Muserskiy fora da Rio-2016. Quem explica?



Uma lesão vai tirar o central/oposto Muserskiy dos Jogos Olímpicos.

Pronto. Essa é a versão oficial, sem mais detalhes.

Mas, justamente por não explicar qual o problema do jogador e acontecer em uma semana repleta de novidades sobre a política estatal de dopagem da Rússia, a notícia coloca ainda mais dúvidas sobre o esporte russo.

Foto que tirei do gigante durante o Mundial de Clubes de 2014. Na ocasião, sendo assediado por jogadores rivais

Foto que tirei do gigante durante o Mundial de Clubes de 2014. Na ocasião, sendo assediado por jogadores rivais

Aqui, vou me restringir ao vôlei, sem detalhar o estudo feito pelo professor canadense Richard McLaren, divulgado nesta semana (relembre aqui: Relatório McLaren). Segundo ele, oito atletas russos do vôlei e mais dois do vôlei de praia tiveram resultado positivos em exames recentes, mas acabaram saindo ilesos por fazerem parte da farsa russa de doping. Escrevi sobre isso durante semana, antes de a Federação Internacional oficializar para agências internacionais que iria exigir da Wada, e entidade máxima antidoping do planeta, os nomes dos envolvidos (leia mais aqui: FIVB quer saber quem são os dopados russos).

Que ironia do destino o gigante russo se lesionar agora, não? Mal explicada também foi a ausência de Kosheleva das finais do Grand Prix, na Tailândia, semanas atrás, por uma lesão sem grandes detalhes.  E olha que muita gente estranhou também as aposentadorias de Gamova e Sokolova antes da definição da lista final da Rússia para a Rio-2016. Até então vinham jogando em alto nível no campeonato local.

Eu não estranharia que nomes de peso, como os citados acima, aparecessem nos relatórios da Wada.

Ontem, nas redes sociais, jogadores já começaram a pedir explicações sobre o vôlei russo. Leandro Vissotto, medalhista de prata em Londres-2012, após ver o Brasil perder de virada para a Rússia, com show de Muserskiy, foi um deles: “Não posso esperar para ver a verdade . Quando se perde uma partida 3×2 a condição física faz diferença !!!”, escreveu o oposto.

Vale uma explicação. O meldonium, substância proibida a partir do início de 2016 e que era utilizado como água pelos russos há anos, tem como principal benefício para os atletas a aceleração da recuperação física após os jogos. Foi ele a responsável por tirar Maria Sharapova das quadras de tênis. É ele quem coloca uma nuvem de dúvidas sobre os atletas de vôlei da Rússia neste momento. E será ele também o responsável por mudar resultados dos últimos Jogos? Ontem foram oficializados 45 novos casos positivos em testes refeitos dos Jogos de 2008, em Pequim, e 2012, em Londres.

O Comitê Olímpico Internacional promete falar neste domingo sobre o escândalo russo.

 

 

 



  • Sara Tavares

    quanta irresponsabilidade em um único post. doping é algo sério pra se acusar sem provas.

  • Billy

    Esses atletas russos(as) nunca me enganaram.Ainda bem que tudo está vindo à tona agora e que tudo será esclarecido.A punição à eles é MUITO BEM VINDA.

  • Billy

    Com certeza a história dessa GAZELONA de 2.18m está muito mal contada ainda. Estão querendo esconder que ela(e) é mais um dos envolvidos nos inúmeros casos de doping da Rússia.É realmente vergonhoso…

  • Jorge

    Quanto amadorismo, onde que Gamova e Sokolova estavam jogando em alto nível no campeonato nacional? Você assistiu as finais ou ao menos se deu ao trabalho de olhar as estatísticas?

  • L. Mesquita

    Bomba!!! O Brasil Masculino não perdeu o Ouro p/a Rússia em 2012, perdeu p/o “DOPING’!!!
    Startseva e Gamova ausentaram-se da final da Champions League 2016 pelo Dínamo Kazan, alegando intoxicação alimentar. Porém elas temiam a acusação de Meldonium quando souberam que os testes antidoping das finais da Champions seriam feitos por coleta de sangue e não de urina. As várias lesões seguidas de Kosheleva também parecem fuga do antidoping. Mal explicada também foi a ausência de Kosheleva das finais do Grand Prix-2016 por uma lesão sem grandes detalhes. Recentemente, Gamova deu entrevista dizendo que conversou com Startseva e toda a equipe feminina estava muito apreensiva. Tanto Sokolova quanto Gamova, antes dos escândalos de doping nos esportes russos, queriam muito participar da Olimpíada do Rio, de repente, as 2 anunciam aposentadoria da seleção, algo muito suspeito, foi só estourar os escândalos do atletismo e do tênis russo, elas anunciaram aposentadoria. Agora é a vez de Muserskiy se afastar da Olimpíada alegando uma lesão duvidosa? Mas, por que não explicar qual é a lesão, há suspeita de afastamento por doping.
    Só mesmo o suspeito Ary Dez Graça, para defender a presença do vôlei russo no Rio-2016. $erá quanto i$$o está rendendo p/ele?

    • Senhor Omar – Trágico

      Brasil perdeu em 2012 por incompetência. Teve chance de vencer por 3×0.. e não o fez. Depois de perder o 3º set.. o Brasil praticamente não jogou… Igual a seleção feminina em 2004… teve um 24×19 e não fechou o jogo. Não adianta culpar o doping por sua incompetência..

      • rodrigo puertas

        concordo,o brasil vencia o 3 set e o bernardo quis fazer média com o giba e coloca-lo no fim pra “homenagear” e o brasil tomou a virada e perdeu a medalha de ouro na bola!

  • will

    Que pena realmente se for verdade mesmo pois atinge totalmente o conceito do esporte limpo mas a verdade tem que vir a tona..

  • L. Mesquita

    A intencao do COI é evitar q atletas e selecoes dopadas por incentivo de governos corruptos roubem medalhas de atletas limpos, como aconteceu no volei masculino onde a Russia dopada roubou o Ouro do Brasil de forma desleal em Londres num jogo de 3×2 no qual o doping faz muitissima diferenca! Alem disso, o COI quer causar o minimo de transtorno possivel ao publico q ja comprou os ingressos e à logistica das comissoes tecnicas e dos atletas limpos. Mudar tabelas e horarios seria uma punicao e desrespeito ao publico pagante e aos atletas limpos, portanto tabelas e horarios serao mantidos, a unica altercao seria onde se lê o nome RUSSIA, leia-se o nome de outra nação. No caso do volei, o que corre nos bastidores da FIVB é q a Russia seria substituida no feminino pela Tailandia e no masculino pela Australia, ambas selecoes quintas colocadas no Pre-Olimpico Mundial, Femino e Masculino, respectivamente. O Pre-Olimpico Mundial foi o torneio de classicacao mais recente, disputado entre Maio e Junho, ao passo q o Pre-Olimpico Continental foi disputado em Janeiro. A hipotese de Turquia e Alemanha esta sendo descartada tmbém pelo criterio da Universalidade, ja que essas selecoes nao disputaram o Pre-Olimpico Mundial recentemente.

    • Daniel Bortoletto

      Já escrevi sobre os substitutos, caso a Rússia fosse excluído.

      • Senhor Omar – Trágico

        Brasil perdeu em 2012 por incompetência. Teve chance de vencer por 3×0.. e não o fez. Depois de perder o 3º set.. o brasil praticamente não jogou… Igual a seleção feminina em 2004… teve um 24×19 e não fechou o jogo. Não adianta culpar o doping por sua incompetência..

      • will

        A federação já confirmou a delegação russa de vôlei nos jogos do Rio para o bem do torneio,já essa de roubar medalhas de atletas brasileiros não cola o Brasil teve nada menos que 3 math points no 3 set ainda sim não teve competência pra finalizar a partida.

        • rodrigo puertas

          concordo will,o brasil vencia o 3 set e o bernardo quis fazer média com o giba e coloca-lo no fim pra “homenagear” e o brasil tomou a virada e perdeu a medalha de ouro na bola!

        • Billy

          Tenho a mesma opinião que voce Will.

MaisRecentes

Seleções Brasileiras conhecem tabela da Copa dos Grandes Campeões



Continue Lendo

Fim de semana



Continue Lendo

Três semifinalistas e um duelo completamente aberto



Continue Lendo