Minas e Dentil/Praia Clube conhecem rivais no Mundial



Os torcedores do Dentil/Praia Clube e do Minas conheceram os adversários dos respectivos times no Campeonato Mundial feminino de clubes, marcado para acontecer no início de dezembro, na China.

Atual campeão sul-americano, o Minas caiu no Grupo A, ao lado do Zhejiang, time da casa, do poderoso Vakifbank, da Turquia, campeão de tudo, e o Volero Le Cannet, da França, a fusão do antigo Volero Zurique, da Suíça, com o tradicional clube francês.

Já o Praia, vencedor da última Superliga, caiu no Grupo B, ao lado do também poderoso Eczacıbası Vitra, da Turquia, além do Altay VC, do Cazaquistão, e do Supreme Chonburi, da Tailândia.

Os dois primeiros de cada grupo avançarão para as semifinais.

Em tese, o caminho do time de Uberlândia é mais acessível, visto que as cazaques e as tailandesas, apesar de várias selecionáveis dos países de origem no elenco, estão longe de serem apontadas como potências.

Fernanda Garay é um dos destaques do Praia (Divulgação CBV)

Contra o Eczacibasi, o Praia terá pela frente a oposto sérvia Boskovic, a ponta coreana Kim, as americanas Larson (ponta) e Gibbemeyer (central), além de jogadoras da seleção turca: Ismailoglu (ponta), Akoz (líbero), Arici (central) e Alikaya (levantadora).

Já o Minas terá o melhor time da atualidade pela frente. O Vakifbank entra como favorito em todas as competições. Não será diferente no Mundial, visto que o elenco possui “apenas” a ponta chinesa Ting Zhu, a central sérvia Rasic, a oposto holandesa Sloetjes, a ponta-líbero americana Robinson, além das turcas Ozbay (levantadora), Orge (líbero), Gunes (central) e Karakurt (oposto).

Gabi é uma das caras novas do Minas (Divulgação)

Desta forma, a classificação para a semi será travada contra as donas da casa do Zhejiang, que não estão entre os times top da China, e a Torre de Babel do time franco-suíço, formado em sua maioria por atletas de grandes centros: a sérvia Ana Bjelica, que defendeu Osasco na temporada passada, a cubana Rosir Calderon, que atuou no vôlei russo, além da búlgara Dimitrova e as russas Kornienko e Lazarenko.

Em tese, é possível imaginar os dois representantes do Brasil e os dois da Turquia nas semifinais.

LEIA TAMBÉM

+ Novidades na apresentação da Superliga masculina



MaisRecentes

Coluna: Temos de falar sobre Douglas Souza



Continue Lendo

Atualização do ranking mundial mostra caminhos do Brasil para Tóquio-2020



Continue Lendo

Douglas Souza desbanca Lipe e Tandara na escolha do melhor do ano



Continue Lendo