Marmelada olímpica não me surpreenderá



Reproduzo aqui texto que escrevi para a edição deste sábado do LANCE!, sobre a briga pela classificação no grupo do Brasil no torneio feminino olímpico.

Uma combinação de resultados pode transformar o jogo entre Brasil e Sérvia, amanhã, em uma despedida melancólica da Olimpíada para as atuais campeãs.

Na abertura da rodada, China e Coreia jogarão pela classificação. Caso a partida vá para o tie-break, alegria completa para as asiáticas. Independentemente de quem vencer, as duas equipes estarão classificadas para as quartas de final. Na sequência, entrarão em quadra Estados Unidos e Turquia. As americanas já estão classificadas e com o primeiro lugar do grupo garantido. Ou seja: jogam por nada, podendo poupar as titulares para os mata-matas, evitando qualquer
chance de lesão. Já a Turquia, com seis pontos, precisa vencer para se classificar e, consequentemente, eliminar o Brasil. Jogará sabendo o resultado do clássico asiático e já saberá o resultado necessário para avançar. Um cenário propício para arranjos, não?

Como a Federação Internacional e o Comitê Organizador dos Jogos irão lidar com a situação? O vôlei viu no Mundial masculino de 2010 Brasil x Bulgária jogando para perder. No Mundial feminino de 2002, a China fez o mesmo. Com tantos precedentes, não me surpreenderia com outro vexame.



MaisRecentes

Vaivém: Vôlei Renata oficializa renovação de Dileo



Continue Lendo

Vaivém: A aposta ousada do Camponesa/Minas em Gabi e Natália



Continue Lendo

Venda de ingressos para final da Superliga no Mineirinho



Continue Lendo