Minas comemora base forte no masculino



A presença de cinco jogadores convidados para os treinos da Seleção Brasileira masculina fez o Minas Tênis Clube comemorar os resultados do investimento nas categorias de base.

Treinam em Saquarema, no Centro de Desenvolvimento de Voleibol da CBV, o levantador Eduardo Carísio, o oposto Felipe Roque, o líbero Rogerinho, o ponta Henrique Honorato e o central Pingo.

Eles fizeram parte da equipe que terminou a última Superliga em quinto lugar, sob o comando de Nery Tambeiro.

– Aqui no Minas não tem vaidade. O trabalho é feito em conjunto, desde as categorias de base (Sub-14, Sub-15, Sub-16, Sub-17, Sub-19 e Sub-21). Os técnicos destas categorias já trabalham o atleta para que ele chegue aos 20, 23 anos com as ideias e a filosofia do Nery, que é um dos treinadores mais inteligentes do Brasil. Isto não é mérito desse ou daquele. Quem ganha, é o Minas – explica o diretor de vôlei masculino, Elói Lacerda de Oliveira Neto, que reforça o histórico do Minas em lançar atletas.

Marlon é o ponto de experiência do jovem Minas (Divulgação)

– Dos 10 chamados por Renan, cinco são do Minas. Isso é histórico. O clube, hoje, é a coluna vertebral, o oxigênio e o sangue da renovação do voleibol brasileiro. Nenhum clube no Brasil faz isso. Entendo isso como algo mágico.

Nery Tambeiro, que também é treinador de Seleções Brasileiras de base, apontou a estrutura do Minas Tênis Clube como diferencial para a formação em alto nível.

– O atleta aqui no Minas começa a ser preparado bem jovem, nas categorias de base. Além do trabalho técnico em quadra, ele passa por psicólogos, preparadores físicos, médicos, nutricionistas e pelo departamento de Ciência do Esporte, que dá um suporte muito forte neste processo de formação. Tudo isso faz parte do trabalho, e o resultado é esse que a gente está vendo aí, jovens atletas despontando em quadra e chamando a atenção do treinador da seleção adulta – comentou Nery.

Quem também celebra os frutos da base do Minas é Cebola. Atual chefe do departamento de vôlei masculino do clube, Carlos Castanheira, o Cebola, treinador quatro vezes campeão da Superliga (uma com as mulheres e três com os homens), cita dois exemplos de referências no atual trabalho:

– Quando relembramos atletas formados no Clube, temos diversos exemplos. Hoje, além destes cinco convidados para a seleção, temos, ainda no Minas, como grande exemplo, o central Flávio. Ele é a nossa bola da vez. Chegou ao Minas há dez anos, cresceu por aqui, foi moldado, passou por todas as categorias de base e, agora, serve de espelho para outros jovens no time adulto – disse.

– Outro exemplo de que os méritos são para todos, está no experiente Marlon, que, além de liderar o grupo, nos ajuda a preparar a cabeça desses atletas novos. O levantador Carísio, por exemplo, está lado a lado com o Marlon, que também nos ajuda no trabalho com essa juventude – finalizou Cebola.

LEIA TAMBÉM

+ Base mantido é trunfo para Bernardinho no Sesc



MaisRecentes

Douglas Souza desbanca Lipe e Tandara na escolha do melhor do ano



Continue Lendo

Atual campeão abre Superliga feminina com vitória. É o grande favorito?



Continue Lendo

Dentil/Praia Clube conquista a Supercopa. Mas tem muito a evoluir



Continue Lendo