Já passou da hora de mudar



Acabo de ler matéria de hoje da Folha de S. Paulo sobre o desejo da CBV de levar jogos para regiões que não possuem times na Superliga. Segue o link para vocês: http://www1.folha.uol.com.br/esporte/1189111-confederacao-de-volei-quer-implantar-superliga-itinerante.shtml

Sim, é necessário fazer o esporte expandir as fronteiras da Regiões Sul e Sudeste, que concentram atualmente todos os participantes da competição. É bom para massificar o vôlei, para aproximar os craques (hoje temos quase todos eles atuando no Brasil) dos fãs e também para levar a marca dos patrocinadores para todo o país. Mas não creio que o melhor seja simplesmente tirar, por exemplo, um jogo do Sollys/Nestlé de Osasco para levá-lo para Manaus, Goiânia ou Fortaleza. E como ficam os torcedores fiéis e fanáticos das sedes que religiosamente, faça frio ou faça sol, vão apoiar seu time do coração?

O que a CBV deveria fazer é botar o dedo na ferida e mexer de uma vez no seu calendário. Sentar com Globo/SporTV, que transmitem o principal produto da entidade, e mudar de uma vez por todas, logicamente pensando em encaixar o novo modelo na grade das emissoras, sem qualquer ruptura drástica.

Já passou da hora de se criar a Copa do Brasil, o Jogo das Estrelas e ter uma Superliga mais extensa, com uma tabela mais inteligente, sem tanto atropelo entre as partidas. Não entra na minha cabeça ter jogos às segundas, terças, quartas, quintas, sextas, sábados e domingos, com 20 horários diferentes. Assim não se cria uma cultura, não cativa o público.

Jogadores tocam nesses temas todo início de temporada, mas pouca coisa muda ano após ano.  Eles devem ser ouvidos para que firmem uma posição única e coerente.

A Copa do Brasil, por exemplo, poderia ocorrer no Norte/Nordeste do país. Não resolveríamos parte do problema sem transformar a Superliga em itinerante? O Jogo das Estrelas também poderia acontecer fora do eixo dos grandes centros do esporte atualmente (SP, RJ e MG). Cada temporada em um estado diferente, por exemplo. Creio que iria chover interessado, com dinheiro no bolso, para ser a sede de um evento deste, com transmissão de TV, presença de ídolos, etc…

Na minha visão, não é difícil. Basta boa vontade de TODOS os envolvidos: CBV, clubes, jogadores e emissoras de TV.



MaisRecentes

Coluna: Minas e um dia histórico para o vôlei nacional



Continue Lendo

O tremendo desafio de Minas e Dentil/Praia Clube no Mundial



Continue Lendo

Coluna: Sinal de alerta com as chuvas no Brasil



Continue Lendo