Mais uma denúncia da ESPN



Mais uma reportagem do jornalista Lúcio de Castro, no site da ESPN, escancara bastidores do vôlei. O link para quem ainda não leu está aqui: http://espn.uol.com.br/noticia/395411_novo-escandalo-contrato-da-cbv-vale-r-10-milhoes-a-diretor-geral-e-braco-direito-de-presidente-da-federacao-internacional

A repercussão foi imediata nas redes sociais. Destaco aqui uma frase do ponta Murilo no Twitter para exemplificar o sentimento do meio do esporte:

“Tá de brincadeira só quero ver o que vai acontecer com esse dinheiro!! Gente ficando rica às custas dos nossos joelhos, ombros e tornozelos!!”

Estamos falando de um jogador que está na ativa, que já foi capitão da Seleção (e eleito o melhor do mundo em 2010), e que segue sendo convocado por Bernardinho. Ou seja, ele não iria se expor contra a entidade se a denúncia não fosse pesadíssima, envolvendo tanto dinheiro e com ligações tão íntimas entre os citados. Até porque quem tem mais a perder com esse posicionamento é o próprio jogador, certo?

Sobre os casos revelados, que já culminaram com a saída de Marcos Pina da entidade, uma certeza. A cada centímetro cavado no buraco, mais lama aparece. Se não existe nada para esconder, que os citados venham a público e esclareçam. É certo que o esporte não pode mais conviver com falta de transparência. E não adianda usar os inúmeros títulos conquistados nos últimos anos como “explicação”.

Elogia-se quando a medalha é conquistada, quando a gestão é correta, quando o exemplo é positivo. E cobra-se, numa mínimo, uma explicação digna quando denúncias tão absurdas brotam assim.

Com a palavra, os envolvidos!

 



  • Afonso RJ

    Em bom português, isso é crime pelo menos de falsidade ideológica. Em qualquer país sério, daria cadeia direto. Aqui vocês podem escolher o sabor: Napolitana, Aliche, Muzzarela, Portuguesa…

  • Afonso RJ

    Simples: a qualquer acusação mais séria, afirma-se que vão investigar a fundo “doa a quem doer”, depois recorre-se a “embargos infringentes” ou na falta desses, a “rebimboca da parafuseta”, troca-se os juízes e pronto. O de sempre: pizza.

  • Edu

    Caro Daniel, a sobrevivência do voleibol brasileiro esta completamente alicerçada nas costas do BB . A própria despreocupação dos dirigentes em ampliar o leque de apoiadores em fortalecer e aperfeiçoar a liga de duração de quatro meses ano já demonstra que alguém ,ou muito poucos, se privilegia disso. E o BB , com todo o suporte financeiro investido, se mostra absolutamente passivo e indiferente, como empresa que disputa mercado, na reversão da negatividade continua de seus fundos de investimento.É a associação perversa do desinteresse público do destino investido com a absoluta falta de vontade em demonstrar transparência ,viabilidade e retorno comercial no dinheiro empregado.

MaisRecentes

Minas espera Hooker ainda em outubro



Continue Lendo

Vaivém: Vôlei Nestlé confirma apresentação de peruana



Continue Lendo

Vaivém: Polonesa é esperada em Barueri



Continue Lendo