Isso sim é uma crise de verdade



Durante a semana,  Eduardo Bernardo, leitor do blog, já havia comentado sobre a confusão na Bulgária. E o assunto merece mesmo um post, como sugeriu o Sidronio Henrique.

Para quem não sabe, Matey Kaziyski, astro do time, anunciou que não disputará os Jogos Olímpicos de Londres, por não aceitar a troca no comando da seleção masculina.

A entrevista de Kaziyski, ao anunciar que não irá disputar a Olimpíada, foi muito polêmica. E ainda rende por aqueles lados da Europa.

O ponta foi muito sincero e criticou abertamente Martin Stoev, escolhido pela Federação local para substituir Radostin Stoychev, além de escancarar o racha com os cartolas do país, chamados até de mafiosos.

Percebam pelas respostas curtas e diretas o grau de insatisfação de Kaziyski:

– Por que você disse que Martin Stoev é um técnico fraco?
Porque ele é. É o meu julgamento particular como um atleta profissional.

– Então, como você ganhou duas medalhas (bronze no Mundial 2006 e na Copa do Mundo 2007) com Stoev?
Com um time forte. Não com um técnico forte.

– E como você atuando…
Com meus companheiros na quadra. Não sozinho.

Nos últimos dias, torcedores protestaram em frente à Federação Búlgara de vôlei. Aproximadamente 15 mil pessoas aderiram a um abaixo-assinado que pede a saída do presidente Dancho Lazarov e sua equipe. Os participantes estão pedindo apoio para fãs do futebol, com o intuito de mostrar, durante as finais da Liga Mundial, em Sofia, o tamanho da insatisfação do país.

Já a insatisfação de Kaziyski começou a ganhar corpo durante o primeiro Pré-Olímpico em Sofia. Stoychev foi demitido após uma derrota. O time se rebelou, ameaçou não jogar mais e o comandante foi mantido para o outro Pré-Olímpico que também aconteceu na capital búlgara. Já este terminou com o time garantido em Londres. Os atletas acreditavam que a conquista da vaga seria suficiente para que ganhassem o braço de ferro com a federação. Mas isso não aconteceu, mesmo após conversas até com integrantes do governo.

– Eles (a Federação) esperaram um erro nosso, uma derrota, e demitiram o técnico. A Federação não pode se levantar contra a seleção nacional e esperar que nós (jogadores) tenhamos confiança neles, que os representemos em quadra.

Outros jogadores devem seguir o exemplo de Kaziyski. Sokolov, oposto e ex-companheiro do ponta no Trentino, e Todorov, central, não deverão estar em Londres.



MaisRecentes

Quem fica com as últimas vagas na Superliga masculina?



Continue Lendo

Giovane encaminha manutenção do vôlei carioca na Superliga



Continue Lendo

Basta! Nada justifica ameaças de morte



Continue Lendo