Legado? Vou fingir acreditar



Maracanãzinho, Rio Arena (ex-HSBC, quando tinha naming rights) e todos as arenas poliesportivas construídas dentro do Parque Olímpico. O Rio de Janeiro não poderia reclamar de falta de equipamentos esportivos no término de 2016.

Mas a realidade do tal legado é muito distante do que os políticos prometiam meses atrás, após os gastos bilionários em instalações. A Cidade Olímpica convive, dia após dia, com exemplos vergonhosos de falta de opções para realização de jogos de basquete e vôlei.

Semanas atrás, o clássico Flamengo e Vasco pelo Novo Basquete Brasil foi adiado. Hoje, o duelo entre Fluminense x Dentil/Praia Clube, pela Superliga feminina, não aconteceu por problemas climáticos (chuva durante parte da semana, umidade alta e piso consequentemente escorregadio).

 

Não dá para culpar o Tijuca e a Hebraica, que seriam palco dos respectivos jogos. Há tempos os dois ginásios são pequenos e modestos, mas dentro dos parâmetros de segurança e conforto para times e espectadores. Todos os envolvidos nas diferentes modalidades sabem e se adequam a isso. Mas os dois ginásios deveriam ser os estepes após a Rio-2016, não as únicas opções de utilização.

Não é de hoje também que o Rexona-Sesc procura um palco à altura para os clássicos e jogos decisivos e esbarra em “falta” de opções.

O Maracanãzinho, palco de uma final olímpica entre Brasil e Itália menos de quatro meses atrás, segue fechado. Ninguém sabe quem é o dono. A Odebrecht, ela mesmo, quer devolver a gestão de todo o complexo esportivo para o Estado. Antes cobrava caro para alugar o local e afastava os interessados. O Governo estadual, por sua vez, não tem dinheiro para assumir a “criança” e demora para definir detalhes de uma nova licitação. Assim um templo sagrado do esporte brasileiro fica fechado e sem uso, mesmo destino de todo o Parque Olímpico, cercado de tapumes, fechado para o público e com custos milionários de manutenção. É o legado!

Enquanto isso a RedeTV! segura duas horas de transmissão ao vivo sem bola em jogo. Triste realidade do esporte nacional!



  • #Volei #SPFC #Speed

    Lamentável. E a dona Odebrecht, cada vez mais enrolada na Lava-Jato. Por que a Unilever não compra uma dessas arenas e o Fluminense a outra? Mesma situação do Mineirinho, em BH. Aqui em Taubaté, o Funvic/Taubaté tem que mandar os jogos no minúsculo Abaeté, longe do centro da cidade.

  • L. Mesquita

    É por essas e outras q o vôlei não tem espaço na TV ABERTA! Moro no RIO DE JANEIRO e essa cidade não tem NADA DE MARAVILHOSA!!! O legado olímpico pra mim foi: uma cidade e um estado FALIDOS, CORRUPÇÃO, VIOLÊNCIA, TRÂNSITO CAÓTICO, POLUIÇÃO, CAOS NA SAÚDE, EDUCAÇÃO E,principalmente, na SEGURANÇA! O RIO é um vexame nacional! Eu como carioca, tenho poucas alternativas de praticar esporte, quer seja por falta de estrutura, quer seja por falta de segurança, violência urbana! O Rio é um CAOS TOTAL!!!

MaisRecentes

Vaivém: Mais estrangeiras na Superliga?



Continue Lendo

Com emoção, Corinthians se garante na Superliga



Continue Lendo

Com méritos, Brasil cumpre obrigação



Continue Lendo