Íntegra da coluna



Caros, segue, como prometido a íntegra da coluna do LANCE! publicada hoje.

O quanto é preciso ficar preocupado

Admito que este início de Campeonato Mundial feminino está estranho. Alguns favoritos patinam, outros se afundam, enquanto times médios, sem grandes resultados internacionais, colocam as manguinhas de fora.

O efeito desta situação “derruba palpite” é deixar ainda mais improvável uma competição sem um bicho-papão. Os prognósticos  são cada vez mais arriscados. E olha que estamos na primeira fase, longe do momento decisivo.

O Brasil, que poderia ser o grande nome, apoiado pelo título olímpico de 2008, já comprovou a falta que sente de Paula Pequeno e Mari. O triunfo suado, no tie-break, diante da República Tcheca deixou nítida a dependência ofensiva do time na oposto Sheilla, autora de 27 pontos.  O meio-de-rede, que havia brilhado contra o Quênia, desta vez foi menos acionado. Natália e Jaqueline, nas pontas, tiveram um aproveitamento baixo no ataque. Assim, é nítido que as levantadoras vão apelar mesmo para a bola de segurança com Sheilla. Contra um rival mais gabaritado, a estratégia poderá ser suicida. Como bem disse José Roberto Guimarães após o triunfo sobre as tchecas, um título mundial não se ganha sem regularidade. Por enquanto, é uma ótima definição para o Brasil, que tem bola para deixar os adversários com muito mais medo.

Já entre os concorrentes, Cuba é a grande decepção. Duas derrotas por 3 a 0 para Croácia e Alemanha. Na melhor das hipóteses, vai avançar para a segunda fase como quarta colocada do Grupo C. As caribenhas podem esquecer qualquer sonho de pódio. Bom ficar de olho nas alemãs, muito bem dirigidas pelo italiano Giovanni Guidetti. O teste contra as americanas é um ótimo parâmetro para o restante do torneio.

A pseudo-favorita Rússia, por enquanto, é o time da virada. Foi capaz de perder o primeiro set para República Dominicana e Turquia, respectivamente, e depois vencer parciais por 25-9 e 25-11, por exemplo. Prova de instabilidade total, mesmo mal que atinge as brasileiras. E também as americanas. Ah, e as italianas…

Com este panorama, não é apenas o time de Zé Roberto que acendeu o sinal amarelo. Até por isso, a preocupação, por enquanto, não deve ser exagerada.



  • kafepaulo

    Daniel,

    Antecipadamente obrigado pelo espaço aqui no seu blog…
    Depois de assistir ao massacre de hoje, contra as holandesas, somente com a mudança da nossa levantadora, Fabiola, e a consequente manutenção das outras jogadoras, veio provar que a Paula e Mari, realmente são grandes jogadoras, más não com a importancia por aqui defendidas por voce.
    No jogo do sufoco contra a Rep Tcheca, com a entrada da Fabiola no final do terceiro set, já tinhamos mudado o comportamento da partida, pois a mesma dá uma incrivel velocidade, eh tem mais, com uma ótima distribuição de jogadas, o que infelismente não vimos nesse jogo, pois como toda a imprensa e o nosso tecnico, querem empurrar a Dani Lins, como levantadora, más já está mais do que provado que não tem a categoria necessária para isso, pois dos titulos conquistados pelo Rio de Janeiro, somente na ultima edição, foi efetivamente titular, time do qual a Fernanda Venturini junto com o Bernardinho já tinham estruturado para ser a campeã, contando ainda com a ajuda do juiz naquela ocasião, com um erro grotesco. Voltando a Dani Lins, o time fica muito lento, pois a mesma só levanta as bolas para as ponteiras e/ou oposta muito alto, dando chance, eh tempo para o bloqueio adversário, o que não acontece com a Fabiola, que normalmente usa as jogadoras para a definição do ponto em levantadas chutadas, o que é a melhor caracteristicas da seleção feminina, pois perdemos em altura de quase todas as equipes, eh ainda por cima, temos a Fabiola, que vibra muito mais do que qualquer uma dali, talvez ache um pouco menos do que a Fabi…rsrsrsrs
    Eh agora vamos ver, se com o jogo da Fabiola, nesse último jogo, o José Roberto não invente de entrar novamente com a Dani Lins, pois essa, acho que é muito ruim mesmo, perde até mesmo para a reserva da Fabiola, que é a Japinha do Osasco…
    Vamos lá Brasil, buscar esse caneco ai…

MaisRecentes

Vaivém: Ju Carrijo em Bauru



Continue Lendo

Vaivém: Primeiros nomes certos em Campinas



Continue Lendo

Lançamento do uniforme em grande estilo



Continue Lendo