Mari é apresentada em Bauru e sonha alto



A campeã olímpica Mari foi apresentada na manhã desta sexta-feira pelo Concilig/Bauru.

A jogadora de 33 anos chegou ao interior paulista sonhando alto. Ela fala em levar ao Bauru à decisão da Superliga.

– Espero que possamos chegar à final. Claro que vamos trabalhar muito, degrau por degrau, buscar o melhor entrosamento para tentar superar equipes de muita qualidade, como todas da Superliga são. Mas a equipe que foi montada aqui tem condições de ir longe sim – comentou a atacante, que desembarcou na cidade no início desta semana e vem passando por avaliações físicas e médicas, além de fazer treinos leves com bola.

Mari e Msrcos Kwiek em Bauru (Divulfação)

Mari e Msrcos Kwiek em Bauru (Divulfação)

Sobre a estreia, Mari foi bem mais cautelosa.

– Estou há cinco meses sem jogar, sem treinar com bola, mas mantendo a forma. Voltei a bater bola essa semana, aqui em Bauru, e creio que vou precisar de um tempo para pegar ritmo novamente. Não quero definir um prazo, pois quero trabalhar forte para voltar o quanto antes, mas preciso de um tempo para entrar no ritmo das demais jogadoras do grupo.

O Bauru está nas semifinais do Paulista e vai estrear na Superliga no dia 27 de outubro, contra o Camponesa/Minas, com transmissão na TV aberta pela RedeTV!. Creio que para o patrocinador a data da estreia de Mari está bem clara.

Ela estava ao lado do técnico Marcos Kwiek na entrevista. O comandante de Bauru já havia dito em entrevistas recentes que poderá usar Mari como oposto. Acho uma decisão acertada de Kwiek, evitando que a jogadora fique exposta no passe, sacrificando assim seu principal fundamento: o ataque. O comandante aproveitou e seu uma análise do elenco, que recentemente recebeu os reforços das dominicanas Brenda Castillo e Priscilla Rivera.

– Temos uma equipe de qualidade, com uma boa mescla de jogadoras jovens e outras mais experientes, mas um grupo que está jogando junto agora. A maior parte do nosso time chegou esse ano, por isso precisa de tempo para se entrosar. Os bons resultados que tivemos até aqui nos mostram que estamos no caminho certo, mas também geram grandes expectativas sobre o nosso grupo. Por isso, precisamos ter os pés no chão e buscar o melhor sempre – comentou Kwiek.



MaisRecentes

Sesi joga melhor, bate Sada/Cruzeiro e fatura Supercopa



Continue Lendo

Seleção do Mundial não premiou destaques da final



Continue Lendo

Título coloca a Sérvia no topo após frustração olímpica



Continue Lendo