Desmotivação: a explicação oficial para a saída de Marcelinho e Rodrigão



Por intermédio de notas oficiais, o levantador Marcelinho  e o central Rodrigão explicaram como foram as reuniões que tiveram com a Sky, patrocinadora do Pinheiros, sobre a saída de ambos do time paulistano.

Pela declaração de Marcelinho, a demissão não ocorreu por questão técnica, mas por ele estar “triste e desmotivado”. Já Rodrigão

Veja abaixo:

MARCELINHO

Uma reunião realizada na tarde da última segunda-feira, na sede da SKY, em São Paulo, definiu a situação do levantador Marcelinho. O jogador, dispensado pelo Pinheiros (SP) antes do Natal, sem que o clube se manifestasse de maneira oficial sobre os motivos, se encontrou com diretores da empresa patrocinadora da equipe paulista. Marcelinho, que tem contrato até o meio de 2012, esteve reunido por cerca de uma hora e ficou resolvido que não voltará ao Pinheiros. Os detalhes sobre o contrato, no entanto, só serão discutidos em novo encontro, na semana que vem. Sendo assim, Marcelinho não tem mais vínculo com o clube.

– Tivemos uma reunião e a conversa foi bem franca. Toda essa situação foi chata, muito ruim e desnecessária, até porque sempre houve diálogo dentro do grupo. Todos saíram perdendo com isso, nós, clube, patrocinador e o vôlei. Na reunião, falaram que o Mauro Grasso pediu a minha dispensa porque estava me achando triste e desmotivado, mas nunca veio falar sobre isso comigo. Desmotivado eu não estava, não havia motivo pra isso, mas concordo que estava triste, sim, e não poderia ser diferente, os resultados não estavam aparecendo e todo o grupo estava muito incomodado com essa situação. Nossa equipe foi montada para conquistar títulos, para vencer e não aconteceu, então é normal que todos fiquem chateados, mas desmotivado nunca estive. Na semana que vem vamos nos reunir novamente para definir o meu futuro – comentou Marcelinho.

Sem poder atuar por um clube brasileiro – o regulamento da Superliga não permite que um atleta que já tenha entrado em quadra por uma equipe se transfira para outra durante o campeonato -, Marcelinho ainda não sabe como e nem onde será o seu futuro. Certo apenas que o Réveillon em casa, no Rio de Janeiro, com a família.

– Vou aproveitar essa semana para descansar com a minha família e pensar sobre o futuro. Não tenho planos, nada ainda em vista, não sei como vai ser o restante da temporada. Não esperava que isso fosse acontecer – completou.

RODRIGÃO

Em companhia de Douglas Sousa, agente da 7mais7 Sports, empresa que gerencia minha carreira, participei de uma reunião no início da tarde desta terça-feira com representantes da Sky.

No encontro, o assunto foi a decisão do Esporte Clube Pinheiros de não contar mais com meus serviços no restante do meu contrato, assinado em julho de 2009 e que iria até julho de 2012.

Durante a conversa, a diretoria da Sky informou que a iniciativa da rescisão do acordo foi exclusivamente do Pinheiros, que atendeu a uma determinação da comissão técnica comandada por Mauro Grasso.

Mesmo não tendo sido consultada sobre essa atitude, a Sky avalizou a decisão do Pinheiros e irá providenciar a rescisão do meu contrato, assumindo os encargos decorrentes dessa medida.

Os detalhes serão resolvidos em uma reunião com representantes do departamento jurídico da empresa, agendada para o dia 4 de janeiro.

Segundo me comunicaram, o treinador alegou que eu não apresentava motivação suficiente para prosseguir meu trabalho com o grupo do Pinheiros/Sky e que ele, como “não conseguia me motivar”, achava melhor que eu não permanecesse defendendo a equipe.

Apesar de respeitar a decisão do Pinheiros e da Sky, quero deixar claro que não concordo com os motivos alegados. Já defendi grandes clubes no Brasil e na Itália e há mais de 10 anos tenho o orgulho de jogar com a camisa da seleção brasileira no período mais vitorioso de sua história.

Sempre fui um atleta que respeitou e lutou pela equipe em que estava. Eu e meus clubes passamos por momentos bons e ruins, mas com muito trabalho e dedicação nos treinos e nos jogos conseguíamos a superação e a conquista de muitos títulos.

Não sou um jogador de me acomodar e aceitar passivamente quando os resultados esperados não acontecem. Talvez essa minha característica tenha sido compreendida de outra forma pelas pessoas do Pinheiros.

Vale destacar que o clube poderia ter tomado essa decisão em um momento mais apropriado e não agora, depois de disputados mais de 10 jogos e exatamente no último dia de inscrições de atletas para a Superliga.

Se eu tivesse sido comunicado antes do início da competição, poderia seguir minha carreira em defesa de outra equipe. Essa simples atitude certamente evitaria mágoas entre as partes, o que acabou sendo inevitável da forma como as coisas foram conduzidas.

Lembro também que, ao contrário do que foi citado por alguns veículos de comunicação, o meu projeto de participar da criação de uma equipe de vôlei adulto na cidade de Santos em nada influenciou minha saída do Pinheiros.

Manifestei essa minha intenção claramente desde o início e a diretoria da Sky esteve sempre ciente e, em momento algum, esse fato foi colocado como motivo de minha dispensa.

A partir de agora, vou procurar decidir o meu futuro profissional. Minha preferência é por permanecer no Brasil e vou procurar acelerar ainda mais a formação do time de vôlei de Santos, projeto pessoal que é um sonho antigo e que, aliás, conta com a simpatia da Prefeitura local e do Santos Futebol Clube.

Agradeço aos meus ex-companheiros do Pinheiros/Sky pelos 18 meses em que trabalhamos juntos, desejando a todos muito sucesso.



MaisRecentes

Quem fica com as últimas vagas na Superliga masculina?



Continue Lendo

Giovane encaminha manutenção do vôlei carioca na Superliga



Continue Lendo

Basta! Nada justifica ameaças de morte



Continue Lendo