia do desafio, Praia bate Vôlei Nestlé no tie-break



No primeiro jogo com auxílio da tecnologia aos árbitros na Superliga 2017/2018, o Dentil/Praia Clube saiu na frente do Vôlei Nestlé nas semifinais em melhor de cinco jogos. E foi uma partidaça!

Em Uberlândia, virada mineira por 3 sets a 2, parciais de 23-25, 25-19, 25-23, 25-27 e 15-13, na noite desta sexta-feira.

A ponta Fernanda Garay foi eleita a melhor em quadra e faturou o VivaVôlei Cimed.

Tão aguardado, o desafio foi acionado logo no início do primeiro set. Um ataque de Ellen foi anotado pela arbitragem como ponto do Praia após toque no bloqueio. Luizomar de Moura pediu o videocheck e se deu bem. A bola mineira foi para fora: 6 a 2 para o Vôlei Nestlé. Deu para fazer a leitura do árbitro principal Rogério Espicalsky assumindo o erro.

A peruana Leyva foi o nome da primeira parcial, anotando sete pontos e fazendo a diferença no ataque. Deve parte do sucesso à excelente performance de Mari Paraíba na recepção. As paulistas chegaram a abrir 19 a 13.

O Praia arrumou a instabilidade no passe com a entrada de Amanda no lugar de Ellen. E, curiosamente, ganhou um pontinho com um erro do desafio eletrônico. Um ataque de Leyva para fora forçou o pedido de Luizomar, alegando desvio no bloqueio. A imagem em câmera lenta mostrou a bola tocando no dedinho de Fabiana. Mas o árbitro responsável por rever o lance nos monitores, com zoom e replays, não viu, mantendo o ponto para o Praia.

Tandara encara o bloqueio do Dentil/Praia Clube (João Pires/Fotojump)

Sem se abalar, o Vôlei Nestlé abriu 24 a 20, perdendo quatro set points até fechar com ataque de Mari Paraíba, explorando o bloqueio de Claudinha, o lado mais baixo do bloqueio.

O segundo set viu o desafio ser acionado logo no segundo ponto. Um ataque de Fawcett foi anotado como bola fora. Paulo Coco solicitou a ajuda externa. Parecia ter pedido bola na linha, mas o replay mostrou toque no braço de Tandara, garantindo o ponto mineiro.

Mais confiante no ataque e mais regular no passe, o Praia foi abrindo vantagem e chegou a ter 11 a 5. Com 16 a 9, novo pedido de desafio de Coco, agora alegando bola dentro após um saque. Mas a bola saiu nitidamente na imagem reprisada. Apesar de um esboço de reação, diminuindo a diferença para 21 a 19, o Praia voltou a dominar as ações e marcou quatro pontos seguidos para empatar o jogo.

O terceiro set começou equilibrado e, para não perder a oportunidade, teve um desafio pedido e vencido pelo Vôlei Nestlé, após ataque de Mari resvalar em Fabiana no block. O Praia viu Fernanda Garay, sua principal jogadora, crescer no ataque para pontuar em bolas importantes. E assim construiu a virada, fazendo dois dos últimos três pontos, para fechar em 25 a 23.

Fawcett foi bem marcada na abertura da semifinal (João Pires/Fotojump)

Pra variar, o desafio foi acionado logo no primeiro ponto do quarto set. E o pedido do Praia, após quase um minuto de análise, mostrou toque no bloqueio de Tandara. Buscar uma diminuição neste tempo de checagem deve ser uma meta para o futuro. Instantes depois, ele de novo, agora por determinação de Luizomar de Moura. O tempo, desta vez, chegou a 1min30s, e não deu razão para Osasco, mostrando que o ataque de Tandara bateu na rede antes de sair.

O Praia manteve o controle do jogo na primeira metade da parcial. O Vôlei Nestlé, com Carol Albuquerque no lugar de Fabíola e Naty Martins na vaga de Ninkovic, deu alguns pontos de graça e precisou remar para voltar a equilibrar as ações. Mas sempre ficava um ponto atrás. O empate até saiu no 19 a 19, após falha no passe mineiro. No 23 a 22, um lance polêmico. O Praia pediu desvio de um ataque de Garay em Camila Brait, na tentativa de defesa. A arbitragem não marcou e a regra do desafio não permite revisão neste tipo de lance. Na sequência, as donas da casa perderam dois match points após um ponto de bloqueio de Tandara e uma defesa de Tássia que caiu na quadra mineira.

No tie-break, o Vôlei Nestlé abriu rapidamente 4 a 0 em passagem de Mari Paraíba pelo saque. E, no quarto ponto, o desafio entrou em cena mais uma vez para mostrar toque no bloqueio após ataque de Tandara. A vantagem seguiu confortável  no 7 a 3, obrigando Paulo Coco a inverter o 5-1. E Amanda no saque começou a encurtar a vantagem: 7 a 5. A diferença caiu para um pontinho (10 a 9) após ataque errado de Mari Paraíba, lance confirmado pelo desafio eletrônico. E aí entrou em cena a capitã Fabiana, com dois pontos de ataque e um de bloqueio para garantir o empate em 13 a 13. E a virada impressionante do Praia foi obtida na sequência, para delírio dos dois mil torcedores presentes no ginásio em Uberlândia.

E foi apenas o primeiro jogo de uma série em melhor de cinco, senhoras e senhores!

O segundo jogo será na segunda-feira, às 19h, no Ginásio José Liberatti, em Osasco. O finalista será o time que conquistar três vitórias.

VEJA TAMBÉM

+ A tabela das semifinais da Superliga feminina



MaisRecentes

Coluna: Vai começar a era Leal na Seleção



Continue Lendo

Coluna: Que momento para Leal ser da Seleção!



Continue Lendo

Título de EMS/Taubaté com sabor especial para dupla Renan/Lucarelli



Continue Lendo