Meta para 2016. Você acredita?



O COB apresentou nesta manhã, no Rio de Janeiro, seu planejamento para a Olimpíada de 2016. Estratégias, ações e treinamentos para que o Brasil termine no top 10 do quadro de medalhas (ao menos no total de pódios, não na quantidade de ouros).

Para vôlei e vôlei de praia, a meta mínima é repetir as quatro medalhas de Londres (sem preocupação em ser ouro, prata ou bronze). Mas a entidade pensa mesmo em seis pódios, o máximo que cada país pode conseguir nas duas modalidades.

Analisando rankings mundiais, tanto o teto quanto o piso são viáveis. Na quadra, a Seleção masculina lidera com 345 pontos, 15 a mais do que a Rússia. No feminino, a lista da FIVB mostra também na frente, 15 pontos à frente dos Estados Unidos.

Na praia, após mais uma série de mudanças na formação das duplas, o Brasil lidera o Circuito Mundial entre as mulheres, com Juliana/Maria Elisa. E a CBV aposta suas fichas na recém-formada parceria entre Larissa e Talita. Entre os homens, Bruno e Alison estão em quinto lugar no Circuito, com Emanuel e Pedro Solberg, em sétimo. Outra dupla que ainda sonha com os Jogos é Ricardo/Álvaro Filho.

Nas últimas Olimpíadas, COB e CBV já sonhavam com seis medalhas. Meta possível, mas os resultados comprovam que não é nada fácil atingi-la.

Em 96, ouro com Jaqueline/Sandra, prata com Monica/Adriana e bronze com a Seleção feminina de vôlei. Em 2000, prata com Zé Marco/Ricardo e Adriana Behar/Shelda e bronze com a Seleção feminina. Em 2004, ouro com a Seleção masculina de vôlei e Ricardo/Emanuel, prata com Adriana Behar/Shelda. Já em 2008, ouro com a Seleção feminina, prata com a Seleção masculina, prata com Fábio Luiz/Márcio Araújo e bronze com Ricardo/Emanuel.



  • Paula Cerqueira

    O Brasil será o pior país anfitrião da história dos jogos olímpicos (a nível de resultados). Até mesmo o vôlei (q pode até conseguir o ouro), terá um caminho muito complicado e pouco provável.

  • Afonso RJ

    Não sei se conseguiremos as metas. Acho possível que sim. Mas de uma coisa tenho certeza: não haverá nenhum 7×1….

  • Tereza

    Não sei se essa meta vai ser possível mais eu e um grupo de 10 pessoas entre amigos e familiares já estamos com tudo articulado para estamos no Rio em 2016 para ajudamos com nossa torcida vamos Brasil #RIO2016

    • Afonso RJ

      Fiquem certos que serão MUITO bem vindos!!!!!

  • Lilika

    Nunca fomos uma potência olímpica rsrs Nosso país não investe educação aliada a pratica de esportes, faltam incentivos aos patrocínios, alguns esportes lotados em suas camisas disputado a unhas e dentes (futebol, claro rs) enquanto tantos outros como handebol, basquete, ginastica, judô, e até mesmo o volei (clubes), o tema principal de sua noticia nesse sentido, buscam alternativas para sobreviver rsrs. Enfim…gostaria muito de ver nossos atletas de varias modalidades no pódio mas a realidade não nos permite ter essa visão tão bonitinha do mundo…

    • Rodrigo Coimbra

      Vc falou tudo, porém estamos deixando de ser potência até mesmo no futebol, uma vez que tomamos de 7×1, estamos em 12º no ranking de público do futebol liderado pela Alemanha, estamos muito atrás de público para países como Argentina, Holanda, China, entre outros, até mesmo da 2º div da Alemanha. Podemos até mesmo dizer que o voleibol é a maior potência no esporte nacional, que fique claro, os clubes de vôlei são guerreiros e nunca deixam a peteca cair, se somos uma potência temida NO FEMININO temos muito a agradecer a clubes como Pinheiros, Bcn/Osasco, Sesi etc e novos clubes que visam a base como o Brasilia e Maranhão, já que no masculino só o Bernardinho na causa… sem tirar o mérito dos clubes, que alguns até tentam mas talentos fora de serie nunca mais, podem até surgirem altos e acaba por aí.

  • diogo

    É uma meta difícil + possível de ser alcançada..acredito q o vôlei consiga no mínimo 4 medalhas,e dependendo da sorte para q todos os nossos esportes candidatos a medalhas(como o vôlei(4),futebol(2),basquete(1),handebol(1),atletismo(2),natação(3/4),triatlo(1),ginástica(2) e etc) consigam esse feito,da sim pra entrar no top 10..

  • Aline

    Não somos e NUNCA fomos uma POTÊNCIA OLÍMPICA!
    As medalhas serão ESCASSAS, é óbvio que o Brasil não ficará no TOP 10!
    Quanto ao VÔLEI, acredito muito mais em medalhas na PRAIA que na QUADRA:
    1. O vôlei de praia depende muito mais do esforço individual dos jogadores do que o de quadra, depende muito menos da influência da CBV;
    2. Sem os líberos Serginho e Fabi, as seleções MASC e FEM terão muito mais dificuldades;
    3. No Vôlei de Praia, os brasileiros irão jogar no ambiente em que treinam, eles sempre tem bons resultados jogando no RJ.

    Porém, HOLANDA, ALEMANHA e ITÁLIA evoluíram muito no VOLEI DE PRAIA, tem jogadores muito altos, fortes e habilidosos, que tornarão o caminho do Brasil mais difícil também na praia.

    O caso da HOLANDA é o mais impressionante: o VÔLEI DE PRAIA virou uma FEBRE na HOLANDA e os principais e melhores jogadores estão optando por jogar na PRAIA em vez da quadra. O VÔLEI DE PRAIA na HOLANDA está muito mais popular do que o VÔLEI DE QUADRA, resultado disso é que o vôlei de quadra da HOLANDA entrou em decadência: a seleção masculina que foi CAMPEÃ OLÍMPICA em 1996 e EUROPEIA em 1997 e a feminina CAMPEÃ EUROPEIA em 1995, não conseguem mais resultados expressivos nem na própria Europa e caíram muito no RANKING MUNDIAL. Em contra-partida tanto a Federação Holandesa de Vôlei como o governo Holandês tem investido muito no VÔLEI DE PRAIA.

    Segundo o Presidente da Federação de Vôlei Holandesa, a paixão dos holandeses pelo VÔLEI DE PRAIA, se deve a:
    1. Deus criou a Terra mas deixou aos Holandeses a tarefa de criarem os Países Baixos – assim diz um velho ditado. A Holanda é um dos menores países da Europa e cerca de metade de sua terra plana e arenosa foi ganha ao mar. A relação dos Holandeses com o mar é muito grande e o VÔLEI DE PRAIA só reforça isso. Apesar do país ser pequeno, o litoral é extenso com 451 Km de costa.
    2. Ao contrário do VÔLEI DE QUADRA, no VÔLEI DE PRAIA você não tem compromissos como você tem num clube normal: sem cantina, sem funções administrativas, sem o voluntariado, nenhum cuidado … basicamente você só tem que vir para a praia, os holandeses amam essa liberdade. País da descontração, da liberdade de pensamento, da tolerância, quem já teve a oportunidade de conhecer a Holanda viu que, além disso, é a terra dos ciclistas, a grande maioria vai pra praia de bicicleta.
    3. Holandeses gostam de viajar e férias que se prezem tem de ter SOL, senão não são férias.
    Adoram esportes ao ar livre: fazer caminhadas, andar de bicicleta, nadar e jogar VÔLEI DE PRAIA. Holandeses não são preguiçosos!
    4. O último CAMPEONATO MUNDIAL DE VÔLEI DE PRAIA da FIVB, disputado na POLÔNIA em 2013 foi vencido pela HOLANDA numa FINAL contra o BRASIL, em que os jovens holandeses Alexander Brouwer e Robert Meeuwsen bateram o CAMPEÃO OLÍMPICO Ricardo e seu parceiro Álvaro Filho por 2-0 (21-18, 21-16)
    5. A HOLANDA sediará o próximo CAMPEONATO MUNDIAL DE VÔLEI DE PRAIA em 2015, no qual espera conquistar o BICAMPEONATO.

    Em relação ao CAMPEONATO MUNDIAL DE VÔLEI DE PRAIA de 2015, Hans Nieukerke, disse:
    “A Holanda é esse país que te abre a mente, te faz rever conceitos, que te faz respeitar as diferenças. O CAMPEONATO MUNDIAL DE VÔLEI DE PRAIA FIVB de 2015 será uma “experiência única” porque o evento será realizado em vários locais na Holanda tal qual uma COPA DO MUNDO DA FIFA, a Holanda é famosa por idéias originais e inovadoras. Nós desenvolvemos conceitos inovadores de vôlei de praia nos últimos anos, mas também estamos ‘fora da caixinha’ quando se trata de organização do eventos.”
    Explicando as razões para sediar o campeonato em várias cidades, ele disse: “A decisão de ter várias cidades-sede está em linha com o desejo de usar o Campeonato Mundial da FIVB, como meio de mergulhar toda a Holanda no volei de praia, que será a base para o sucesso do evento, com estádios cheios. Será feito o possível para grupos maiores de fãs testemunharem os campeonatos mundiais. O evento não só obterá uma grande atenção da mídia nacional, mas também os meios de comunicação regionais. A atenção da mídia contribuirá, sem dúvida, para encher os estádios para todos os jogos “.
    Para isso foi feito o único estádio de vôlei de praia ao ar livre no mundo: “The Beach Stadium Haia” na praia de Scheveningen. O estádio é a casa do melhores equipes de vôlei de praia holandês. O estádio se encaixa ambições da Holanda para criar um bom clima esportivo e organizar os Jogos Olímpicos de Verão em 2028.
    The Beach Stadium Haia é propriedade da Câmara Municipal de Haia, e serve para promover a cidade. O termo “cidade à beira-mar” está no DNA de Haia, com isto em mente, Haia tem principalmente vôlei de praia como esporte ponta de lança.
    Haia é capital administrativa da HOLANDA, porém é a capital do VOLEI DE PRAIA da EUROPA, com a pretensão de ser, no futuro, a capital do VOLEI DE PRAIA MUNDIAL! Os eventos internacionais TOP de vôlei de praia servem como um catalisador para a participação no desporto e de lazer e como um meio de marketing da cidade.
    O estádio está cheio de eventos desportivos de topo: o Campeonato Holandês e muitos eventos esportivos internacionais de topo, tais como Campeonatos da Europa e do Circuito Mundial.
    Desde 2013 The Beach Stadium Haia tem uma parceria com a Escola de Vôlei de Praia, a fim de incentivar a prática do esporte e revelar novos talentos.

MaisRecentes

Definidos os grupos do Mundial masculino de clubes



Continue Lendo

As quartas de final do Paulista masculino



Continue Lendo

Bruninho e Renan analisam conquista



Continue Lendo