Marmelada olímpica não me surpreenderá



Reproduzo aqui texto que escrevi para a edição deste sábado do LANCE!, sobre a briga pela classificação no grupo do Brasil no torneio feminino olímpico.

Uma combinação de resultados pode transformar o jogo entre Brasil e Sérvia, amanhã, em uma despedida melancólica da Olimpíada para as atuais campeãs.

Na abertura da rodada, China e Coreia jogarão pela classificação. Caso a partida vá para o tie-break, alegria completa para as asiáticas. Independentemente de quem vencer, as duas equipes estarão classificadas para as quartas de final. Na sequência, entrarão em quadra Estados Unidos e Turquia. As americanas já estão classificadas e com o primeiro lugar do grupo garantido. Ou seja: jogam por nada, podendo poupar as titulares para os mata-matas, evitando qualquer
chance de lesão. Já a Turquia, com seis pontos, precisa vencer para se classificar e, consequentemente, eliminar o Brasil. Jogará sabendo o resultado do clássico asiático e já saberá o resultado necessário para avançar. Um cenário propício para arranjos, não?

Como a Federação Internacional e o Comitê Organizador dos Jogos irão lidar com a situação? O vôlei viu no Mundial masculino de 2010 Brasil x Bulgária jogando para perder. No Mundial feminino de 2002, a China fez o mesmo. Com tantos precedentes, não me surpreenderia com outro vexame.



  • CMA

    eu não acredito que os EUA vão entregar, então dependemos de nós mesmo

    • Guga

      tambm acho a mesma coisa, e nem China e Coreia, ate pq vai direcionar a um rival +ou- forte do outro grupo

  • Luciano

    Como o primeiro jogo é entre Coréia e China, uma delas poderá ficar fora se as duas forem para o tie-break e os USA perderem para a Turquia tb no tie-break. Assim se o Brasil fizer 3 X ) na Sérvia, provavelmente sai que perder o jogo das asiáticas.

  • tuliobr

    Também não vejo porquê o McCutcheon entregaria o jogo. Simplesmente não é necessário. A seleção americana tem vencido consistentemente o Brasil nas últimas três temporadas, elas estão mais do que preparadas para reencontrar o Brasil, se for o caso. Aliás, pode ser até interessante para as americanas que o Brasil passe e enfrente logo depois Itália ou Rússia; mesmo com os problemas da SFV, tratar-se-á de um clássico que pode ser desgastante para o vencedor, qualquer que seja ele. E se não for, sem problema para as americanas, que jogam um vôlei muito superior ao dos outros times. McCutcheon provavelmente poupará algumas jogadoras e, se ele o fizer, será plenamente justificável: a condição física da Berg é sabidamente frágil, e jogadoras como Tom e Foluke não são mais garotinhas. Se o Brasil for eliminado, poderemos debater aqui e apontar várias causas, mas acreditem: o que Hugh McCutcheon fizer para o jogo contra a Turquia não será uma delas.

    • paulo

      Análise mais do que ponderada.

      • Héllenne Vivian

        Concordo com Luciano. Jamais McCutcheon, tanto pela história dos EUA de “potência mundial” , ou seja, vencer, vencer e vencer é o lema; além de ter vencido o Grand Prix de forma invicta e eram as francas favoritas ao ouro.

  • Rafa

    Há um fator que favorece a não ocorrência de um arranjo. Dentro das olimpíadas vimos a eliminação em massa de atletas do badminton por jogarem uma partida pra perder.

  • Afonso RJ

    Americano não entra em NADA, repito NADA MESMO para perder. Nem cuspe em distância. Se um dia houver uma disputa em que o vencedor ganha uma INJEÇÃO NA TESTA, os americanos vão fazer TUDO para vencer. Na cultura deles, o pior xingamento é o que eles chamam de “looser” (perdedor). Pior até do que xingar a mãe.

    • César Castro

      Se me permitir uma correção, Afonso: o correto é “loser”. “Looser” equivale a mais solto, mais folgado.

      • Afonso RJ

        Perfeito, Cesar. Tem toda a razão: É que meu inglês anda meio “rusty” 🙂

    • Naty

      kkkkkk…..perfeito Afonso….conheço bem os americanos….eles são assim mesmo, competitivos ao extremo, não aceitam (pra si próprios) não serem os melhores…acho dificil entrarem de corpo mole….

  • espilingarda

    assim como o brasil foi campeao em 2008 invictos de forma incontestavel as americanas tambem vao ser, entao so depende do brasil p/ avançar, mas perderiamos logo em seguida nas quartas, entao nao sei se vale msm essa classificação

    • filipe

      que saudade daquele time hen que encantou, era melhor q esse atual americano so perderam um set na final justamente com as americanas.

  • Adriano

    Como comentei no outro post, também não acho que os EUA vão entregar o jogo deliberadamente, mas um time sem Hooker seria bem mais frágil.

    De todo jeito, quero chamar atenção pra outro aspecto importante. Se o Brasil ganhar da Sérvia e o jogo das asiáticas for pro tie-break, o Brasil estará sendo eliminado (caso EUA perca pra Turquia) com 3 vitórias, enquanto um dos asiáticos passará às quartas com 2. Não é um cenário novo pra nós, já vimos isso na Copa do Mundo, quando o time perdeu vários pontos valiosos em jogos de 5 sets.

    Notem que se não valesse a regra dos 3 pontos pra vitória em 3/4 sets, pontos divididos em jogos de 5 sets, os quatro times estariam empatados, todos com 2 vitórias e 2 derrotas. Conseqüentemente, Coréia e China estariam indo pro pau na última rodada, porque quem vencesse estaria com a classificação assegurada e quem perdesse, não. O que quero dizer com isso: essa regra nova de pontuação é absurda – ela beneficia o perdedor e pune o vencedor. Isso é algo que digo há tempos, e nada tem a ver com a situação do Brasil nesse campeonato. Mas agora nós vemos uma faceta nova pra ela: não apenas beneficia os times que perdem, como ela, também, facilita possibilidade de combinação de resultados. China e Coréia não teriam a opção de fazer isso, caso a regra fosse a antiga. E enquanto isso, a FIVB está muito satisfeita, lavando suas mãos, com a história do sorteio de segundos e terceiros nas quartas-de-final, achando que resolveu os problemas da combinação de resultados.

  • Sarah

    Eu acho que mesmo com time reserva os EUA ganham tranquilos, e não acho que vão entregar, por que todos vão saber que entregaram, e vai parecer que eles estão com medo do Brasil (Eles são orgulhosos demais para isso).

  • OSA

    Quando o time masculino entregou pra Bulgaria no Mundial de 2010
    Achei que eles fizeram o correto, pois aquele regulamento era Rídiculo

    Se os EUA entregar o jogo amanha
    Não podemos reclamar de nada
    Pois vamos ser elimandos pro Incompetencia nossa, nada mais que isso

  • Caco

    Os EUA já provou no Grand Prix desse ano que mesmo com a equipe reserva é superior à Turquia. Acho que só perde se entregar… No entanto, por que iriam entregar o jogo, perdendo para a Turquia? Estão embaladas e invictas a vários jogos e perder é tirar o foco da equipe, dando moral para todas as outras equipes acreditarem que podem batê-las. Em 2008, o Brasil ganhou de todo mundo, já estava classificado antes e não entregou para ninguém. Se entregarem para a Turquia, vão perder a confiança e levar toco da Rússia nos playoffs.
    Com relação à China e Coreia, sinceramente, acho que haverá marmelada. Tomara que queime a minha língua e elas não façam isso, pois, se os EUA vencer a Turquia, se classificam mesmo perdendo o jogo. Mas penso que haverá marmelada…
    A Federação turca também é cheia de marmelada… O que poderia salvar é os EUA mesmo!

  • Luiz

    Eu realmente discordo apenas da parte dos EUA. Eles não iriam manchar uma campanha praticamente brilhante. E em primeiro de tudo, eles tem uma postura muito profissional. É só ver no jogo de hoje no masculino. A arbitragem ajudou a Rússia em alguns pontos, e mesmo assim os jogadores americanos pediam, mas não discutiam. Eles se viram e partem para a próxima bola. Eles tem uma postura esportiva e de vida invejável. Não me entendam mal, eu não gosto desta seleção feminina que aí está, por causa do Zé Roberto em particular, e eu gostaria muito ques os EUA entregassem sim, mas sei que é praticamente impossível. Os americanos tem outra cabeça; principalmente os americanos envolvidos nos vôlei. Disciplica é o segundo nome deles.

  • César Castro

    Bem, tudo pode realmente acontecer. Mas isso não me preocupa.

    Sair na fase de grupos, se acontecer, será um injeção de realidade no voleibol feminino brasileiro.
    Significará que precisamos nos reinventar e aprender a encarar jogos decisivos e finais de campeonato. Significará que é preciso jogar com os nervos e com a cabeça no lugar.
    Certamente virá um técnico novo e novas jogadoras e a seleção respirará novos ares.

    Sei que vou torcer muito amanhã nos três jogos sempre em prol do sucesso da SFV e sei que vou chorar junto com as jogadoras no momento da despedida (não importa qual seja).

    Mas como já falei em um post anterior, até como torcedor a gente amadurece.

  • Paula

    Não acredito que os EUA entreguem. Podem sim entrar reservas para poupar um pouco as titulares, mas pelo que vi delas no jogo conra a China, as reservas estão muito bem. As americanas jogam para ganhar e não manchariam seu quase certo ouro apenas para prejudicar outra equipe. É quanto ao primeiro jogo, acredito que nem China e nem Coréia gostariam de ficar em quarto e assim enfrentar a Rússia. Amanhã todo mundo vai entrar focado. As meninas vão precisar fazer sua parte e eu acredito nelas.

  • arthur

    Independente se os EUA entregarem ou não o jogo, o Brasil não se classificaria por incompetência própria, já que eramos superiores aos outros times, deixar a Turquia forçar o tie-break, perder pra Coréia sem ao menos tirar set […] sem mais, talvez se Brasil for desclassificado será uma lição para todos.

  • LEANDRO

    Podem ter certeza que o jogo entre China e Coréia será marmelada e elas vão levar o jogo para o Tie-Break.
    Os EUA vão jogar com o time reserva, abrindo a possibilidade para a Turquia. As americanos devem ter analisado se é melhor deixar o Brasil ou Turquia classificar porque uma delas podem ser adversária nas fases de mata-mata.
    Para mim haverá marmelada.

    • Annie

      Eu não chamaria de marmelada. Faz parte do jogo. Quem puder que se garanta pra não depender dos outros times, coisa q o Brasil não fez.

  • Annie

    Se o Brasil passar pra próxima fase, vai ser pior pra nós, vai mascarar a realidade atual do volei brasileiro, pondo em risco também o seu futuro. É melhor sair pra deixar escancarado, sem chances de enbromação, a necessidade de reformulação da seleção, a começar pela comissão técnica, que não pode ser uma ditadura interminável.

  • xAVIER

    A que ponto chegamos, é decadente, em 4 anos, sairmos de medalhistas olímpicos a temerosos por um arranjo de resultados para justificar uma medíocre campanha.

    Temos que repensar o que temos aprensentado nas últimas competições, Grand Prix e Olimpíadas e planejar um novo ciclo olímpico visando Rio2016. Se não estaremos em casa torcendo para os outros não fazerem m….

  • Leonardo

    Acho que em vez de ficar preocupado com o resultado dos outros, j’ se deve epnsar em arranjar um novo tecnico e uma nova comissao tecnica para RIO/2016. Ze’ fez a mesma lambanca no feminino de pois do OURO olimpico que tinha feito no masculino apos o OURO de 1992. O Ze’ conseguiu levar a selcao feminia ao fundo do poco e isso desde o ano passado com aquele vexame na COPA do MUNDO. A TURQUIA so’ nao venceu o BRASIL na estreia pq as turcas estavam participando de sua primeira olimpiada e estreiram logo contra as campeas olimpicas, logo as turcas respeitaram muito as campeas olimpicas, se nao fosse isso o Brasil teria ja’ perdido logo de estreia. Agora nao adianta ficar fazendo contas e especulando sobre combinacoes de resultado. A Turquia tem time p/ vencer os EUA, afinal de contas elas venceram as russas varias vezes. E o Brasil tem que fazer o dever de casa e nao ficar se preocupando com o resultado dos outros.

  • Santos

    Essa discussão é interessante, mas com toda a franqueza o que mais me preocupa não é a possibilidade de uma eventual marmelada. Muito mais preocupante, a meu ver, é a possibilidade de que o Brasil NÃO vença a Sérvia por 3 X 1 ou 3 X 0. O fato de as sérvias estarem eliminadas não quer dizer que estejam desmotivadas. Ao contrário, pode ser que queiram encerrar sua participação com uma exibição de gala. Vamos ver se conseguimos fazer a NOSSA parte. Pode ser que todo o resto saia bem e nossa seleção não faça o seu dever de casa. Espero não estar sendo profético…

  • Euri

    Vexame? Jogar com o regulamento não é vexame nenhum. VEXAME é o Brasil precisar torcer para os EUA para poder se classificar, isso sim é um VEXAME.

  • dweeb

    a marmelada é uma distinta possibilidade…

  • Leo

    Entre China e Coreia tudo é possivel. Agora no jogo entre EUA e Turquia acredito que não haverá marmelada, mesmo que as turcas vençam. Elas entrarão sabendo que podem se classificar, então jogarãoo que sabem e o que não sabem para conseguir isso. Vai ser difícil? Vai, mas não impossível. É claro que torço para o Brasil, mas a nossa seleção não fez o seu dever, então não pode reclamar.

  • Rodrigo

    Sinceramente, quem colocou a seleção nessa situação foram elas mesmo, portanto independentemente de marmelada ou não, as responsáveis por tudo isso, não é o Comite organizador, Turquia, China e etc….não vamos fazer igual Fabiana Murer, q coloca a culpa nos outros(vento, sumiço de vara e por ai vai).

  • espilingarda

    vdd aquele sim era bons tempos…

  • Adriano

    Atenção pra outra possível combinação, no masculino. No grupo A, Bulgária e Itália se enfrentam na última rodada, enquanto a Argentina pega a Grã-Bretanha. Se a Itália perder pra Bulgária, ela cai pra quarto. Por que ela preferiria perder? Passando em quarto, ela enfrenta EUA nas quartas. Em segundo/terceiro, o adversário seria Brasil ou Rússia. Acho que ela perde pra qualquer um dos três, mas eles podem ponderar (está na esfera de ação deles), qual dos 3 adversários pode ser melhor pra eles. Com certeza, o jogo da Itália encaixa melhor com EUA que com Brasil ou Rússia. E como é o segundo jogo do grupo, naquele ponto, a Polônia já deve ter batido a Austrália, impedindo as chances da Itália de passar como primeiro.

    Acho que essa situação da Itália, no entanto, é diferente da do feminino. A Itália já está classificada e pode perder propositalmente pra escolher adversário. Isso seria marmelada, assim como China e Coréia, que podem empurrar o jogo com a barriga até o quinto set, pra os dois garantirem classificação (realmente não acredito em ficarem ponderando se passam em terceiro ou quarto. Eles podem jogar pra valer pelo fator “espírito olímpico”, e especialmente porque os dois países já tiveram envolvidos com esse tipo de problema nesses Jogos, mas a situação é tão equilibrada, que a diferença de quem ganhar o jogo pra quem perder pode ser a do 2º pro 5º).

    No caso dos EUA, é diferente, eu imagino. Eles não entrariam com a mentalidade de perder propositalmente, mas com a prerrogativa de descansar titulares (se optarem por isso). Não é marmelada, eles têm pouco a ganhar com esse jogo, e podem usar reservas, se assim o quiserem. Azar dos outros, que dependem de resultado.

    Lembrem que em L.A.-84, os EUA perderam o jogo pro Brasil na primeira fase. A questão não é: entrar pra perder. Num jogo que não é decisivo – e ainda mais nesse jogo com a Turquia, em que uma vitória não agrega em nada pro time, em termos de classificação -, é normal entrar mais relaxado. E a Turquia, por pior que esteja se apresentando nesses Jogos, deve entrar na pilha.

  • Rodrigo

    Mesmo poupando as titulares (acredito que vá sim) acho que os EUA ganham assim mesmo!!! O time está muito certinho, e mesmo com reservas elas já provaram que ganham assim mesmo!!!

    E quando a fase está boa, poderia colocar até a seleção de novas que correria o risco de ganhar assim mesmo!!!

  • Leonardo

    Concordo com o Rodrigo: CHEGA DA SINDROME DA FABIANA MURER!!! Nao interessa qual seja o resultado de KOREAxCHINA ou de TURQUIAxEUA, o que interessa e’ que o BRASIL nao ta’ com espirito de grupo e ritmo de campeao olimpico: o choro da TAISA durante o jogo contra a CHINA e’ de DESESPERO… Nao adianta ficar culpando o VENTO ou qquer outra coisa: o ARY GRACA tem que ja’ estar pensando e substituir imediatamente quem provocou tudo isso: o Ze’ Roberto e sua comissao tecnica.

  • Caco

    Bem, a primeira marmelada já aconteceu… Acordei tarde hoje, o jogo estava no quarto set e a China entregando descaradamente para a Coreia. Só consegui assistir a 3 pontos. Não era jogo de voleibol!
    Como dizia acima, a única esperança são os EUA que, mesmo com as reservas, não vão entregar.
    Seja como for, caso o Brasil esteja fora, vou torcer para Rússia, Itália ou EUA. São equipes que já merecem há tempos o título olímpico.

  • Calio

    Eu acho que marmelada não é o nome correto.

    Marmelada é o que Brasil fez, e reclamar de possível combinação? Que há de errado nisso? Se os EUA quiserem perder, é do direito deles. Agora, porque o Brasil n joga por si só, e se classifique por seus méritos?

    Marmelada foi o que Zé fez. O que algumas jogadoras estão jogando.

    Tenho pena de algumas jogadoras q não mereciam passar por isso, como thaísa, adenizia, garay, paula, sheilla e fabiana(central), que, embora longe do máximo, mereciam mais.

    Murer foi incapaz de ser campeã, mas colocou a culpa em coisas distantes.

    Espero que Zé não faça isso, se bem que, pra quem viu o corte da melhor levantadora e libero do brasil, bem como da mari, podemos esperar tudo… até o impossível.

    Zé, o tempo passou, e a história já é outra.

MaisRecentes

A dor de Gabi e de quem estava ao lado



Continue Lendo

Duas gratas surpresas na Superliga



Continue Lendo

Minas espera Hooker ainda em outubro



Continue Lendo