Irregularidade custa caro para o Brasil no Japão



Uma atuação com muitos altos e baixos rendeu ao Brasil a segunda derrota na Copa dos Campeões. Nesta manhã, revés diante do Japão, dono da casa, por 3 sets a 2, parciais de 25-18, 25-27, 25-16, 16-25 e 15-6.

Reparem bem nas parciais vencidas pelas japonesas para uma melhor compreensão da irregularidade brasileira na terceira rodada da competição.

O resultado praticamente acaba com as chances de título do Brasil no último torneio do ano. Na abertura da rodada, a China derrotou a Coreia por 3 a 0, com direito a um set vencido por 25-4 (!?!) e segue invicta. São oito pontos da atual campeã olímpica, com o Brasil agora em quarto lugar com cinco, mesmo número de Japão e Estados Unidos. O time de José Roberto Guimarães ainda terá pela frente coreanas e americanas e não depende exclusivamente das próprias forças para encerrar 2017 com o quarto título em quatro competições.

Natáia foi a maior pontuadora brasileira: 15 acertos (FIVB Divulgação)

Natáia foi a maior pontuadora brasileira: 15 acertos (FIVB Divulgação)

Contra o Japão, o ataque esteve muito abaixo do esperado. Em alguns momentos faltou obediência tática das jogadoras. Em vários outros o problema foi impaciência. Vejam alguns números: Tandara colocou no chão 11 de 41 bolas. Natália recebeu 36 e pontuou em 13. Rosamaria fez 6 em 24, Monique 5 em 14 e Gabi nenhum em cinco (atuou apenas no primeiro set). No total o time verde-amarelo fez 54 pontos no fundamento, dez a menos do que as adversárias.

Zé Roberto colocou para jogar todas as opções na ponta e na saída de rede. Também mexeu na posição de líbero, com Suelen entrando no lugar de Gabi.

O Brasil, inclusive, correu o risco de perder em sets diretos. No segundo set, esteve atrás em 24 a 20. Reagiu após um erro de ataque no Japão no primeiro match point e com a inversão do 5-1 em quadra (Naiane no saque e Monique na rede). Mas a incrível reação não fez o time manter na sequência as rédeas da partida.



MaisRecentes

Quem fica com as últimas vagas na Superliga masculina?



Continue Lendo

Giovane encaminha manutenção do vôlei carioca na Superliga



Continue Lendo

Basta! Nada justifica ameaças de morte



Continue Lendo