Kosheleva joga muito e coloca Rússia nas finais do GP



A Rússia é a última seleção classificada para as finais do Grand Prix. A vaga foi carimbada com a vitória por 3 a 0 sobre a Alemanha, com parciais apertadas de 26-24, 27-25 e 26-24.

Kosheleva em entrevista pós-jogo (FIVB/Divulgação)

Kosheleva em entrevista pós-jogo (FIVB/Divulgação)

O resultado eliminou os Estados Unidos, que torciam para que as russas vencessem apenas no tie-break.

Pelo título, as russas duelarão em Tóquio com Brasil, China, Turquia, Bélgica e Japão.

Para seguir viva na competição, após uma péssima impressão deixada na etapa de São Paulo, a Rússia deve muito à ponta Kosheleva. Ela marcou um set inteiro e mais um pontinho de brinde (19 no ataque, seis no bloqueio e um no saque), liderando com a folga a disputa entre as maiores anotadoras. Malykh colaborou com 12. Pelo lado alemão, pontuação dividida entre Kozuch (13), Brinker (12) e Furst (12).

 



  • filhodedavid

    Boa Tarde Daniel, a moça da foto ao lado de Kosheleva é a ex-jogadora e levantadora Tatiana Gratcheva da seleção Russa? Excepcional levantadora de uma beleza formidável.

    • Daniel Bortoletto

      tive a mesma impressão. Mas como a FIVB não creditou, não quis arriscar

    • Luiz Rodrigues

      Não, a que você se refere é uma levantadora que já não joga há tempos pela seleção russa e que é muito bonita.

  • Luiz

    Boa noticia, mas não adianta, a Rússia só vai vencer a seleção Brasileira em 2016, na final, no Maracanãzinho. Até lá serão muitas derrotas.

    • Tereza

      E quem disse que a Russia chegara a final no Rio 2016 no vôlei nem no feminino nem no masculino aqui eles serão mandados para casa antes das finais rsrsrsr

      • Thiago

        Kosheleva é uma ilha de excelência nesse time renovado da seleção russa. Carrega, claramente, o grupo nas costas. Brasil é muito mais time, possui um conjunto bem entrosado e vem sabendo atuar sob pressão. Não é mais mistério nem motivo de preocupação exagerada encarar a Rússia, com ou sem Gamova!

        Só tem uma coisa…em 2016 quem vai vencer a seleção brasileira, ao que tudo indica, será os EUA. Esse sim já está se tornando um adversário á altura e, mesmo tendo realizado um Grand Prix bem abaixo das expectativas, tal fato não é motivo para ilusão, pois já demonstra que é um grupo ambicioso e que vem construindo um rico arsenal para o setor ofensivo através do infindável número de jogadoras e uma comissão técnica competente. Fato! Para eles, Rio 2016 é o objetivo mor. O projeto para essa conquista já está a pleno vapor. 2008 e 2012 não interessam. Já é passado. Ficou a lição do que está faltando.

        Não é atoa que as finais do Grand Prix de 2015 será em solo americano e que pretende-se instaurar por lá uma liga profissional de vôlei até meados de 2018. Planejamento, se arriscar com peças pouco conhecidas, experimentando o novo sem se prender ao que não deu certo, porém sempre mantendo o foco, é o que eles fazem.

        Os brasileiros tem de ter visão objetiva e enxergar quem de fato será, provavelmente, seu maior oponente na modalidade que mais vem trazendo bons resultados para o Brasil. Saber o que é prioritário e tomar conhecimento de formas alternativas de trabalho no cenário esportivo, mesmo em relação ao voleibol, onde o Brasil vem segurando a ponta no feminino, em vez de se apegar à uma rivalidade já desgastada e patética com as russas, não mais fundamentada no jogo em si, mas em diferenças de comportamento e personalidade das atletas.

        Brasil x Rússia há muito é o combate de quem afronta mais, provoca mais, olha com cara mais feia e por ai vai. Se joga pra saber qual dos dois vai ter o privilégio de olhar pro outro de cima. Tem espaço para o voleibol, mas não deixa de ser o jogo do deboche.

        Já Brasil x EUA é um confronto estratégico, puro jogo de xadrez. Interessa mais explorar os pontos fracos um do outro e tentar vencer por ali. Trava-se uma verdadeira guerra psicológica. Se joga pra saber quem conciliou melhor a técnica e a tática com a arte do esporte, a emoção!

  • Luiz

    Eu me equivoquei. Sou uma besta quadrada. É a Síndrome de Capacho que me afeta de vez em quando. A Rússia vai levar uma surra na fase final do GP, outra no mundial e outra na Olimpíada do Rio. Muitos tocos nas esqueléticas.

    • Márcia

      rsrsrs É, tem muito brasileiro que sofre dessa síndrome. A mídia tem muita culpa nisso. Vai ser assim mesmo. Vão levar uma cacetada do Brasil!

    • Luiz

      Não, querida, você não é uma besta quadrada, só é irrelevante mesmo. Se fosse inteligente me ofenderia usando seu próprio nome e não o meu. Deveria aprender a causar, mas não tem talento pra isso. Beijo, querida, o poste é logo ai, continue sempre indo em frente… SMACK!

  • Luiz Rodrigues

    Joga muito a Koshleeva, o problema é que a Rússia esconde o jogo, quem acha que o Brasil vai ganhar fácil delas no Mundial, cuidado! Elas terão o reforço da Gamova, Sokolova e Borodakova (central), porém, elas terão uma pedreira no grupo pois enfrentam as americanas antes.
    Nesse Grand Prix porém, acho que o Brasil leva e bem o 1º lugar.

    • klaus

      A central será a Morozova. Borodakova nem titular é mais no Dínamo Kazan.Perdeu a vaga para a Markova.Aliás, essa Borodakova é uma das piores centrais que vi jogar.

    • Iuri

      No dia que a gente for temer a Borodakova, pode mandar fechar nosso voleibol. Uma das piores e mais limitadas jogadoras de meio q eu ja tive o desprazer de ver jogar.

  • Samuel

    A seleção alemã é muito inconstante. Apesar dos 3×0, foram todos muito apertados. O que falta nessa seleção, é uma outra ponteira. Brinker é ótima, mas não resolve com a Kozuch e Furst. Uma Mari nessa seleção, seria uma solução!

  • Juliano

    É uma Natália russa. Tem dia que joga muito e tem dia que joga nada.

    E uma coisa é certa, assim como a Natália, estando no dia ou não, sempre quina algum momento no passe.

MaisRecentes

Seleção masculina terá logística complicada na Liga das Nações



Continue Lendo

Seleção feminina jogará em Barueri na Liga das Nações



Continue Lendo

Sábado dos visitantes na Superliga masculina



Continue Lendo