Mari Paraíba: “Não dá para ser meia-boca entre as melhores do país”



Um traço da personalidade de Mari Paraíba fica mais claro na leitura da frase que ilustra este texto. Ela não é muito de rodeios, clichês e frases feitas. Talvez por isso tenha arrancado elogios de José Roberto Guimarães, que convocou pela primeira vez a ponta de 29 anos para a Seleção Brasileira em 2015, após a boa temporada feita pelo Minas, semifinalista da Superliga.

O treinador destacou a forma com que ela chegou ao grupo, dois meses atrás, para treinar em Saquarema. Não se intimidou com a concorrência, ambientou-se rapidamente, chamou a responsabilidade em jogos amistosos contra o Japão e ganhou um lugar no elenco que disputou a primeira etapa do Grand Prix, na Tailândia. Ontem, foi titular pela primeira vez no Pan de Toronto, na vitória por 3 a 2 sobre os Estados Unidos.

Mari joga primeira temporada na Seleção adulta (Divulgação)

Mari joga primeira temporada na Seleção adulta (Divulgação)

– Estou podendo sugar muito das meninas mais experientes do nosso grupo, desde os primeiros treinos. Existe aqui um ambiente tranquilo pra trabalhar e isso faz total diferença também. Tudo o que posso fazer para melhorar estou fazendo. Eu coloquei na cabeça que a cada dia, apesar da rotina cansativa de treinos, viagens e jogos, preciso dar o meu máximo. Sempre. É isso que estou tentando fazer a cada dia. Só assim vou conseguir. Tenho o objetivo de evoluir e sei que aqui a concorrência é dura. O que eu puder fazer para me destacar entre elas eu vou fazer – disse Mari, em entrevista ao blog.

Nestes dois meses de convivência com a Seleção, Mari diz ter aprendido uma importante lição:

– Nunca baixar a guarda. Aqui você precisa estar sempre 100%. Se não render em um fundamento você precisa render em outro para compensar.

E foi exatamente isso que ela fez ontem, diante das americanas. No ataque, Mari estava com dificuldade para pontuar. Colocou no chão apenas três de 29 bolas que recebeu, terminando a partida com cinco pontos. Mas teve 72% de aproveitamento no passe, além de ter sido a terceira melhor defensora brasileira.

As boas atuações na última temporada também ajudaram Mari a não ser mais “apenas aquela jogadora que posou para a Playboy”. Há exatamente três anos, ela estava na capa da revista masculina. Ganhou fama, um bom dinheiro, como ela mesmo reconhece,  foi entrevistada em programas de entretenimento nas principais TV´s do país, ganhou reconhecimento nacional e um peso extra de mostrar em quadra que não tinha apenas beleza. Admite ter sofrido bastante até entender a situação e saber contorná-la. (confira fotos da jogadora): Galeria Mari Paraíba

– Meu objetivo nunca foi ser uma musa.

maripb2

Mari também não fica em cima do muro quando o assunto é medalha no Canadá. Semifinalista ao lado da República Dominicana, a Seleção aguardo seu adversário para disputar uma lugar na decisão.

– Eu me imagino com ela. Espero voltar para o Brasil com uma medalha no pescoço.

E, para isso, também tem um “assistente” particular. O irmão Daniel abandonou há pouco mais de um ano a carreira como levantador. Era reserva de William, no Sada/Cruzeiro. E agora trata de dar dicas para a Mari. No Ibirapuera, na segunda etapa do GP, ela não jogou e acompanhou jogos, um deles ao lado do irmão.

– Ele me dá muitos conselhos. Vendo os jogos, ele me fala: “Nessa bola ruim, se vier assim pra você, é preciso tomar tal decisão”. Ele me passa dicas, desde a época  em que jogava – admitiu Mari.

Em contato com o blog, Daniel explicou sua “função” na melhor fase da carreira de Mari.

– Sempre dei conselhos pra ela, sou o irmão chato, sabe? (risos). Estava falando exatamente com ela, quando vi seu e-mail. Sempre mandei e mando mensagens no dia seguinte ao jogo, ou logo depois do jogo, falando o que ela tinha que melhorar, o que ela fez bem e pode ser melhor. E quando encontro com ela, não tem jeito, só espero uma brecha e começo a falar sobre vôlei (risos). Pelo tempo que joguei e convivi com tantos jogadores da posição dela e técnicos deu pra aprender alguma coisa. E ainda mais no vôlei feminino, em que a técnica acho que é mais importante que a força, tento passar para ela a importância de ter recursos técnicos para resolver situações mais complicadas de jogo e facilitar sua virada de bola, pois ela não sendo tão alta (1,80m), necessita ter mais habilidade – explicou Daniel.

Daniel defendia o Sada/Cruzeiro (Divulgação)

Daniel defendia o Sada/Cruzeiro (Divulgação)

Sobre a evolução da irmã, ele indica a passagem pelo vôlei de praia como primordial para a melhoria:

– Acho que ela melhorou em dois pontos cruciais que o tempo no vôlei de praia ajudou muito: Um foi a habilidade técnica, o uso de mais recursos principalmente no ataque. E o outro foi seu controle emocional, a segurança dela em quadra está maior. No tempo que jogou na praia, era ela e mais um, não tem reserva, ou você vai bem ou vai ser massacrada. Então, acredito que ela aprendeu a controlar melhor esse emocional, e depois de tantas experiências extraquadra, ela viu que é na quadra que ela mais se identifica e confiante que é isso que ela faz de melhor, junto com sua experiência que também conta.

Por fim, ele entrega o “segredo do sucesso” de Mari:

– Ela é paraibana, mas come quietinho igual uma boa mineirinha!



MaisRecentes

Giovane encaminha manutenção do vôlei carioca na Superliga



Continue Lendo

Basta! Nada justifica ameaças de morte



Continue Lendo

As duas formas de ver o novo Sesi



Continue Lendo