Mais investimento milionário do Governo no vôlei nacional



Reproduzo aqui um release que acabo de receber do Ministério do Esporte. Leiam, reflitam e opinem.

Uma coisa é certa: não vai ser por falta de investimento que o nível do vôlei/vôlei de praia do país irá cair até a próxima Olimpíada.

Convênios do Ministério do Esporte com valores que chegam a R$ 24,8 milhões apenas para este ano garantem que a Confederação Brasileira de Voleibol (CBV) trabalhe com detecção de talentos, preparação de seleções e disputa de circuitos e campeonatos no exterior. Para 2013, foram cinco os convênios aprovados em chamada pública, mas, somados os repasses de outros sete, em 2011 e 2012, os investimentos do Ministério no vôlei passam de R$ 43 milhões em três anos, visando aos Jogos Olímpicos do Rio 2016.

Todo o treinamento, participação em circuitos internacionais com transporte, hospedagem e alimentação de atletas e técnicos, mais o trabalho multidisciplinar (preparador físico, fisioterapeuta, nutricionista, médico, psicólogo e estatístico) na retaguarda das seleções femininas e masculinas do vôlei de praia têm por meta principal, nesta temporada, a disputa dos Circuitos Sul-Americano e Mundial, da categoria adulta, com cobertura de R$ 8,9 milhões.

O destaque em 2013, no caso das seleções sub-19 e sub-21, são os Mundiais das respectivas categorias. O Mundial Sub-21, feminino e masculino, será ainda este mês, entre os dias 19 e 23, em Umag, Croácia; o Mundial Sub-19 está marcado para o período entre 11 e 14 de julho, no Porto, Portugal. Para a preparação e participação dos brasileiros, foi previsto R$ 1,7 milhão.

Segundo Tadeu Saad, superintendente da CBV, o dinheiro do Ministério contribui para a estruturação de todas essas seleções.

– Apenas no caso específico do Mundial Sub-23, a entidade usará recursos próprios, porque não havia previsão para a disputa. A categoria foi implantada este ano pela FIVB (Federação Internacional de Voleibol). Esses Mundiais Sub-23, feminino e masculino, começaram na quinta-feira, 5, e vão até este domingo, 9, em Myslowice, na Polônia – explica.

Outro convênio para o vôlei de praia em 2013 busca a detecção de talentos, com R$ 4 milhões para a realização de oito Campeonatos Brasileiros de Seleções Estaduais, Sub-19 e Sub-21, femininos e masculinos. Os dois previstos para a categoria sub-19 foram realizados em maio, em Cabo Frio, Rio de Janeiro, e em Belo Horizonte, Minas Gerais. Agora em junho, entre esta quinta-feira (6) e domingo (9), haverá o primeiro dos seis campeonatos da categoria sub-21, em João Pessoa, na Paraíba. Atletas e comissões técnicas têm transporte terrestre e aéreo, hospedagem, alimentação, equipamentos e apoio médico e de serviços.

Dois dos cinco convênios foram feitos para a base do vôlei de quadra. Um é para a realização de Campeonatos Brasileiros de Seleções Estaduais, juvenis e infanto-juvenis, femininos e masculinos, com foco na detecção de talentos, e recursos em torno de R$ 4,7 milhões. Em paralelo, há a preparação das seleções brasileiras infantil, infanto-juvenil e juvenil, femininas e masculinas, que também contam com equipes técnicas multidisciplinares para treinamentos e competições, com recursos de R$ 5,5 milhões.

Para a CBV, em 2011 os valores do Ministério alcançaram R$ 11,5 milhões, para quatro projetos direcionados principalmente para classificação e preparação das seleções de praia que foram aos Jogos Olímpicos de Londres 2012. Mas também houve apoio às seleções juvenis, sub-19 e sub-21, de quadra e de praia, visando já aos Jogos de 2016 e 2020. Parte do dinheiro foi utilizada para a realização do Campeonato Brasileiro de Seleções Estaduais 2012.

Três convênios já haviam sido firmados em 2010, quando a CBV recebeu R$ 7,4 milhões, para treinamento e intercâmbio de seleções infanto-juvenis e juvenis, além da preparação das seleções adultas de vôlei de praia para os Jogos Olímpicos de Londres 2012. Um dos convênios visava à adequação de alojamentos e outras instalações do Centro de Desenvolvimento de Vôlei de Saquarema, no Rio de Janeiro.



  • gustavo

    Nao achei legal,pois o ary desgraça roubando cada vez mais e so pensando nas seleçoes e no seu proprio bolso e esquece da superliga com formato ultrapassado,times acabando,salarios atrasados e nada de repassar parte desse dinheiro para os clubes e superliga.lamentavel…

    • Speed Volleyball

      Deve ir pro bolso do Toroca, já que o Ary (Des)Graça está na FIVB…

  • elaine

    uma coisa é a verba que existe, outra é pra onde ela vai!
    e tudo isso não é nada perto do que os clubes de futebol pagam para as estrelinhas.
    se o dinheiro para investir no esporte fosse usado como deve, TODOS os esportes estariam recebendo igual investimento. todos sabem que o neymar acabou com o futebol feminino no santos e o basquete do palmeras quase foi extinguido. ridículo!

  • Rodrigo Nascentes

    E os clubes como ficam??? Dinheiro para as seleções tem, mas investimento na Superliga nada.

  • Vera ucia

    O Ari e um ladro safado enquanto ele estiver la a super liga nao vai pra frente,

  • Periico

    Além desse convênio, a ditadura da CBV também foi outorgada?

MaisRecentes

Semana positiva das Seleções adultas



Continue Lendo

Coluna: O polêmico teste na regra do vôlei



Continue Lendo

Vaivém: Mais estrangeiras na Superliga?



Continue Lendo