Líderes vencem, Gabi volta, Tiffany MVP: a abertura do returno



O segundo turno da Superliga feminina começou boas histórias humanas, favoritismo confirmado dos líderes e aumento da briga por vaga nos playoffs.

No Ginásio do Tijuca, a vitória do vice-líder Sesc sobre o lanterna Sesi por 3 a 0 (25-20, 25-14 e 25-13) foi óbvia. A não ser pela presença da ponta Gabi em quadra. Recuperada de uma cirurgia no joelho, a ponta fez a estreia na temporada.

Ela entrou no segundo set, no lugar de Drussyla, e não saiu mais. Gabi terminou a partida com três pontos: um no saque e dois no ataque, após cinco bolas recebidas. Ela ainda cometeu um erro e foi bloqueada uma vez. Números discretos, mas que dizem pouco quando a principal notícia é a presença da selecionável em quadra após longa ausência. Peña e Vivian foram as maiores pontuadoras (11 acertos), enquanto a levantadora Roberta ganhou o VivaVôlei Cimed.

Gabi de volta contra o Sesi (Divulgação)

– Acho que eu nunca tive uma sensação de tanto nervosismo para um jogo. O Bernardo me avisou no segundo set que eu entraria, e meu coração começou a disparar. É engraçado, porque eu estou acostumada a jogar momentos difíceis, diante de outras responsabilidades. Mas hoje foi uma sensação completamente diferente. Estou muito feliz de conseguir jogar, conseguir fazer o primeiro ponto depois da cirurgia e sem dor nenhuma, isso é o mais importante. Agora é só alegria – disse Gabi.

Outra atleta com uma noite especial foi Tiffany. A primeira transexual brasileira a disputar a Superliga feminina foi eleita a melhor em quadra na vitória do Bauru sobre o Pinheiros por 3 a 1 (25-18, 25-22, 24-26 e 25-16), no Ginásio Panela de Pressão, no interior paulista. A oposto marcou 25 pontos, 24 deles no ataque.

– Após a derrota para o São Caetano nos reunimos e nos cobramos. Sabíamos que precisávamos mostrar mais união dentro de quadra e foi o que fizemos e fomos felizes – comentou Tiffany.

Tiffany se destacou pelo Bauru ontem (Divulgação)

Certamente a cada rodada com boa atuação de Tiffany a discussão  aumentará. E é normal que isso aconteça, já que existem poucos parâmetros de situações parecidas de uma atleta que mudou de sexo e disputou competições masculinas e femininas na carreira. Para o Bauru o que importa é que a boa atuação de Tiffany deixou o time mais perto do G8 (veja abaixo).

Já o líder Dentil/Praia Clube segue sua marcha invicta na Superliga. Em casa, triunfo tranquilo sobre o Renata Valinhos/Country, por 3 sets a 0, parciais de 25-13, 25-20 e 25-13. A central Fabiana ganhou o VivaVôlei Cimed após marcar 15 pontos.

Foi o 12º triunfo do time mineiro na temporada 2017/2018 da Superliga.

– Acredito que alcançamos nosso objetivo, que foi somar os três pontos nesse início do segundo turno. Porém, não saímos tão satisfeitas, pois sabemos que cometemos erros e paramos em alguns momentos em que não podíamos. Apesar disso, abrimos vantagem e saímos com a vitória. Estamos buscando, cada vez mais, explorar o meio de rede e jogar com nossas centrais. Precisamos abusar disso um pouco mais e crescer no segundo turno – comentou a bicampeã olímpica.

Quem também venceu foi o Vôlei Nestlé. Neste caso, de virada. Após perder o primeiro set para o Hinode/Barueri, o time de Osasco virou para 3 a 1: 19-25, 25-13, 26-24 e 25/10.

Foi a segunda vitória da equipe de Luizomar de Moura sobre a de José Roberto Guimarães em quatro dias. A outra havia acontecido pelas quartas de final da Copa Brasil. Os dois times ainda demonstram muita irregularidade. Mas a de Barueri, principalmente no ataque, é bem preocupante.

Ninkovic recebe bola de Fabíola contra Barueri (Divulgação)

A sérvia Ninkovic foi eleita a melhor em quadra após marcar 14 pontos, cinco de bloqueio. Edinara e Tandara foram as maiores pontuadora do duelo, com 16 cada.

– É meu primeiro troféu individual com o Vôlei Nestlé e estou muito feliz, especialmente porque é o último jogo em nosso ginásio neste ano – comentou a sérvia.

Já a surpresa da rodada aconteceu no ABC Paulista. O São Cristovão/São Caetano passou pelo Camponesa/Minas no tie-break, parciais de 25-18, 16-25, 25-22, 16-25 e 15-10. A americana Hooker foi o desfalque das visitantes, que tiveram Rosamaria como maior pontuadora: 20 acertos. Pelo time da casa, Sabrina (18), Fernanda Tomé e Sonaly (15) foram decisivas.

Por fim, mas não por isso menos importante, o Fluminense abriu o returno com vitória fora de casa sobre o BRB/Brasília, de virada, parciais de 22-25, 25-22, 25-15 e 25-11. Thaisinha ganhou o troféu de melhor em quadra.

E é bom ressaltar a excelente campanha do Tricolor até aqui. São 22 pontos, oito vitórias e quatro derrotas, à frente de Minas e Barueri, atrás apenas de Praia (36 pontos), Sesc (31) e Vôlei Nestlé (25).

CLASSIFICAÇÃO

1) Dentil/Praia Clube – 36 pontos (12 vitórias)
2) Sesc – 31 (11)
3) Vôlei Nestlé – 25 (8)
4) Fluminense – 22 (8)
5) Camponesa/Minas – 22 (7)
6) Hinode/Barueri – 18 (6)
7) Pinheiros – 18 (6)
8) São Cristovão/São Caetano – 16 (6)
9) Bauru – 16 (4)
10) BRB/Brasília – 7 (3)
11) Renata Valinhos – 4 (1)
12) Sesi – 1 (0)



MaisRecentes

Coluna: Minas e um dia histórico para o vôlei nacional



Continue Lendo

O tremendo desafio de Minas e Dentil/Praia Clube no Mundial



Continue Lendo

Coluna: Sinal de alerta com as chuvas no Brasil



Continue Lendo