Lucarelli: o garoto que jogou como gente grande



Lucarelli é o caçula da atual Seleção: 23 anos. Nesta quinta, no Maracanãzinho, na partida que poderia marcar a eliminação do Brasil da Liga Mundial, demonstrou maturidade de gente grande e foi o nome da vitória sobre os Estados Unidos, por 3 sets a 1.

Você até pode contestar o primeiro parágrafo deste texto, alegando que Lipe, que entrou no decorrer terceiro set, foi o cara do jogo. Ele foi importante mesmo, verdade, incendiando o time com vibração ao fazer pontos decisivos, como escrevi na crônica do duelo já publicada no blog. Mas Lucarelli, no geral, jogou mais.

O ponta terminou o duelo com 21 pontos (atrás apenas de Matt Anderson, com 30), e um aproveitamento de 52% no ataque. Números consideráveis, levando em consideração que Bruninho usou Lucarelli como seu “homem de segurança”. Quando o passe não saiu (e foram várias as vezes que os americanos quebraram a recepção brasileira no saque), o ponta foi a opção. E deu conta do recado.

O amadurecimento foi enaltecido após o jogo por Bruninho, o capitão, e por Bernardinho.

– Hoje ele está entre os cinco melhores atacantes do mundo. Fico muito contente pelo progresso que ele vem demonstrando. Mas ainda tem muito para dar. É só o início – elogiou o levantador.

– Tive a oportunidade e a honra de trabalhar com alguns dos maiores ponteiros deste país. Como jogador, com Renan e Bernard, dois dos grandes da história. Como treinador, com Giovane, Nalbert, Dante e Giba… Em capacidade técnica, Lucarelli não deve nada para eles. Tem potencial para entrar para a história como um destes grandes citados – reforçou o treinador, que citou o trabalho que vem sendo nos últimos três anos com o ponta, desde que foi levado para Londres, em 2012, como observador, para vivenciar a experiência olímpica com foco na Rio-2016.

Lucarelli vem mesmo sendo trabalhado nos últimos anos para assumir uma posição até certo ponto carente para quem já teve tantos craques nos ciclos olímpicos recentes. Deixou de ser o menino formado pelo Minas, transferiu-se para o Sesi, foi criticado em alguns momentos, e busca agora atingir agora um nível de excelência, para poder se transformar em referência da atual Seleção.

Nesta sexta-feira, para seguir na briga pelo título, o Brasil não precisará dos ataques do tão elogiado Lucarelli. Terá de torcer para algumas possibilidades de resultado para França x EUA. Triunfo por qualquer placar dos franceses ou 3 a 0 e 3 a 2 a favor dos americanos classifica a Seleção. Se der 3 a 1 para os EUA, os três times ficarão empatados e a decisão sairá nos pontos average (divisão dos pontos feitos pelos sofridos).



MaisRecentes

Giovane encaminha manutenção do vôlei carioca na Superliga



Continue Lendo

Basta! Nada justifica ameaças de morte



Continue Lendo

As duas formas de ver o novo Sesi



Continue Lendo