Japão fica com prêmio de consolação



Fico sempre com um pé atrás no momento da premiação individual de qualquer competição.

Para quem já viu dirigente “vetar” um premiado do próprio time para evitar que ele excedesse na comemoração e voltasse mais gordinho depois, qualquer surpresa é vista com desconfiança.

Sobre a líbero Sano ter faturado o troféu de MVP do Grand Prix, faço a leitura de um pouco de politicagem para agradecer o país-sede pela realização das finais. Admito que ela jogou bem o hexagonal e foi uma das responsáveis pelo vice-campeonato. Ainda assim, daria o troféu para Jaqueline, numa disputa acirrada com Thaisa.

Elas foram, para mim, mais regulares do início ao fim das quatro semanas. A ponta surpreendeu muita gente com boas atuações depois de um ano parada, enquanto a central já é na bola de segurança do Brasil desde a temporada passada.

As demais premiadas pela FIVB: Dani Lins foi a melhor levantadora. Sheilla (que se recuperou durante o GP) ganhou como melhor oposto. Fabiana foi uma das melhores centrais, ao lado da russa Fetisova. Entre as ponteiras, Liu (China) e Nagaoka (Japão) faturaram. Zé Roberto ainda venceu como o melhor treinador.

Gostaram do time ideal?



MaisRecentes

Giovane encaminha manutenção do vôlei carioca na Superliga



Continue Lendo

Basta! Nada justifica ameaças de morte



Continue Lendo

As duas formas de ver o novo Sesi



Continue Lendo